ÔĽŅ Trump, o a√ßo e Volta Redonda - Di√°rio do Vale
terça-feira, 14 de agosto de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Trump, o aço e Volta Redonda

Trump, o aço e Volta Redonda

Matéria publicada em 11 de março de 2018, 07:00 horas

 


Como uma decis√£o protecionista do presidente dos Estados Unidos pode causar demiss√Ķes na CSN e desempregar at√© americanos

wp-coluna-e-nos-com-isso-paulo-moreira
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou na quinta-feira, 8 de mar√ßo, um decreto em que cria uma sobretaxa de 25% sobre as importa√ß√Ķes de a√ßo. Ele tamb√©m criou uma taxa√ß√£o de 10% sobre as importa√ß√Ķes de alum√≠nio, mas como n√£o h√° nenhuma Cidade do Alum√≠nio na regi√£o, vamos falar s√≥ da primeira medida.
Pra come√ßar, vamos ver o que pode acontecer em Volta Redonda. De acordo com o balancete da CSN referente ao terceiro trimestre de 2017, 62% da produ√ß√£o da Usina Presidente Vargas √© destinada ao mercado interno e os 38% restantes s√£o exportados. √Č muita coisa, para uma empresa que j√° destinou mais de 80% de sua produ√ß√£o para o mercado brasileiro.
As exporta√ß√Ķes de a√ßo da CSN v√£o principalmente para os Estados Unidos e a Europa ‚Äď at√© porque a sider√ļrgica tem unidades de beneficiamento de a√ßo nos dois locais. Fazendo de conta que metade das exporta√ß√Ķes da CSN vai para os EUA e calculando que a medida de Trump resulte em 30% de perda sobre as exporta√ß√Ķes destinadas √†quele pa√≠s, ter√≠amos uma redu√ß√£o de 5,7% no volume de vendas total. N√£o √© o suficiente para colocar em risco a sobreviv√™ncia da empresa, mas √© o bastante para gerar algumas medidas de corte de custos, entre as quais, infelizmente, pode estar a demiss√£o de pessoal.
Mas isso √© apenas um palpite. O impacto pode ser maior ou menor. S√≥ quem tem os n√ļmeros atualizados e detalhados pode dizer o tamanho exato do preju√≠zo, mas que ele existe, existe.
O problema, no entanto, vai mais longe. A medida do presidente americano arranha os neg√≥cios da CSN, mas faz um corte profundo nas sider√ļrgicas chinesas, que, calcula-se, produzem em uma semana o que o Brasil faz em um ano. E exportam bem mais do que 38% da produ√ß√£o. Portanto, os chineses v√£o ficar com um monte de a√ßo pra vender em qualquer outro lugar que n√£o os Estados Unidos.
A conclus√£o l√≥gica √© que os orientais v√£o com tudo, n√£o apenas pra cima do mercado europeu, para onde a CSN tamb√©m exporta, como tamb√©m v√™m com ‚Äúsangue nos olhos‚ÄĚ para o pr√≥prio mercado brasileiro. E a China n√£o tem a menor dificuldade de reduzir pre√ßos para conquistar mercado.
Eles podem se dar ao luxo de ter preju√≠zo, porque t√™m trilh√Ķes de d√≥lares de reservas para queimar com a compra de participa√ß√£o em qualquer mercado, vendendo abaixo do custo para eliminar concorrentes e depois subindo os pre√ßos quando o cliente tiver menos alternativas.
Enfim, o protecionismo de Trump pode reduzir as vendas da CSN até no mercado interno.

Em perigo: Protecionismo dos EUA pode trazer problemas à CSN até no mercado interno (Foto: Paulo Dimas)

Em perigo: Protecionismo dos EUA pode trazer problemas à CSN até no mercado interno (Foto: Paulo Dimas)

