É preciso por em prática - Diário do Vale
segunda-feira, 20 de agosto de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / É preciso por em prática

É preciso por em prática

Matéria publicada em 25 de maio de 2018, 07:05 horas

 


“Os sonhos são as sementes da realidade. Somos o resultado do que pensamos”. James Allen

Quem não sabe que a vida esta ai para ser vivida e por inteiro? Tudo tem data para terminar, inclusive a vida, mas enquanto o seu lobo ou melhor, o senhor Destino não vem, o negócio é viver porque é preciso colocar tudo o que for possível em prática.
Colocar em prática todos os planos e desejos, sonhos de toda ordem. Claro medindo as devidas proporções e acreditar nos ventos favoráveis. Sou meio avesso a manuais que ditam as normas de uma vida feliz, de um projeto perfeito bastando fazer isso ou aquilo, siga estes passos e pronto, eis as suas ideias materializadas.
Acredito no pensamento positivo aliado ao foco, isto sem mais esquecer de que temos que ir a luta, nem sempre o ócio permanente vira algo criativo.
Diante do que queremos temos que ter um propósito. Nada de inventar ideias principalmente coisas mirabolantes, praticidade e objetividade ao meu ver em muitos momentos da vida devem andar de mãos dadas.
Temos uma ideia na cabeça, agora vamos passar para as mãos. Não importa se suas ideias, seus sonhos não sejam algo brilhante. Lembre-se que sempre teremos que contar com alguma ajuda. Ninguém é bom sozinho, porque certamente que não vivemos em uma ilha, como disse sabiamente John Donne: “Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra…” Por isso, peça sempre que necessário ajuda aqueles aos quais você confia e acredita, estar isolado do mundo, o torna ainda mais distante dos seus objetivos, portanto fugir, se trancar em casa ou principalmente dentro de você mesmo não irá ajudar absolutamente em nada.
Certamente que sonhos não se tornam realidades através de meros passes de mágica, não estamos em um filme e muito menos em um desenho animado, falamos de realidade concreta, sendo assim, viveremos para a realização desses sonhos momentos de altos e baixos, uma espécie de teste que iremos enfrentar talvez para que isso sirva de reforço a nossa força, nos fazendo acreditar que somos capazes de seguir em frente.
O que pesa mais, um quilo de chumbo ou de algodão. Claro que serão iguais no peso, mas no volume o algodão irá facilmente superar o chumbo. E é esse volume que não podemos deixar que nos assuste. Por vezes correr atrás dos nossos desejos, dos sonhos que tanto queremos que se tornem real, implica em ficarmos entre a cruz e a espada, por conta e risco do que pode acontecer e temos que inevitavelmente sairmos da nossa zona de conforto se quisermos que tudo ganhe forma e vida e não se esfumace logo na primeira tentativa.
Temos muitas vezes medo do desconhecido, do que iremos encontrar a frente e a partir daí que devemos pensar qual comportamento adotar. Teremos, claro, que fazer escolhas, opções serão necessárias para chegarmos de fato ao resultado final.
Então, nesse momento de escolhas, de opções poderemos ser tomados por inúmeros conflitos internos e corremos o sério risco de nos tornarmos reféns do medo e com isso paralisarmos o que já estava em andamento. Sabe aquela história de fazer do limão uma deliciosa limonada, é ai que entra a nossa dose extra de determinação. Assim conseguiremos buscar lá no fundo da nossa força um estímulo que irá aniquilar possíveis fantasmas que estejam tentando sabotar nossos sonhos.
Pense que se existe algo que você deseja ardentemente alcançar, existe somente uma maneira de conseguir que isso ganhe vida e se torne real. Tudo começa com um sonho, um desejo ainda tosco que vai ganhando forma à medida que o exercitamos. O sonho vai aos poucos clareando e se tornando consistente rumando para que se torne algo materializado. Parar de sonhar, jamais! Parar de buscar, acreditar, perseverar muito menos.
Como disse sabiamente Albert Einstein, físico alemão que marcou a história do mundo moderno: “Quando tudo o resto falhar ou faltar resta-nos a imaginação”.

Untitled Document