domingo, 22 de abril de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Colunas / Um perigo constante para os pedestres

Um perigo constante para os pedestres

Matéria publicada em 22 de dezembro de 2017, 07:30 horas

 


Ciclistas andam na contramão e ainda sobem na calçada; reflexo da falta de educação e de consciência dos brasileiros

wp-coluna-espaco-aberto-jorge-calife

 

A cena aconteceu no bairro de Niterói, por volta das sete da noite. As pessoas na calçada, perto do ponto, esperavam o ônibus. Um ciclista vem em alta velocidade, na contramão, sobe na calçada e passa rente com o pessoal que estava em pé, esperando a condução para ir para casa. Sem tocar sineta, sem farol. Felizmente não vinha nenhum ônibus naquela hora, porque se alguém tivesse dado alguns passos para fazer sinal, teria sido atropelado, com consequências muito sérias devido a alta velocidade da bicicleta.

Infelizmente não foi um fato isolado. Em Volta Redonda os ciclistas andam à margem da lei. Sempre na contramão, subindo nas calçadas, “tirando fino” dos pedestres e ninguém faz nada. Eles nem são obrigados a usar placas ou ter carteira de habilitação. E uma bicicleta pode matar ou causar lesões graves tanto quando uma moto ou um carro. No ponto de ônibus que fica em frente ao shopping da Vila Santa Cecília, o problema é antigo. Ali a ciclovia passa no meio da calçada onde ficam os pontos de ônibus.

Existem duas placas enormes que dizem: “Ciclista, proibido transitar sobre a bicicleta”, mas poucos obedecem. A maioria continua pedalando em um zigue-zague maluco em meio as mulheres com crianças e aos idosos que esperam para pegar o ônibus. O pedestre tem que praticar uma “direção defensiva” para sobreviver em uma situação dessas. Se o ônibus que ele está esperando se aproxima do ponto ele deve olhar para trás, antes de se adiantar para fazer o sinal. Porque tem sempre uma bicicleta vindo na contramão, por trás, sem fazer ruído. Ao cruzar as faixas de pedestres também é preciso ter cuidado com esses veículos de duas rodas.

Eles costumam avançar o sinal e podem surpreender o pedestre que está olhando nos veículos que vêm pela direção contrária.

É um reflexo da falta de educação e de consciência dos brasileiros. A bicicleta é um meio de transporte ecológico, que não polui o ambiente e ainda ajuda a manter a forma física. Nos países do norte da Europa ela é um meio importante de transporte, e muita gente vai para o trabalho e volta de bicicleta em cidades como Amsterdã, na Holanda, ou Copenhague na Dinamarca. Mas, lá os ciclistas, além de respeitarem as normas e as leis de trânsito, têm um mínimo de educação e de cultura. Eles respeitam as pessoas e dirigem de modo responsável, sem abusar da velocidade e tendo cuidado para não andar na contramão. As bicicletas europeias também têm um farolete e uma sineta que os ciclistas pode usar para advertir os pedestres no seu caminho. Aqui, no máximo eles colocam aquele pisca-pisca traseiro para alertar os outros veículos a noite. O pedestre que saia do caminho.

Infelizmente a nossa cultura é assim. O sujeito só cumpre a lei ou segue as normas sob ameaça, se correr o risco de pagar multa. Do contrário ele ignora as placas e a sinalização. Outro dia um telejornal fez um escândalo a respeito dos radares desativados nas rodovias. O contrato com a empresa que faz a manutenção dos aparelhos tinha terminado e a nova licitação não saiu.

Na verdade esses radares só fazem falta devido a nossa cultura do desrespeito a lei. Nas rodovias há placas indicando os limites de velocidade. Esses limites foram criados por estudos feitos pelos engenheiros de trânsito que determinaram qual é a velocidade segura para aquele determinado trecho da estrada. Mas isso não é o suficiente para o típico motorista brasileiro, que acha que é piloto de Fórmula 1 e está em uma pista de Grande Prêmio. Ele só tira o pé do acelerador sob a ameaça de uma multa.

É como no caso do ciclista que acha que a placa com normas de segurança está ali como enfeite, para ser ignorada. E o pedestre que se desvie dele. E como a mentalidade nacional não vai mudar tão cedo o jeito é ter muito cuidado e olhar sempre para trás.

Perigo: Pode ter um ciclista atrás de você (Foto: Divulgação)

Perigo: Pode ter um ciclista atrás de você (Foto: Divulgação)

 

 

JORGE LUIZ CALIFE | jorge.calife@diariodovale.com.br

59 comentários

  1. Nossa, Volta Redonda anda tão sem assunto assim que um repórter de mente senil tem tempo e espaço para delirar em um artigo sem nexo? Aproveite que a reforma não foi aprovada, aposente-se e limite-se a escrever no watsapp para seus netos (caso lhe tolerem)

  2. Esse cara poderia se limitar às histórias folclóricas das outrora florescentes fazendas de Piraí, ou sobre os devaneios das séries de ficção científica. Porque, sobre política e comportamento, é um ó…

  3. Busquei nos jornais locais, notícias de atropelamento de pedestres por ciclistas e não encontrei .Exagero do colunista,falta de educação existe sim,mas é comum a todos,ciclistas,motoristas,motociclistas e pedestres.