A origem do problema

O Instituto A√ßo Brasil ‚Äď associa√ß√£o que re√ļne as sider√ļrgicas brasileiras ‚Äď reconhece, assim como v√°rias entidades similares pelo mundo, que existe excesso de capacidade de produ√ß√£o de a√ßo, em n√≠vel global. Em resumo, est√° sobrando produto no mercado. E onde a oferta √© maior do que a demanda, os pre√ßos caem.
A maior respons√°vel por essa produ√ß√£o excessiva √© ‚Äď adivinhem ‚Äď a China. O pa√≠s asi√°tico, quando estava expandindo sua infraestrutura a uma velocidade alt√≠ssima, precisava de quantidades astron√īmicas de a√ßo. N√£o dava para comprar do exterior, ent√£o resolveram produzir por l√° mesmo. E hoje s√£o, disparados, os maiores produtores de a√ßo do mundo.
Custo, para os chineses, √© um problema relativo. A China n√£o √© nem uma economia de mercado plena nem um exemplo de centraliza√ß√£o estatal. Com uma estrutura pol√≠tica autorit√°ria, de partido √ļnico, e imensas reservas de capital em m√£os privadas e governamentais, eles podem, al√©m de absorver preju√≠zos, controlar pelo lado da demanda o pre√ßo de insumos que eles precisem importar, como o √© o caso do min√©rio de ferro.
J√° os Estados Unidos vinham, at√© o in√≠cio do governo Trump, trocando ind√ļstrias por tecnologia. Para as grandes corpora√ß√Ķes americanas, sa√≠a (e ainda sai) mais barato produzir fora, n√£o s√≥ por causa do custo da m√£o de obra como tamb√©m pelas restri√ß√Ķes ambientais. Era comum sider√ļrgicas americanas fecharem seus altos-fornos, sinteriza√ß√Ķes, coquerias e aciarias para manterem apenas as lamina√ß√Ķes, comprando placas prontas no exterior.
Isso custou muitos milhares de empregos de operários americanos, que se viram obrigados a migrar para outros setores da economia, muitas vezes com salários mais baixos ou, pior ainda, se tornaram dependentes do auxílio do governo.
Em outros setores, como a ind√ļstria automotiva, houve fen√īmenos semelhantes, mas a ind√ļstria americana conseguiu reagir implantando diferenciais t√©cnicos ou mercadol√≥gicos. Mas a√ßo √© uma commodity, ent√£o n√£o h√° muito o que se possa fazer em termos de tecnologia.

O perigo mais adiante

O pr√≥prio mercado americano est√° reticente quanto √† medida adotada por Trump. Isso porque criar barreiras para o a√ßo importado vai trazer problemas para os pr√≥prios Estados Unidos: em primeiro lugar, vai haver retalia√ß√Ķes, com outros pa√≠ses estabelecendo sobretaxas a produtos americanos. Pa√≠ses europeus j√° falam em dificultar a venda de motos Harley-Davidson, por exemplo.
Além disso, o aço vai ficar mais caro no mercado interno (lá deles), fazendo com que automóveis e geladeiras produzidos nos domínios do Tio Sam também encareçam.
O americano comum n√£o compra a√ßo, mas compra carro e geladeira. E compra muito. Se esses produtos ‚Äúmade in USA‚ÄĚ encarecerem, ele vai comprar importados.
A√≠ o governo vai ter que sobretaxar tamb√©m autom√≥veis e geladeiras importados, o que vai gerar mais retalia√ß√Ķes e n√£o vai resolver o problema do consumidor, j√° que, em vez de o produto nacional ficar mais barato, o importado √© que vai encarecer.

 

PAULO MOREIRA | paulomoreira@diariodovale.com.br

15 coment√°rios

  1. Santo Ant√īnio de Volta Redonda, nosso distrito! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  2. Comprem produtos importados e estar√£o tirando o emprego de um brasileiro, a ind√ļstria fabrica menos, empregos se v√£o na industria, refletindo no com√©rcio e empregos se v√£o no com√©rcio, consequentemente menos impostos.
    Por isso americano é protecionista.

  3. Ele est√° defendendo o pa√≠s dele. Vc acha que existe um outro povo esculhambado igual o nosso. Os chineses est√£o dando de bra√ßada no contrabando no Brasil…. Tudo que √© c√≥pia de produtos falsificado entra no nosso pa√≠s… Para, chega… A CSN est√° problem√°tica… Est√° igual um cen√°rio de filme de terror, temos que orar pra que n√£o aconte√ßa um vazamento de g√°s. Se n√£o vamos dormir e n√£o vamos acordar. Esse BeijaTI quer que o mundo termine em barranco, pra ele morrer encostado…. esse cara compra tudo e todos. O prefeito come farelo dele… Boa noite. Foi s√≥ um desabafo.

