segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / É preciso cuidado na hora de escolher um pet para seu filho

É preciso cuidado na hora de escolher um pet para seu filho

Matéria publicada em 25 de outubro de 2017, 07:00 horas

 


Criança que cresce com um bichinho aprende desde cedo a respeitar a vida e a natureza

wp-coluna-animal-glayce-cassaro-pereira

Animais de estimação são ótimos para o desenvolvimento infantil, seja na independência, na responsabilidade ou na relação de troca. A convivência com um bichinho contribui muito para o desenvolvimento emocional, sócio-afetivo e sensorial da criança. Uma criança que cresce com um bichinho aprende desde cedo a respeitar a vida e a natureza de uma maneira ativa, compreendendo com naturalidade os cuidados e carinho que essa relação exige.

Mas, para colher os bons frutos dessa relação, é imprescindível lembrar que a escolha do bichinho ideal requer atenções especiais. Um bichinho de estimação é muito mais do que um brinquedo que rola, pula, balança o rabo, dá a patinha, ele requer cuidados, dá trabalho e traz gastos. Por isso, antes de ter um bichinho, é necessário pesar que, por mais comprometida que a criança seja com seu amigo, os cuidados para valer ficam por conta dos adultos. Por esse motivo, leve em consideração o espaço, o tempo e o dinheiro que a família tem disponíveis para o bicho.

Antes de escolher um pet para uma criança é preciso entender que existem espécies e raças que se adaptam melhor à personalidade e idade de cada uma. Por exemplo, crianças mais extrovertidas tendem a se entrosar melhor com animais mais ativos e robustos. Já aquelas mais reservadas e introspectivas podem se sentir melhor com animais mais pacatos e calmos.

Se seu filho vive pedindo um animalzinho, mas você não sabe qual escolher, veja essas dicas:

– Filhotes para crianças pequenas não são uma boa escolha. Isso porque não sabem pegá-los corretamente e não têm noção de que os animais também sentem dor. É justamente aí que mora o perigo. Como qualquer bicho, o filhote, ao se sentir acuado, pode reagir e morder. Assim, até os cinco anos, os pets mais recomendados são aqueles que não permitem um contato físico tão próximo, como peixes ou roedores.

– Fique atento ao tamanho do animal. Se a opção for um cachorro, é bom se informar de antemão sobre a média da estatura da raça. Em apenas seis meses, o cão alcança seu tamanho de adulto e, se for de grande porte, pode derrubar a criança em uma brincadeira.

– Todos os animais precisam de cuidados médicos veterinários, ainda que não morda ou arranhe, todo animal de sangue quente (mamíferos e aves) é transmissor de doenças. Certifique-se de que o cão ou gato tenha sido vacinado. Além disso, é imprescindível levar o animal escolhido a uma consulta com o veterinário antes de apresentá-lo à criança. O ideal é que o bicho esbanje saúde quando esse grande encontro ocorrer. O especialista vai fornecer o calendário de vacinação, que deve ser mantido rigorosamente em dia, e lhe dará todas as instruções para criar o pet com toda a atenção que ele merece.

– São importantíssimos alguns cuidados e higiene. Os pequenos devem aprender a lavar bem as mãos após brincar com seus bichos de estimação. Para preservar o bem-estar do animal e das pessoas que convivem com ele, também é necessário um rigoroso controle das verminoses. Higiene no local onde os animais fazem suas necessidades e locais onde costumam ficar, como casinhas e caminhas; limpando ou trocando periodicamente esse local. Também é importante a limpeza dos vasilhames de água e comida, além de oferecer sempre alimentos frescos. Para alguns animais, é imprescindível banhos periódicos, especialmente no caso dos cães.

– Precisam de espaço apropriado. Ninguém gosta de viver em um ambiente restrito e apertado. Muito menos os pets. Eles também têm todo o direito a um lugar onde possam circular, repousar e fazer suas necessidades fisiológicas. Condomínios residenciais, sobretudo, os de apartamentos, costumam estipular regras de convívio com a bicharada. É prudente saber o que é permitido ou não. Dessa forma, você não corre o risco de levar o pet para casa e, logo em seguida, provocar na criança a frustração de ter de se separar de seu novo amigo.

– Verifique também as condições da loja, ONG, ou pessoa de onde irá adquirir seu animalzinho de estimação, para garantir que não tenha sido maltratado nem seja fruto de tráfico, como ocorrem no caso de aves, tartarugas, peixes e animais exóticos.

Enfim, se a família está certa de que pode ter um bichinho, opções não vão faltar. Na próxima semana falarei um pouco das opções pelas quais você poderá escolher; dos clássicos cães e gatos a aves, peixes, coelhos, roedores, e até animais exóticos. Verá que há animais para todos os gostos, bolsos e tipos de criança.

Pet: É preciso entender que existem espécies e raças que se adaptam melhor à personalidade e idade de cada criança (Foto: Divulgação)

Pet: É preciso entender que existem espécies e raças que se adaptam melhor à personalidade e idade de cada criança (Foto: Divulgação)

 

Preciso de um lar

Esse é o Fred, um vira-lata macho, de dois anos, porte pequeno e muito dócil

preciso de um lar

 

 

Quer ver o seu bichinho de estimação aqui também? Basta enviar uma foto dele para o e-mail (glayce.cassaro@diariodovale.com.br). Sugestões e dúvidas também são bem vindas. Mais informações pelo WhatsApp (24) 98816-1583.

 

 

GLAYCE CASSARO PEREIRA | glayce.cassaro@diariodovale.com.br

Untitled Document