sábado, 15 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Prefeitura de Volta Redonda discute solução para Núcleo de Posse Dom Waldyr

Prefeitura de Volta Redonda discute solução para Núcleo de Posse Dom Waldyr

Matéria publicada em 22 de março de 2018, 19:36 horas

 


Solução: Equipes técnicas do FURBAM e do IPPU vão se reunir com o a CEHAB para ver o andamento da parte física da obra - Gabriel Borges – Secom/VR

Solução: Equipes técnicas do FURBAM e do IPPU vão se reunir com o a CEHAB para ver o andamento da parte física da obra – Gabriel Borges – Secom/VR

Volta Redonda – O prefeito Samuca Silva recebeu nesta quinta-feira (22), representantes da CEHAB (Companhia Estadual de Habitação) e da secretaria de Obras do Estado do Rio, para discutir soluções sobre o Núcleo de Posse dom Waldyr, que fica no bairro Belmonte. O encontro aconteceu por intermédio do Bispo dom Francisco Biasin. Também estiveram presentes no encontro representantes do FURBAN (Fundo Comunitário de Volta Redonda), da secretaria municipal de Ação Comunitária e Procuradoria Geral do Município.
A princípio, o local era uma obra do Governo do Estado que seria destinada para a Vila da Melhor Idade, mas em 2012, a empresa responsável paralisou a obra, e após a paralisação houve a ocupação, denominada pelos habitantes de dom Waldyr. Entre as possíveis soluções para resolver o problema no local, está a anulação do convênio com o Estado, municipalizando a obra. Atualmente 52 famílias vivem nesse núcleo de posse, no Belmonte
De acordo com o prefeito Samuca Silva, esse é um passo delicado e é preciso que o jurídico da prefeitura entre em contato com o jurídico do Estado para ver se existe a possibilidade legal de isso acontecer. “A situação não é fácil. Envolve juridicamente. Mas estamos empenhados em resolver a situação. Independente disso existe um grupo de trabalho que está estudando outras áreas para atender os ocupantes do dom Waldyr”, explicou o prefeito.
O Presidente da CEHAB, João Alberto Galvani, se mostrou aberto a ajudar a resolver a situação. “Dentro desse entendimento, o Estado faria a rescisão com a empresa. Vamos fazer essa reunião com a procuradoria do município para resolver a parte legal. Mas estamos comprometidos a resolver esse caso”, contou João.
Enquanto isso equipes técnicas do FURBAM e do IPPU (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano) vão se reunir com o a CEHAB para ver o andamento da parte física da obra. E caso for possível, legalmente, a prefeitura vai fazer a parte estrutural e os moradores entram com a obra das casas.

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Prefeito agora já começou a ceder, tem que tirar sim, muita gente tem condições sim, tem até carro.

    Vc trabalha a vida toda comprar terreno

    Outro invade e ganha

    Mundo dos oportunistas

  2. Esse é o nosso prefeito mostrando para os outros o modo de gestão apoiando invasores de terras ,vai mostrar para todo mundo que é certo invadir terrenos e se apropriar de propriedades vazias,continue assim que gracas a Deus vai ser seu primeiro e ultimo mandato ,se as pessoas falam que são pobres como vão terminar as casas com nosso dinheiro que pagamos impostos vai virar mais uma favela pena que não é na sua rua ,nos moradores da rua somos que vamos pagar por essa favela desvalorizando nossas casas conquistados trabalhando duro de sol a sol .

  3. Arthur Rodrigues Arlves

    Acho que ele esta no ramo errado!
    Ele não queria ser modelo não?
    Adora sair em uma foto, sempre isso.
    Faz alguma coisa e para de se alto promover!!!!!!
    Vamos trabalhar e parar de blablabla.

  4. Qual a providência do IPPU, em relação às invasão da àrea verde número 3?

Untitled Document