  4. Se preparem pois vem mais FERRO para o Estado do Rio. Segundo semestre deste ano, os autom√≥veis e √īnibus EL√ČTRICOS ser√£o realidade, caindo assim o consumo do Petr√≥leo, e consequentemente os Royalties do Petr√≥leo ir√£o despencar. Cada dia uma novidade no mundo moderno, que n√£o para de mudar.

  5. OS AMERICANOS S√ÉO NOSSOS AMIG√ēES… ELES N√ÉO V√ÉO FAZER ISSO COM A GENTE.

  6. Trump meteu o ferro em vr hahahahaha.

  7. Liberdade e propriedade

    Bom pra gente, que vamos pagar menos por produtos derivados de aço, carros, linha branca, etc

    • √Č mesmo ? O coelhinho da p√°scoa vai passar na sua casa e em dezembro, vai ser o papai noel. Quando andar na rua a noite, cuidado c a mula sem cabe√ßa………..

  8. Essa parece ser um (primeiro) erro de Trump, ap√≥s um excelente e irretoc√°vel primeiro ano de mandato. No entanto, Trump n√£o √© t√£o bobo, diferentemente do que dizem a GloboNews e CNN. Ele tem uma √≥tima equipe por tr√°s, e eles conseguem ver coisas adiante que n√≥s n√£o conseguimos agora ver. Eu dou a ele o benef√≠cio da d√ļvida, apesar de ainda achar, particularmente, um m√° medida.

    Como citado na mat√©ria – a quest√£o das Harley, nesse ponto espec√≠fico – vale lembrar que marcas de outros pa√≠ses faziam uma esp√©cie de dumping, ao mandar aos montes as motocicletas japonesas pros EUA, e eles facilitavam a entrada, o mesmo n√£o ocorria com as motos da Harley para outros pa√≠ses, isso √© s√≥ um exemplo, entre diversos tipos de rela√ß√Ķes comerciais que ocorriam que n√£o eram t√£o justas…

  9. Ué tão reclamando de que ? Em um texto acima, o autor, implicitamente, endeusa os EUA. Não gostam da hegemonia americana ? Então tem mais é q parar de reclamar e tocar o barco.

  10. Smilodon Tacinus - O Emir Cicutiano

    Mas a√≠ entra o papel do governo. Se embarreiram nossos produtos, temos que fazer o mesmo com os dos outros, afinal a√ßo e autom√≥veis fazemos aqui… A lei universal do com√©rcio, desde que o mundo √© mundo, define que s√≥ se compra aquilo que n√£o se tem e se oferta em troca o que se tem de sobra…

    • Kkkkkkkkkkk, companheiro, seu coment√°rio vai de encontro ao de qualquer economista no mundo!
      Deixa de ser bairrista! Os EUA, meteram o ferro literalmente no Brasil e consequentemente no distrito de Barra Mansa!
      Só rindo mesmo! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  11. Smilodon Tacinus - O Emir Cicutiano

    Qualquer empresa, grande ou pequena, est√° sujeita a oscila√ß√Ķes em sua produ√ß√£o, seja por fatores microecon√īmicos (concorrentes, clientes, fornecedores, enfim, mercado em geral), seja pelos macroecon√īmicos, estes muito mais dependente das pol√≠ticas governamentais, sejam elas nacionais ou internacionais… O Grupo PSA, em Porto Real, chegou a ter queda de mais de 20% em sua produ√ß√£o, o mesmo ocorrendo com a Volks, mas, assim como a pr√≥pria CSN, s√£o grandes multinacionais que possuem lastro financeiro, ativos s√≥lidos e relev√Ęncia social que fazem com que atravessem as procelas sem maiores avarias, diferentes das m√©dias e pequenas corpora√ß√Ķes, que s√£o como barcos pequenos √† deriva numa tempestade…

  12. A verdade √© que n√≥s em Volta Redonda, que j√° perdemos 50% de nossa fatia no bolo do j√° minguado ICMS em rela√ß√£o h√° 10 anos atr√°s, agora teremos que suportar as inevit√°veis e ingl√≥rias consequ√™ncias desse fato inerente √† economia globalizada… nada est√° t√£o ruim que n√£o possa piorar.

    • Coment√°rio de uma pessoa l√ļcida, diferente de uns e outros que usam uma m√°scara rid√≠cula e uma camisa do tricolor enferrujado.
      CSN é uma empresa que tem uma dívida superior ao seu valor de mercado, não pode ser comparada com gigantes mundias.
      O final do seu comentário é perfeito, é o ditado mais certo desse mundo.

Untitled Document