quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Ciência – Por Jorge Calife / A fantástica baleia espacial do bilionário Elon Musk

A fantástica baleia espacial do bilionário Elon Musk

Matéria publicada em 4 de janeiro de 2018, 07:20 horas

 


wp-cabeca-ciencia

Na sexta-feira, dia 22 de dezembro, os moradores da cidade de Los Angeles foram surpreendidos por uma visão estranha no céu. Um rastro luminoso que se expandiu para formar uma imensa bolha de vapor translúcida com a forma de uma baleia ou um peixe estilizado. Na era da internet e dos celulares com câmeras, a estranha visão correu o mundo e foi compartilhada por milhões de pessoas. Teve gente pensando que era um ataque da Coreia do Norte, outros acharam que era uma invasão alienígena. Mas era só um foguete Falcon 9 da empresa Space X, que tinha decolado da base de Vandenberg, ao norte da cidade dos anjos.

Elon Musk, o bilionário dono da Space X, prometeu que, ano que vem, fará outro lançamento ainda mais espetacular. Foguetes subindo para o espaço são coisa comum hoje em dia, principalmente em países como os Estados Unidos e a Rússia. E, geralmente, não produzem visões tão arrebatadoras quanto a bolha luminosa do Falcon 9. O show no céu da Califórnia foi o resultado de uma série de fatores incomuns. Para começar o foguete partiu na hora do poente, quando o Sol já tinha se escondido no horizonte da cidade, mas ainda brilhava sobre objetos a grande altitude. A esteira de fumaça do foguete, iluminada pelos últimos raios do sol poente, ganhou uma cor dourada. Em segundo lugar o Falcon 9 transportava um conjunto de satélites de comunicações da série Iridium que o levaram a seguir uma trajetória na direção do sudoeste. À medida que o foguete subia a atmosfera ficava menos densa. Quando o segundo estágio foi acionado os gases se expandiram formando a enorme bolha transparente.

O filme completo do lançamento pode ser visto no YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=JRzZl_nq6fk). Repare que dentro da bolha em forma de peixe tem um ponto luminoso soltando descargas de gás branco. É o primeiro estágio do foguete, acionando seus motores de orientação para voltar a Terra. Antigamente os foguetes se perdiam, caindo no mar depois de cada lançamento. A Space X criou uma tecnologia revolucionária que permite recuperar esses estágios e usá-los de novo. Eles são guiados para um pouso suave em uma plataforma flutuante no mar e descem sustentados pela força dos seus motores.

Espetáculo: Nuvem de gases lembrava um peixe translúcido (Foto: Reprodução)

Espetáculo: Nuvem de gases lembrava um peixe translúcido (Foto: Reprodução)

A economia produzida pelos foguetes recuperáveis vai reduzir o custo dos lançamentos. Tornando possíveis sonhos antigos como viagens de turismo e hotéis no espaço. Elon Musk tem sonhos ambiciosos que incluem enviar homens e mulheres para o planeta Marte em 2024, dez anos antes da agência espacial americana Nasa. Mas tudo depende da saúde das empresas dele, que produzem tecnologias de ponta como carros elétricos e foguetes recuperáveis. Há quem ache que Musk vai acabar falindo antes de chegar em Marte, mas, por enquanto, ele é o verdadeiro rei do show.

Os foguetes são o único tipo de veículo capaz de funcionar no vazio do espaço sideral, onde não existe ar. Eles funcionam de acordo com o princípio da ação e reação. Gases quentes escapam pelas tubeiras na cauda do foguete e produzem uma reação oposta que empurra o foguete para frente. Ao contrário das turbinas dos aviões, que precisam do ar da atmosfera para funcionar, os foguetes carregam seu próprio estoque de oxigênio liquefeito. Eles são uma invenção chinesa e no início usavam um combustível sólido, semelhante a pólvora. Durante séculos eles foram usados apenas como fogos de artifício e arma de guerra. Até que os cientistas do final do século XIX e do início do século XX tiveram a ideia de usar foguetes para transportar objetos para o espaço sideral.

Objetos como os 10 satélites Iridium lançados pelo Falcon 9. É graças aos satélites lançados pelos foguetes que temos previsões do tempo mais confiáveis e televisão via satélite. Sem os satélites lançados por foguetes não poderíamos assistir aos jogos de futebol e corridas de Fórmula 1 que acontecem em outros continentes. E não teríamos o sistema de navegação GPS que também é um resultado da tecnologia dos foguetes.

 

 

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br

2 comentários

  1. PÔ PENSEI QUE VOCÊ ESTIVESSE FALANDO DA DILMA INDO PRA MARTE.

  2. Apesar de ser um fã de Elon Musk e de seus projetos ambiciosos, também tenho minhas dúvidas se ele é realmente um visionário ou apenas mais um sonhador egocêntrico. Só o tempo dirá, mas torço para o sucesso dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document