domingo, 20 de agosto de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Homo Idiotus

Homo Idiotus

Matéria publicada em 13 de junho de 2017, 08:05 horas

 


wp-coluna-contos-e-cronicas-alexandre-correa-lima

“Os idiotas vão tomar conta do mundo não pela capacidade, mas pela quantidade”, Nelson Rodrigues.

Uma coisa eu sou obrigado a admitir: o Trump é um cara que realmente cumpre tudo o que promete. Inclusive as promessas mais absurdas e delirantes.
Estou no grupo daqueles que achavam que era tudo bravata de campanha e que ele jamais implementaria tudo o que disse que faria. Subestimei sua capacidade.
O topetudo levou em frente o plano de construir uma muralha separando seu país do México, e, pior ainda, disse que faria o país vizinho pagar pela construção, através do aumento do imposto de importação de produtos mexicanos (medida que acabaria sendo paga pelos próprios cidadãos americanos, na forma de produtos mais caros), decretou a proibição de entrada nos Estados Unidos de vários países, criando um embaraço para milhares de pessoas com conexões legítimas com os EUA, além de uma série de outras medidas que acabaram sendo barradas pela Justiça americana.
Agora ele acaba de cumprir mais uma promessa. Retirou o país do acordo do clima de Paris, que previa o compromisso com a redução gradativa da emissão de gases poluentes e a transferência de recursos para que países mais pobres possam também cumprir o acordo.
Dentre outras pérolas, disse que representa os cidadãos de Pittsburgh e não os de Paris, e que os estudos científicos de mudanças climáticas seriam uma falácia arquitetada para prejudicar os negócios dos EUA.
Em primeiro lugar, o acordo de Paris não visa beneficiar os cidadãos de Paris, mas os do planeta Terra, que poderão sofrer os impactos severos (e até certo ponto imprevisíveis) de um aumento na temperatura média do planeta. Em segundo lugar, os EUA são o maior poluidor do mundo, por conta de seu estilo de vida baseado no consumo desenfreado, então é bastante justo que paguem uma contrapartida por isso. Em terceiro lugar, como nação mais poderosa no mundo, deveriam exercer um protagonismo mais consciente e responsável, alinhado com o seu gigantismo. Com essa mentalidade orientada para o próprio umbigo, não seria digno nem mesmo de exercer a prefeitura de Pittsburgh. Aliás, o próprio prefeito dessa cidade disse que estará empenhado em cumprir as diretrizes do clima mesmo sem o endosso do Presidente.
De fato há alguma controvérsia a respeito dos reais efeitos da interferência humana na Terra, mas a maioria dos cientistas se alinha na direção de que realmente precisamos conter as prováveis causas dessas mudanças que poderão ter consequências severas em algumas décadas. No limite, a prudência e o respeito à vida na Terra, recomendariam uma visão mais consciente de nossas políticas ambientais.
Até onde sabemos, existe vida neste incrível planeta azul há alguns bilhões de anos, e os Homo Sapiens apareceram há duzentos (ou 300) mil anos, fazendo surgir o mundo tal qual conhecemos hoje. Um mundo que produziu gênios, invenções, obras de arte, alargou os horizontes e a expectativa de vida. Um mundo que também produziu grandes líderes e alguns tantos que a história provou não estarem à altura do título.
Tenho dois filhos pequenos, e sinceramente espero que a vida deles e a dos meus netos que ainda virão não sejam afetadas pelas medidas desse espécime antigo, mas incrivelmente longevo, o Homo Idiotus.

Um comentário

  1. Pare de prestigiá-los e de usar produtos americanos que os tornam poderosos tendo o envio de seus lucros a eles.

    Seus futuros netos te agradecerão.

Untitled Document