segunda-feira, 26 de junho de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Castigo

Castigo

Matéria publicada em 7 de março de 2017, 07:10 horas

 


wp-coluna-contos-e-cronicas-alexandre-correa-lima

Só pode ser castigo pela minha boca aberta. Aliás, é melhor eu começar a fechar a boca mesmo.

Faz uns 4 anos escrevi uma crônica com o título “O diário de um magro”, onde narro as delícias de poder comer o que quiser e quanto quiser e não experimentar nenhuma variação na balança.

Olha um trechinho aí:

(…) “Porque eu amo comer… como, como, como e não engordo. Banana com mel? Manda pra dentro! Meia arroba de picanha no espeto? Tudo bem, desde que venha com um prato de maionese e outro de arroz. Feijoada de madrugada? Sussa. Tanto faz o que eu coma ou não coma, ou como coma, o resultado na balança é virtualmente nenhum. Bendito defeito glandular.

Tenho engordado em média 1,8 kilos a cada ciclo de 10 anos, o que projeta que serei um obeso mórbido lá pelo meu aniversário de 139 anos… ou seja, basta ligar o botão do dane-se e comer a vontade.”

Pois é, mas pra quem gosta de bife, o castigo vem a cavalo.

Já andava cabreiro com umas calças jeans que andavam meio apertadas, mas julgava ser problema do tecido de má qualidade, que encolheu após a lavagem. Não dei tanta importância. Até que um dia, numa farmácia, caí na besteira de subir na balança e testemunhei, para o meu mais absoluto horror, que estava com 89,9KG, o maior peso da história da minha vida. Pra ser honesto pesei um pouco acima dos 90, mas ao retirar relógio, celular, carteira, dramas existenciais e chaves, consegui ficar um pouco abaixo. Um horror, de qualquer modo.

OK, para alguém com 1,87m não chega a ser um grande problema, mas considerando meu histórico esquelético, é um salto incrível rumo ao abismo da gordura em muito pouco tempo. Como se o encanto da magreza, que me acompanha desde quando não queria sua companhia, tivesse sido quebrado.

Bem feito, castigo, quem manda ficar exibindo defeitos glandulares por aí? Agora vou ter que ficar de boca fechada, literalmente. Talvez seja um efeito retardado dos 14 conteiners de Sustagem que tomei na adolescência na vã ilusão de preencher meus cambitos esquálidos, talvez seja o metabolismo que agora virou apenas “bolismo” mesmo.

Seja como for, agora estou no mundo das pessoas normais, aquelas que se comerem muito engordam muito.

Nunca nem dei bola para regimes, mas se alguém aí souber de alguma dieta especial, favor me enviar, que a calça jeans 46 está mais cara que picanha Argentina.

 

ALEXANDRE CORREA LIMA| alexandre.lima@diariodovale.com.br

2 comentários

  1. KKkK, bem vindo ao mundo dos gordinhos!!!!

    Eu também já fui esquelética durante grande parte da minha vida (50kg era o peso máximo na adolescência),e até os 27 anos do alto dos meus 1,70M e pesava no máximo 58kg. Aí o tempo foi passando, os hábitos foram mudando e hoje estou com… deixa pra lá, agora é correr literalmente atrás do prejuízo!!!
    Boa sorte ai com as dietas !!!!

  2. Troque o pão por batata-doce…

Untitled Document