ÔĽŅ S√≠ndrome da Ansiedade de Separa√ß√£o: Ser√° que o seu c√£ozinho est√° passando por isso? - Di√°rio do Vale
quinta-feira, 16 de agosto de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Síndrome da Ansiedade de Separação: Será que o seu cãozinho está passando por isso?

Síndrome da Ansiedade de Separação: Será que o seu cãozinho está passando por isso?

Matéria publicada em 6 de dezembro de 2017, 07:00 horas

 


SAS é um conjunto de comportamentos indesejáveis apresentados por alguns cães quando são deixados sozinhos

wp-coluna-animal-glayce-cassaro-pereira

Os cães são animais sociáveis, pois herdaram de seus ancestrais o comportamento de viverem em grupos, ou seja, ficar sozinho não é nada agradável para eles. Porém, nos dias de hoje, o fato de os cães estarem cada vez mais inseridos em nossas casas, e o ritmo atribulado de nossas vidas, os obrigam a ficarem cada vez mais sozinhos.

Alguns cães podem sentir falta do dono, mas tirarem de letra o fato de ficarem sozinho. Já para outros a carência é tanta, que extrapola e vira a chamada Síndrome da Ansiedade de Separação (SAS).

A síndrome é um conjunto de comportamentos indesejáveis apresentados por alguns cães quando são deixados sozinhos.

Animais com SAS, quando est√£o sozinhos, mudam de temperamento, destroem objetos, fazem xixi e coc√ī no lugar errado, latem em excesso ou at√© mesmo uivam o tempo todo e at√© se automutilam. Al√©m disso, alguns c√£es podem vomitar pela casa toda, apresentar febre, apatia, falta de apetite e at√© sintomas mais severos.

Alguns fatores de risco s√£o conhecidos como depend√™ncia extrema, excesso de mimos por parte dos donos, filhotes retirados prematuramente de suas m√£es e irm√£os, filhotes descendentes de c√£es com hist√≥rico da SAS, devido a co-rela√ß√£o gen√©tica, c√£es que iniciaram suas vidas nas ruas ou em abrigos, c√£es que sofreram maus tratos, rejei√ß√£o materna precoce, c√£es de fam√≠lias que s√£o muito apegadas aos seus cachorros, estresse ap√≥s morte ou doen√ßa na fam√≠lia, ou uma mudan√ßa significativa na rotina do cachorro, como um novo beb√™ ou outro animal de estima√ß√£o ou mesmo mudan√ßas na estrutura familiar como casamento, mudan√ßa de filhos mais velhos, novo emprego e div√≥rcio, entre outros. Esses c√£es criam um v√≠nculo muito forte com a fam√≠lia ou um √ļnico indiv√≠duo da fam√≠lia e sentem medo de serem abandonados.

Ent√£o, se o seu c√£o est√° se comportando assim, se est√° passando ou tenha passado por uma dessas situa√ß√Ķes, isso pode n√£o se tratar apenas de pirra√ßa ou vingan√ßa dele, ele pode estar apresentando a SAS, e, portanto, √© muito importante procurar um veterin√°rio para o diagn√≥stico.

Ao ser diagnosticado, e para solucionar esse problema, é preciso primeiro que você entenda que esse é um processo, pois o cãozinho deve se readaptar à nova rotina. Algumas pessoas logo pensam em arrumar outro cãozinho para lhe fazer companhia; essa interação pode ser bastante benéfica, porém, nem sempre, pode ser a solução, pois a síndrome de ansiedade está ligada à falta de interação com humanos. Ou seja, ao comprar outro cachorro, estamos correndo o risco de termos dois cães ansiosos. Sendo assim, o que deve ser feito é estimular o cão a criar esse link com a nova rotina e para isso você pode contar com a ajuda de um adestrador e um médico veterinário para uma abordagem medicamentosa, além de alguns truques como:

РBrinquedos inteligentes que podem até mesmo serem fabricados em casa. Esses acessórios mantêm o cachorro tão ocupado que não sobra tempo para se comportar mal;

РRuídos e sons familiares, como deixar um rádio ligado quando você estiver em casa e também quando ele ficar sozinho;

Sem sofrimento: pratique um amor equilibrado, afinal, todos os tipos de excessos na vida causam mal (Fotos: Divulgação)

Sem sofrimento: pratique um amor equilibrado, afinal, todos os tipos de excessos na vida causam mal (Fotos: Divulgação)

РNão se despedir demais, pois ao se despedir do animal de forma culpada, o dono transmite a ideia de que algo ruim vai acontecer a ele. O melhor é afastar-se do cachorro sem despedidas, simplesmente saindo pela porta;

РNão festejar demais o retorno, onde o ideal é voltar para casa sem fazer festa em excesso. A ida e a volta devem ser consideradas normais pelo cão;

РPassear com o cão, para que ele tenha diariamente sua dose de exercícios e diversão;

РCães que latem ou uivam muito quando estão só, fazem isso para chamar atenção do dono e fazer com que ele volte; então, ao retornar aguarde uma pausa entre os latidos ou entre a destruição, e entre nesse momento, sem fazer festa para ele, ignorando-o completamente. Isso reforça a ideia de que você voltou não por causa dos latido e nem pela bagunça;

РExercício de sair várias vezes ao dia, afastando-se, por exemplo, uns 15 minutos e retornando, isso fará ele entender que você não o esta abandonando;

Cabe lembrar que a Síndrome de Ansiedade da Separação é um dos motivos que mais levam os animais a serem abandonados, quando os proprietários já não sabem mais o que fazer com eles. Por isso, pratique um amor equilibrado, afinal, todos os tipos de excessos na vida causam mal, isso será saudável para todos. E, certamente, irá garantir que seu cachorro não seja mais uma vítima da SAS.

Preciso de um lar

Esse é Pequeno, um vira-lata machinho de quatro anos. Ele já é castrado, tem porte pequeno e é muito dócil. Interessados em adotá-lo podem mandar WhatsApp para (24) 98816-1583.

preciso de um lar

Cantinho do leitor

Esse é o Floquinho Almeida, no Ne Almeida. Muito fofo né? O Floquinho tem até Facebook, um charme.

cantinho do leitor

 

Quer ver o seu bichinho de estima√ß√£o aqui tamb√©m? Basta enviar uma foto dele para o e-mail (glayce.cassaro@diariodovale.com.br). Sugest√Ķes e d√ļvidas tamb√©m s√£o bem vindas. Mais informa√ß√Ķes pelo WhatsApp (24) 98816-1583.

 

GLAYCE CASSARO PEREIRA | glayce.cassaro@diariodovale.com.br

Um coment√°rio

  1. Pensionista sem sal√°rio

    Ahhh vai cagar…v√£o querer medir o tamanho do amor que dedico aos meus animais, era s√≥ o que faltava e ainda tem man√© que d√° aten√ß√£o a essas bobagens e torram verdadeiras fortunas nas m√£os de espertalh√Ķes. kkkkkkkk

Untitled Document