sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / O cinema de ontem e de hoje Seriados eram em PB e continuavam na próxima semana

O cinema de ontem e de hoje Seriados eram em PB e continuavam na próxima semana

Matéria publicada em 22 de maio de 2018, 07:02 horas

 


Seriados eram em PB e continuavam na próxima semana

Seriado: O Capitão América na versão de 1944

Como a maioria dos críticos de cinema, passei a minha vida vendo filmes. Na minha juventude não tinha DVD, nem Blu-ray e assistíamos aos filmes no cinema. A garotada se reunia para ir às matinês, que geralmente começavam no sábado e no domingo, aí por volta das duas da tarde. As cidades eram cheias de cinemas. Mesmo aqui no sul do estado, havia cinemas em Barra do Piraí e Pinheiral, além de Volta Redonda e Resende. Os filmes eram de dois tipos, os longas-metragens, geralmente em cores e cinemascope e os seriados em preto e branco.

Os longas-metragens tinham geralmente umas duas horas de duração e contavam uma história com começo, meio e fim. A ideia do espectador sair da sessão sem ver o final da história era impensável. Num longa metragem a trama tinha que concluir antes do “The End” no final. Geralmente com o herói beijando a mocinha. Esperar para ver a continuação do filme, em outro dia era coisa de seriado. Os seriados eram histórias de aventuras e super-heróis, contadas em episódios de 20 ou 30 minutos de duração. Que normalmente terminavam com os personagens principais enfrentando um grande perigo, uma bomba prestes a explodir ou pendurados na beira de um abismo, daí a expressão inglesa “Cliff hanger” (pendurado no abismo) para descrever esse tipo de filmes. O letreiro no final de cada episódio pedia a plateia para voltar na próxima semana e ver como o mocinho e a mocinha iam escapar daquela situação. Era diferente desses filmes modernos, como “Os Vingadores – guerra infinita” onde a plateia tem que esperar dois ou três anos para ver a conclusão da história.

Os seriados antigos eram filmados em preto e branco, para reduzir os custos de produção e eram considerados uma diversão infanto-juvenil. Personagens como o Batman, o Capitão América e o Super-homem tiveram sua estreia no cinema nesses seriados, produzidos nas décadas de 1930 e 1940. O herói espacial Flash Gordon, saiu dos quadrinhos para os seriados do cinema em 1933 e acabou sendo responsável pela grande mudança que levou a esse cinema bilionário, de super-heróis, que temos hoje em dia.

Como já comentei aqui nesse espaço, George Lucas, o criador de Guerra nas Estrelas adorava esses seriados antigos. Os filmes de Indiana Jones, que ele produziu com o seu amigo Steven Spielberg são uma imitação dos antigos seriados de aventuras. Indiana Jones é como os antigos filmes do Tarzan, onde cada filme é uma aventura completa e o herói derrota os vilões no final. Lucas também queria fazer uma versão moderna do Flash Gordon e acabou criando “Guerra nas Estrelas” ou “Star wars”, como se fala hoje em dia.

O primeiro filme, intitulado simplesmente Guerra nas Estrelas, foi concebido como uma obra única, que começava com a prisão da princesa Leia e terminava com a destruição da Estrela da Morte e o fim dos vilões. A maioria dos amigos do cineasta achava que Guerra nas Estrelas era um filme esquisito e que seria um fracasso de bilheteria, mas contrariando todas as expectativas o longa foi o maior sucesso do cinema no ano em que chegou as telas, 1977. E George Lucas se viu intimado a filmar uma continuação.

Ele já tinha incluído uma cena onde o vilão Darth Vader aparecia fugindo no final. Só para o caso do filme fazer sucesso e ter uma sequencia. Virou uma mina de ouro e criou um novo tipo de seriado, com filmes coloridos, em tela grande e milhões de dólares de efeitos especiais. Como os meus amigos de infância, a plateia já entra no cinema sabendo que não vai ver a história toda, só um capitulo e que tudo vai continuar com um novo filme daqui a dois ou três anos.

Ainda temos longas-metragens que não fazem parte de nenhuma saga ou série, mas eles começam a ficar cada vezes mais raros. Felizmente hoje em dia temos o DVD e o Youtube para curtir os melhores filmes de antigamente.

Jorge Luiz Calife
jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. Os efeitos especiais eram toscos pelos padrões atuais, mas os roteiros eram fantásticos. A maioria dos filmes de hoje será completamente esquecida.

Untitled Document