sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / O colapso da pesquisa científica brasileira

O colapso da pesquisa científica brasileira

Matéria publicada em 3 de abril de 2018, 07:10 horas

 


Base na Antártida e supercomputador ficam sem dinheiro para operar

wp-coluna-espaco-aberto-jorge-calife-2

Acordei sonolento na manhã de segunda-feira e liguei o telejornal matinal. Para ouvir as más notícias do dia, já que notícia boa hoje em dia é raridade. Tinha os tiroteios de costume no Rio de Janeiro, o que não é novidade nenhuma. Daí a pouco veio a “bomba matinal”. A nova base brasileira na Antártida pode não ser nem inaugurada por falta de dinheiro para pagar os pesquisadores. E não é só isso, o Santos Dumont, o supercomputador do Laboratório Nacional de Computação Científica, que fica lá em Petrópolis, também está ameaçado. Não há dinheiro para pagar a conta de luz.
É a crise brasileira atingindo a área da ciência. Num país onde ciência e educação nunca foram prioridade dos governos. Em 1975 o Brasil assinou o Tratado da Antártida. Que determina que nada poderá ser feito no continente gelado sem a aprovação dos países signatários. Mas não é tão simples assim. Cada país precisa conduzir pesquisas científicas na Antártida, do contrário perde os direitos sobre o continente.
Foi devido a assinatura do Tratado da Antártida que o Brasil comprou um navio de pesquisas e montou uma base feita de containers, a Comandante Ferraz. Nada que se compare as instalações americanas, russas e inglesas no continente. Que funcionam o ano todo, incluindo durante a temível noite polar, quando a temperatura cai a mais de 30 graus negativos e sopram furacões com ventos de 130 quilômetros por hora.
A base brasileira só funcionava no verão. Até que pegou fogo num acidente em 2012 e foi destruída. Logo depois foi iniciada a construção de uma nova base, que custou 100 milhões de dólares e devia ser inaugurada em 2019. Agora ficamos sabendo que ela corre o risco de ser inaugurada vazia, sem cientistas. É o que diz uma carta enviada ao ministro da ciência e tecnologia Gilberto Kassab e assinada por 17 cientistas.
O texto da carta diz, entre outras coisas: “Infelizmente não há recursos financeiros para a compra de equipamentos científicos da estação, e o mais grave, para o financiamento dos projetos e das bolsas de estudo”. E se os recursos não aparecerem o Brasil vai ficar de fora do tratado da Antártica. Como foi desligado do projeto da Estação Espacial Internacional quando não pode pagar as contribuições anuais para o empreendimento.
Outra área que está sendo ameaçada pela crise da era pós-PT é a computação científica. O maior computador do Brasil é o Santos Dumont, que fica no Laboratório Nacional de Computação Científica, lá em Petrópolis. O computador atua em pesquisas do vírus da zika, do mal de Alzheimer e em outras áreas igualmente importantes, como as pesquisas da Petrobrás. Mas a conta de luz é de 6 milhões de reais devido a enorme quantidade de energia que a máquina consome. E com o corte de verbas na área de ciência o Santos Dumont pode ser desligado. E não é só isso, o desligamento pode causar danos a máquina que custou 60 milhões de reais.
É o resultado da ressaca que tomou conta do país depois do oba oba da era Lula-Dilma. Falta dinheiro para a saúde, para a segurança pública, para a manutenção da infraestrutura e agora também para manter os projetos científicos. E com isso o Brasil vai andando para trás, perdendo aquilo que tinha num processo esquisito de retro-desenvolvimento. Em vez de ficarmos adiantados ficamos cada vez mais atrasados regredindo no tempo.
Como aconteceu com a nossa malha ferroviária, que encolheu deixando as exportações brasileiras dependentes de carretas e estradas de terra. Com a ciência pode acontecer coisa pior. Sem dinheiro para trabalhar no Brasil os cientistas brasileiros podem se mudar para o primeiro mundo numa verdadeira fuga de cérebros. E a nossa capacidade de criar tecnologia e inovações será perdida como nossas ferrovias.

 Antártida: Sem dinheiro para pesquisas na nova base


Antártida: Sem dinheiro para pesquisas na nova base

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

5 comentários

  1. PORTE DE ARMA JÁ!!!!! PESQUISA CIENTÍFICA NÃO!!!!!!!!!!!!!

  2. Texto segue o padrão rasteiro de creditar tudo na conta dos governos do PT. O dinheiro existe, pois não falta para pagar a dívida pública que está nas mãos dos 5% dos mais ricos desse país. Compare os governos do Sociólogo entreguista e desse governo golpista no campo da educação e pesquisa. Todos os programas foram drasticamente reduzidos ou eliminados. A primeira lei que os golpistas enfiaram goela abaixo dos paneleiros foi o congelamento por vinte anos dos investimentos na educação com a PEC 247. E aí vem o lunático e os críticos de sempre destilar o preconceito padrão. Como não tem dinheiro se esse governo perdoou 65 bilhões em impostos? Essa elite que nos governa a mais de 500 anos nunca teve desejo de construir um nação. Vivemos ainda como uma colônia.

  3. Carlos Magno de Oliveira

    Existem pessoas desinformadas que acham que os problemas atuais do Brasil são exclusivamente culpa do PT e seus componentes, estão totalmente enganados, vivemos em um país colonizado e dominado a séculos e este PT nada mais é que um componente da estrutura dominante que a cada dia cria polêmicas para distrair e dividir a opinião de parte da população brasileira.
    Todos os partidos que ocuparam a Presidência da República após 1990 e mais aqueles que dominavam na época da ditadura formam o memso time de entreguistas que estão destruindo o sonho e o futuro das novas gerações.
    Nunca nos últimos 50 anos houve investimentos reais para melhorar a educação e principalmente formação de pesquisadores brasileiros.
    Somos realmente manipulados e aceitamos ver nossas riquezas serem doadas a preços insignificantes enquanto que deveríamos utilizar dos recursos naturais que temos para empregar em qualidade de vida e geração de renda para nossos jovens e trabalhadores.
    Quando foi que todo o minério de ferro e ouro que já foram retirados de Minas Gerais beneficiaram a população daquele estado? Pelo que sei só beneficiou empresários estrangeiros que dominam nossas riquezas.
    Voltando para a área de investimentos em pesquisas posso dizer com muito conhecimento que este não é prioridade para nossos governantes, muitos jovens brasileiros se destacam somente com o apoio de universidades estrangeiras, é o caso do meu filho que teve sua base educacional em BM e VR e hoje se destaca internacionalmente em pesquisas importantes trabalhando em Oxford, enquanto que aqui não possui nenhum valor. (Para comprovar bastam consultar o Google pesquisando sobre Igor Carboni Oliveira).
    Enfim, até quando seremos escravos dos dominadores e exploradores de nossa nação!

  4. Este é o legado de duas décadas da esquerda no poder em geral e dos 13 anos dos governos do PT em particular: a maior crise econômica e moral da história do Brasil, que atinge todas as áreas. A pesquisa científica não poderia ficar de fora do desastre, da terra arrasada que este bando deixou em seu rastro.

Untitled Document