quinta-feira, 25 de maio de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Cultura Brasileira dá entrada no CTI do SUS

Cultura Brasileira dá entrada no CTI do SUS

Matéria publicada em 13 de janeiro de 2017, 07:00 horas

 


wp-coluna-cultura-geral-artur-rodrigues

Estrear uma coluna é sempre uma imensa responsabilidade e sendo em um jornal como o DIÁRIO DO VALE, que tem milhares de leitores por todo o Sul Fluminense e até fora dele, a responsabilidade ganha um peso extra.

Produzir Cultura no dia a dia faz parte do meu universo profissional há 34 anos. Vivo da arte e para a arte como escritor e editor, além de produtor de inúmeros eventos pelos quatro cantos do Brasil.

Ao longo da minha estrada sempre vi a Cultura como elemento agregador, primordial para o crescimento intelectual do nosso povo, para que ele tenha a real possibilidade de conhecer o seu passado, e com isso possa entender melhor as transformações que servirão para escrever o futuro.

O Brasil é indiscutivelmente pelas suas dimensões um país rico culturalmente, mas são poucos, raros os governos que entendem essa máxima, a necessidade do povo ter este contato com a Cultura em todas as suas manifestações, certamente por achar supérfluo o que ela carrega, acreditando muitas vezes que tudo é muito etéreo e sem a menor objetividade. Tolices reais oriundas de um despreparo que estão espalhados pelos 27 Estados brasileiros.

Haja vista que na era Collor a Cultura foi tratada quase como algo maldito, ficamos sem o Ministério da Cultura, transformado em secretaria e amargamos o fim da Embrafilme.

Exemplos negativos não faltam, como a expulsão dos índios do seu “habitat” no Maracanã, no Rio, do museu onde abrigava parte da sua história. Hoje o prédio próximo ao estádio é só abandono, um criadouro de gatos de rua. O Palácio Gustavo Capanema no centro do Rio, antigo espaço que abrigou o Ministério da Educação e Cultura, cuja fachada contempla os azulejos pintados por Portinari, com sua arquitetura modernista e jardins de Burle Marx, também está entregue a própria sorte.

O Brasil é um celeiro cultural do descaso, como por exemplo, no centro do Recife encontramos o que sobrou da casa onde morou a escritora Clarice Lispector, caindo aos pedaços, correndo sério risco de desaparecer.

A casa que foi moradia do poeta Castro Alves, autor de Navio Negreiro entre outras obras, é outro reflexo da falta de entendimento do que é Cultura. O imóvel do século XVII e que faz parte do Parque Solar Boa Vista em Salvador, parece ter seus dias contados para chegar ao fim e desabar de vez.

Minas Gerais não foge a regra, grutas e cavernas padecem, é triste ver o estado crítico da Lapa Vermelha, em Pedro Leopoldo, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Destacado como Monumento Natural, este local onde foi encontrada Luzia, o esqueleto humano mais antigo das Américas, está em processo erosivo, em completo abandono.

São Paulo, faz feio nesse quesito somando centenas de locais abandonados, só de monumentos foram contabilizados cerca de 400 necessitando de urgente conservação, alguns sem a menor condição de recuperação devido ao tempo em que estão largados, aguardando uma verba que os salve.

Na capital do país o Museu de Arte de Brasília é a radiografia do abandono por dentro e por fora. Ainda em Brasília, o Teatro Nacional Cláudio Santoro, inaugurado em 1979, não recebe espetáculos desde 2014. Há dois anos, o espaço virou palco de dependentes químicos e mendigos.

Esse mapa cresce em estado vertiginoso, pois com a falta de verba para tudo e os cortes que não param de ocorrer por todo o país, a tendência é a de vermos ruir o pouco que ainda está de pé.

Falando e tocando na nossa realidade, acredito que cidades como Barra Mansa, Volta Redonda, Resende, Angra dos Reis, Paraty, Barra do Piraí, Valença, Vassouras e Piraí, entre outras, possam ser exceção a regra, tendo um olhar cuidadoso para com este assunto. Em muitas dessas cidades conheço os novos gestores que acabaram de assumir as pastas de Cultura e mesmo com o cinto no último furo, o amor a causa e o talento que carregam, será capaz de produzir efeitos milagrosos.

Há quem diga que Cultura não enche barriga, não trás nada de valor para a saúde, não dá lucro e muito menos voto, não resolve os problemas básicos do povo. Mais que mito, isso é pura ignorância, a Europa já provou todos os benefícios trazidos por ela. Cultura é uma necessidade básica de qualquer ser humano, porque somos essencialmente culturais. Nascemos, vivemos e morremos imersos em uma determinada cultura, com seus modos de vida, língua, rituais, instituições, conhecimento e valores próprios. Assim, enxergamos o mundo a partir da nossa própria Cultura. Por isso e pelo muito que ficou por ser falado nesse espaço, acredito que a Cultura deva ser verdadeiramente democratizada e dada ao povo em dose generosas, sem rótulos e nada comerciais.

 

ARTUR RODRIGUES | artur.rodrigues@diariodovale.com.br

4 comentários

  1. É a arte do trabalho de cada ser humano que mudará o mundo.
    Há uns 5 anos atrás, teve um curso de circo no Memorial Zumbi, e se formaram uns 20 e poucos alunos… e eu acompanho alguns de perto e sei como aquele curso foi um divisor de águas na vidas deles… e no ano seguinte foi formada uma nova Secretaria de Cultura e não quiseram mais continuar com o projeto, pq atingiam poucos jovens… foi a primeira e última turma… pra os políticos o q importa é quantidade… fazer show para 50 mil dá mais votos, do que mudar a vida de 20… e desses 20 alguns estão deslanchando no Rio de Janeiro com vários prêmios em palhaçaria e que foi iniciado aqui… Adoraria que esse projeto fosse retomado…parece até que foi comprado um material que chegou no final daquele ano e que ninguém usou…

  2. Agora vem o governo do Temer golpista, o mesmo que tentou extinguir o Ministério da Cultura, a golpear o Ensino Médio para formar mais mão-de-obra barata para o grande capital, e a propor a nefanda PEC que dificultará mais ainda o acesso das camadas populares ao ensino universitário.

  3. Artur Rodrigues, que bom que esta aqui, eu já estou sentada na primeira carteira de olhos bem abertos com sede de conhecimento, seja bem vindo e um abraço. Obrigada.

    • Artur Rodrigues

      Sandra, obrigado pelo carinho, darei o melhor de mim às minha colunas que está sendo muito bem recebida por este conceituado jornal e pelo leitores.

Untitled Document