quarta-feira, 24 de maio de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / O perigo da estagnação

O perigo da estagnação

Matéria publicada em 8 de julho de 2016, 08:00 horas

 


wp-coluna-um-papo-com-a-vida-aline-stteel

Quando atribuímos ao outro, ao mundo e aos astros tudo o que nos acontece estamos nos aprisionando em um modo de ser e em uma impossibilidade de mudar e melhorar. É incrível ver como algumas pessoas preferem culpar o outro, colocar defeitos, apontar erros e nunca assumem a responsabilidade por seus atos. Como ser humano escolhe assim não evoluir e não crescer, pois se o erro está sempre no outro e o outro estará sempre fora de seu alcance, pois não se pode mudar o outro, como resolver então esse “terrível” problema.

Bem, o amadurecimento se mostra através do querer reconhecer o que em nós está errado, o que de si pode ser melhor, o que foi feito para receber uma resposta tão negativa do outro, qual a sua responsabilidade pelo outro ter se afastado e não querer mais a sua presença. Nada é a toa. A toa é somente quando não usamos as experiências de vida para crescer, estaremos desperdiçando momentos incríveis de aprendizagem, estaremos “de bobeira” aqui sem crescer nada e todo o processo de escolha pela estagnação e negação de qualquer crescimento, é de fato muito triste de ver, pois, como já dito é uma escolha e escolher permanecer sempre igual é escolher não lapidar-se, é escolher culpar o outro, denegrir a imagem do outro, ferir, caluniar, ou seja, é de fato optar por um modo de ser muito baixo e pobre de boas energias e boas intenções.

Toda atitude nossa que optamos pelo não crescimento será sempre um caminho no mínimo inútil. Pergunte a si mesmo o que tem feito para o outro e se tem agido de maneira correta, se tem tido bons pensamentos em relação a vida e ao próximo. Pergunte a si mesmo o que pode fazer para colher melhores resultados. Somente quando reconhecemos nossa responsabilidade sobre a vida, é que podemos traçar melhorias e aprimoramento de si e do modo de ser e existir no mundo, no modo como se comporta em relação as pessoas. Perceba quem você cultiva por perto e se são boas pessoas com os que estão ao redor. Perceba as atitudes e a energia daqueles a quem você recorre e pede conselhos. É ruim ter que admitir isso, pois minha crença no melhor dos seres humanos procuro manter inabalável, mas existem sim pessoas ruins e existem sim pessoas que se negam a ser melhor, a buscar a humildade e a caridade. Negam-se a olhar para o próximo com consideração, carinho e respeito e sem dúvida, é muito triste de ver, porque vemos que pessoas assim estão escolhendo permanecer em uma lama que elas mesmas cultivam. E dentro da lama se consideram pessoas maravilhosas e que não erram.

Impossível, pois a premissa do amadurecimento é saber que nunca somos o suficiente bom ainda e que podemos sempre melhorar. É o reconhecimento de nossa pequenez e de nossos atos muito mínimos diante de tudo o que podemos fazer de fato. É a busca diária e incansável por sermos melhores e mais amorosos, buscando nossos erros para assim consertá-los.

Algumas pessoas têm por hábito acreditar que seus problemas nunca são consequências de suas escolhas e de seus próprios comportamentos, sendo a culpa sempre do outro ou de alguma coisa que aconteceu. A falta de sorte, a falta de oportunidade, a vida, o outro são sempre o problema e se a causa vem de fora, a solução também estará fora, ou seja, a pessoa se exime de qualquer culpa e responsabilidade também assim, se exime de qualquer capacidade de mudança e crescimento e é aí que mora o grande perigo. A escolha pela estagnação.

Temos que ter em mente que nossa melhor escolha como ser humano é optar pelo crescimento ainda que possa doer e incomodar. Quando estamos amadurecendo nos sentimos menos ofendidos com qualquer atitude má de alguém, quando nos sentimos satisfeitos e em paz, não nos comparamos com ninguém, pois não temos a necessidade de sermos melhores que ninguém, também não precisamos nos justificar, não precisamos nos explicar. Quando nos sentimos amados e amamos, não precisamos mostrar ao mundo, pois não precisamos buscar autoafirmação de nenhum modo. Quando sentimos o coração em paz, não precisamos ainda que magoados devolver a mágoa de nenhum jeito. Quando sentimos a certeza que fizemos o melhor, nos dedicamos ao máximo, não precisamos de aliados e nem precisamos convencer o mundo de que estamos certos ou errados ou que somos vítimas. Não somos vítimas, nunca. Somos ainda que não aceitemos, responsáveis por tudo o que recebemos e de todos os modos devemos buscar os possíveis caminhos para que possamos receber boas coisas. Para cultivar o amor, a justiça e o perdão. Para principalmente, pôr em prática a empatia que é justamente o movimento de se colocar no lugar do outro. Pôr em pratica a bondade, a caridade, o amor ao próximo e o respeito em todas as situações e com todas as pessoas mesmo aquelas que você possa considerar não merecer o melhor de você.

Dê seu melhor mesmo assim e sempre. Só assim seu coração estará sempre leve e em paz e deixe que o outro cultive mágoas se assim quiser, deixe que o outro culpe o mundo se assim preferir. Você precisa sentir o amor e estar em paz, é isso o que realmente importa e paz não se compra, não se vende, não tem status nisso, não tem preço, mas tem sem dúvida nenhuma um valor imensurável.

 

ALINE STTEEL  | aline.stteel@diariodovale.com.br

4 comentários

  1. Parabéns pelo seu texto, simplesmente perfeito.

  2. BRAVO!!! Seus textos são maravilhosos.

  3. BRAVO!!! Seus escritos são maravilhosos.

Untitled Document