sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / A queda da Tiangong 1

A queda da Tiangong 1

Matéria publicada em 30 de março de 2018, 07:00 horas

 


Estação espacial chinesa deve cair na Terra no domingo de Páscoa; Tiangong pesa nove toneladas e é do tamanho de um ônibus escolar

wp-coluna-espaco-aberto-jorge-calife-2

A estação espacial chinesa Tiangong 1 vai cair em algum lugar do planeta Terra neste domingo de Páscoa. Mas não se preocupem. A chance de um pedaço do Palácio Celestial chinês atingir algum habitante da Terra é de uma em 300 milhões, segundo cálculos da Agência Espacial Europeia (ESA). Muita gente tem comparado a queda da Tiangong com a queda do Skylab, em 1979, mas é bem diferente. O Skylab foi a primeira estação espacial americana, tinha o tamanho de uma casa de três andares e pesava 100 toneladas. A Tiangong pesa só nove toneladas e é do tamanho de um ônibus escolar.
Ela deve se desfazer assim que entrar na atmosfera da Terra e só restarão pedaços pequenos para atingir o solo. Além disso, como 70% da superfície terrestre é coberta pelos oceanos, a chance maior é de que os restos da Tiangong terminem no fundo do mar. Como aconteceu com a velha estação espacial russa, Mir, que se desintegrou sobre o oceano Pacífico no ano de 2001.
A reentrada da Tiangong 1 deve acontecer entre as últimas horas do sábado (31) ou então no domingo (1º de abril). A faixa atingida pelos destroços abrange uma comprida fita de dois mil quilômetros de comprimento e 70 quilômetros de largura. Não se sabe exatamente onde vai ser porque os chineses perderam contato com a estação espacial e não podem mais controlar sua trajetória. Com o Skylab foi diferente. A Nasa americana manteve contato com sua estação espacial até os momentos finais e pôde orientar sua trajetória sobre regiões desabitadas. Alguns pedaços da estação americana caíram no deserto da Austrália, para felicidade dos fazendeiros australianos que ficaram com as relíquias.
Estações orbitais, como o Skylab e a Tiangong, caem na Terra porque ficam em órbitas muito baixas, a 400 quilômetros de altura. A essa altitude ainda existem moléculas de ar que vão gradualmente reduzindo a velocidade do módulo espacial. Para permanecer em órbita as naves devem manter uma velocidade de 28 mil quilômetros horários. Com essa velocidade elas compensam a atração da gravidade da Terra e ficam em “queda livre” executando uma órbita circular em torno do nosso planeta.
O Skylab americano foi lançado em 1973 e a Nasa pretendia mantê-lo funcionando até 1990. Mas um aumento da atividade solar fez a atmosfera da Terra se expandir, aumentando o atrito da estação espacial com as camadas superiores da atmosfera. E o Skylab despencou em 1979. A Tiangong chinesa foi lançada ao espaço em setembro de 2011. Sua missão era servir de banco de provas para a grande estação espacial que os chineses pretendem construir na próxima década.
Com a Tiangong os taikonautas chineses praticaram manobras de acoplamento com suas naves tripuladas Shenzhou 9 e Shenzhou 10 em junho de 2012 e junho de 2013. Depois o laboratório orbital foi abandonado no espaço e não recebeu mais visitas de astronautas. Mas acabou servindo de cenário para um filme de ficção científica, “Gravidade”, do diretor Alfonso Cuaron. É na Tiangong 1 que a Sandra Bullock retorna a Terra depois de ficar perdida no espaço junto com o George Clooney.
O ponto de queda da Tiangong pode ser em qualquer lugar do mundo entre as latitudes de 42 graus norte e 42 graus sul. O que inclui também todo o território brasileiro. As chances são infinitesimais, mas suponha que o leitor esteja saboreando seu ovo de Páscoa quando de repente um pedaço da Tiangong cai em seu quintal. O que deve fazer? A primeira coisa é não tocar no destroço e nem chegar perto. Alguns dos combustíveis das naves espaciais chinesas e russas são altamente tóxicos. Chame as autoridades mais próximas. Você também não pode guardar o pedaço de recordação. Legalmente ele pertence ao governo da China.

 

Perdida: A Tiangong vai cair até domingo

Perdida: A Tiangong vai cair até domingo

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. ” Alguns dos combustíveis das naves espaciais chinesas e russas são altamente tóxicos” . Porquê ? O combustível americano é inofensivo ? kkkkkkkkkk
    É cada um q aparece…………….

  2. Qual será o próximo passo do programa chinês de exploração do espaço? Eles começaram em um ritmo frenético e tinham planos ambiciosos de exploração da Lua, aí deram uma diminuída e esta notícia da queda da estação espacial é a última em anos. Será que eles chegam à Lua na próxima década?

    • Não precisa, pois já estão dominando o mundo já faz muito tempo, os minerais estratégicos, as lavouras produtivas, , os metais e pedras preciosas, o petróleo, já faz tempo q eles comandamo mundo. Então antes de desdenhar, leia mais um pouco…………..

    • Enquanto uns vivem de bravatas, eles vivem a realidade.

Untitled Document