quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Dia de Santo Antônio é celebrado em Volta Redonda

Dia de Santo Antônio é celebrado em Volta Redonda

Matéria publicada em 13 de junho de 2016, 21:27 horas

 


Missas, bênçãos dos pães e procissão marcaram a data do padroeiro da cidade; nem o frio espantou os fiéis

Pela fé: Nem mesmo o frio espantou os devotos de Santo Antônio que percorreram as ruas do bairro Niterói, em Volta Redonda (Foto: Paulo Dimas)

Pela fé: Nem mesmo o frio espantou os devotos de Santo Antônio que percorreram as ruas do bairro Niterói, em Volta Redonda (Foto: Paulo Dimas)

Volta Redonda – O Dia de Santo Antônio de Pádua – comemorado nesta segunda-feira, dia 13 de junho – foi celebrado pela paróquia que leva o nome do “santo casamenteiro”, no bairro Niterói, em Volta Redonda – cidade da qual é padroeiro. Com missas ao longo do dia e uma procissão à noite, os fiéis cantaram músicas religiosas e percorreram as ruas do bairro junto à imagem do santo e nem mesmo o frio impediu que eles saíssem de casa.

Depois da procissão, os devotos assistiram a uma missa celebrada pelo bispo Dom Francisco Biasin, que relatou a história do santo italiano, como o próprio bispo.

– Santo Antônio foi um frei que seguiu o espírito de São Francisco, com a preocupação em relação aos pobres. Antônio era doutor em Teologia, mas não fazia questão de destacar seu título, ele se identificava com os mais simples. No convento o qual pertencia, a comida que sobrava ele dava aos mais necessitados – disse Biasin.

Mais cedo, pela manhã, o bispo Dom João Maria Messi celebrou a missa de bênção aos pães, que segundo Biasin, é uma tradição que tem fundamento histórico.

– Santo Antônio conforme ia retirando do saco os pães e entregando aos pobres, percebia que estava acabando a comida e mediante a isso, ele fez suas orações pedindo a Deus que não permitisse que faltasse o pão para os carentes e nunca faltou. Por isso, a tradição dos pãezinhos que são entregues após a missa para guardar na casa dos fiéis para que não falte alimento – explicou o religioso.
O padre responsável pela paróquia, Carlos Henrique Rocha, também pontuou a atuação do santo aos mais carentes.

– Santo Antônio foi um homem da caridade, era de família nobre, foi da ordem dominicana e depois franciscana. Tinha característica de missionário, possuía sempre dedicação para os pobres. Sua vida foi de amor e misericórdia – disse, acrescentando que anteontem foi realizado na paróquia um grande café da manhã para os moradores de rua.

Já sobre a fama de casamenteiro, o bispo disse que não há indícios na história que mostrem essa vocação de Santo Antônio, e que essa crença surgiu entre os brasileiros.
– Essa devoção popular foi criada no Brasil. Na Itália, e em outros países não há comentários sobre isso. Na história de Santo Antônio não há indícios que ele ajudava moças a se casarem, existem apenas algumas lendas – afirmou.

Devoção

Centenas de pessoas participaram da procissão com a imagem do santo e uma delas foi a médica Rosa Maria Soares. Ela disse que pediu a Santo Antônio quando ainda estava na faculdade e teve seu pedido atendido.

– Acompanho há mais de 10 anos a procissão. Fiz um pedido enquanto estava na faculdade para quitar a dívida do meu curso e tive a graça alcançada. Ele continuou me abençoando até minha formação acadêmica, essa devoção foi passada de pai para filha, meu pai chama Antônio e me ensinou a ter devoção ao santo – disse.

A aposentada Cecília Salgado acompanhou pela primeira vez a procissão e foi pedir bênçãos ao casamento do filho.

– Estou acompanhando a procissão pela primeira vez. Vim para pedir ao santo que abençoe o casamento do meu filho que irá acontecer em outubro, espero que Santo Antônio atenda ao meu pedido e proporcione muita felicidade ao casal – falou.

A amiga de Cecília, Helena Raposo, acompanhou pela quarta vez a procissão e dedicou seus pedidos ao neto.

– A graça que peço a Santo Antônio é que coloque uma moça boa no caminho do meu neto. Estou acompanhando pela quarta vez a procissão e hoje eu peço essa graça e estou confiante que ele irá atender, já que é conhecido por ser o santo casamenteiro – disse com fé.

História

Santo Antônio era Fernando de Bulhões. Ele nasceu em 1195, em Lisboa, Portugal, numa família nobre e rica. Educado em Coimbra, tornou-se membro da Ordem de Santo Agostinho e foi ordenado sacerdote aos 25 anos. Nesse tempo, a fama de Francisco de Assis já percorria Portugal.

Desejoso de conhecer Francisco de Assis foi à Itália. Depois do encontro, foi designado para lecionar teologia aos frades de Bolonha e com apenas 26 anos de idade, foi eleito provincial dos franciscanos do norte da Itália. Antônio aceitou o cargo, mas nele não permaneceu, pois sua vontade era pregar pelas vilas e cidades, atendendo aos necessitados. Assim percorreu várias regiões da Itália e do sul da França.

Morreu em 13 de junho de 1231, nos arredores de Pádua, na Itália, com apenas 36 anos, vítima de uma doença conhecida como barriga d’água. Ali foi sepultado numa basílica que se tornou lugar de peregrinação. Ele foi canonizado no ano seguinte pelo papa Gregório IX.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document