quinta-feira, 18 de outubro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Barra Mansa fecha o cerco contra o mosquito da Aedes aegypti

Barra Mansa fecha o cerco contra o mosquito da Aedes aegypti

Matéria publicada em 18 de janeiro de 2018, 18:38 horas

 


Aedes aegypti: Agentes intensificarão as ações com visita aos domicílios e eliminação dos focos - Paulo Dimas

Aedes aegypti: Agentes intensificarão as ações com visita aos domicílios e eliminação dos focos – Paulo Dimas

Barra Mansa

Com o objetivo de intensificar as ações de combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, o prefeito Rodrigo Drable se encontrou na manhã de quarta (17), com agentes da Secretaria de Saúde na Coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental, no bairro Boa Sorte. Os cuidados são importantes principalmente nesta época em decorrência das chuvas e temperatura alta.
– De um modo geral, ele destacou a responsabilidade de que todos os agentes de Saúde têm nessa fase, enfatizando as ações de controle e combate ao mosquito Aedes Aegypti”, explicou a Gerente de Vigilância em Saúde, Ana Lúcia Deveza. Como parte do Programa Municipal de Combate da Dengue, uma equipe de 92 profissionais dividida em 82 agentes, oito supervisores de campo e dois supervisores gerais intensificarão nos próximos dias as ações de identificação dos possíveis criadouros do mosquito transmissor com visita aos domicílios e a eliminação dos focos.
Reclamações e denúncias sobre possíveis focos de dengue podem ser feitas de segunda à sexta, das 7 às 17 h, na Coordenadoria de Vigilância em Saúde Ambiental, na Rua Getúlio Borges Rodrigues, 210, Boa Sorte ou pelo telefone (24) 3326-2588. A orientação é que os moradores autorizem a entrada dos agentes para um trabalho efetivo de inspeção, controle e eliminação dos focos.

Verão contribui para aumento dos focos

Durante o verão a transmissão pode ocorrer com maior intensidade, pois é nesse período que o desenvolvimento do mosquito é mais rápido. Os ovos do mosquito Aedes Aegypti podem permanecer grudados nos recipientes por 450 dias. Nos seres humanos, a permanência do vírus incubado pode durar de dois a quinze dias. De acordo com o Coordenador de Vigilância em Saúde Ambiental, Maurício Iencarelli, a população deve seguir algumas dicas básicas para impedir os focos e criadouros do mosquito. “Evitar manter água parada em pneus, vasos de planta e garrafas são algumas formas fáceis de prevenção. Além de tampar as caixas d’água. Só dessa forma, conseguiremos impedir novos focos e aumento da doença”, afirmou.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. To na batalha tambem, mas sr prefeFACE precisamos derrotar tambem os milhares de chupa sngue que estão ai na prefeitura, secretario de agricultura so falta empregar os bezerros do sitio dele

Untitled Document