  4. Contator o rei do ciclismo

    Quanta babozeira contra os pobres ciclistas. Do jeito que foi alarmado parece até que os ciclistas de Volta Redonda são atletas do Tour de France e atingem mais de 100 km/h. Jorge Calife ciclista aqui usa camelo, caiau velho, bike low profile para não chamar a atenção de bandidos. Ninguém sai por aí em alta velocidade para cima de pedestre.

  5. O senhor Calife esperava o que ? Educação e civilidade dos ciclistas ? Dos Motociclistas ? Dos motoristas de carros particulares, táxis e ônibus ? Dos pedestres que atravessam fora da faixa ? Isso para mudar tem que começar na ESCOLA, que infelizmente está criando marginais em sua grande maioria, pois os alunos de hoje BATEM nos mestres . OU TO MENTINDO ? Ora isso aqui é Brasil, amigo. E ainda queremos falar dos nossos Políticos. Talvez lá pelos idos dos anos 3 mil, pode ser .

  6. Calife seus textos sobre ciência e astronomia são fabulosos entretanto dessa vez sua abordagem sobre a bicicleta foi uma tremenda bola fora.
    O carro precisa sempre de um condutor para circular e hora nenhuma o condutor é obrigado a descer e empurrá-lo para proteger um pedestre. Nem nos seus textos siderais deve haver uma situação onde uma máquina tem mais direito ao espaço público do que os humanos, animais ou ETs.
    Belo momento de reflexão para assistir esse video e repensar como os ciclistas são renegados em Volta Redonda e como é praticamente impossível usar a bicicleta.

    https://youtu.be/uRlgBrJvg7Y

    Bicicleta não faz barulho, ocupa pequeno espaço, não polui, serve como exercício, serve para economizar dinheiro com essa gasolina a R$5 o litro, passagem de ônibus…

  7. TEM É QUE FAZER VIA EXPRESSAS, PARA EU DERRAMAR TODA POTÊNCIA DO MEU 6 CILINDROS, BICICLETA E COISA DE FRUTINHA DE FIM DE SEMANA.

  8. Excelente reportagem, que educa tanto o ciclista quanto o pedestre, pois eu já estive várias vezes em posição de perigo quando parado no meio-fio esperava passar o ônibus, e de repente vinha uma bicicleta em alta velocidade no sentido contrário que fazia vento ao meu redor e se eu estivesse com o braço esticado, certamente seria atropelado!
    Quem não gosta dessa matéria ou é uma pessoa não educável, que pensa que sabe de tudo… ou uma pessoa da elite, que não precisa ficar no ponto de ônibus, logo essa pessoa é um petista!

    • Então, o “guto’, o patético hipócrita do Control C – Control V, anda pelos pontos de ônibus da cidade… espero que não falte tarja-preta na Farmácia Popular, para o bicho não surtar…

    • É só falar dos petistas que já aparece um PTminion, aquele bichinho vermelho, chato com ideias esquisitas.

    • Eis Anderson, a Dona Florinda, tipo acabado do pobre de direita sabichão do Control C Control V do Google. É um mix bizarro de “guto” com a Vovó Mafalda

  9. O CALIFE ESTA CORRETISSIMO EM GENERO, NÚMERO E GRAU os ciclistas sempre são as vitimas, não adianta fazer ciclovia se não ”ADESTRAR-MOS” antes nossos suicidas, que embrenham no meus dos carros, calçadas, rodovias pronto a fazerem cagadas.

  10. O texto trata os ciclistas como inimigos de Volta Redonda. Foi um grande desserviço a todos que lutam pelas ciclovias. A chance de um pedestre sofrer uma lesão séria vítima de uma bicicleta é ínfima comparada a um carro ou moto. Infelizmente o ciclista é obrigado a circular na calçada pois se circular em uma avenida morre atropelado.

    • O autor do texto se preocupa tanto com esse protagonismo negativo à bicicleta. Talvez ele esteja se baseando em dados estatísticos, afinal são as bikes que causam inúmeros acidentes com vítimas fatais todos os dias… Francamente, talvez esteja a serviço de interesses escusos de donos de postos de combustível ou de alguma empresa de ônibus.

  11. Eu sou um leitor admirador do Calife – leio todas a suas matérias -, no entanto, acho que ele jogou pesado nesta criticando todos devido a alguns ciclistas sem educação.

    Eu pergunto: e se em VR tivesse ciclovias adequadas como existem no norte da Europa? Penso que não haveria problemas de falta de respeito dos ciclistas.

    Agora, fazer comparação entre essas cidades com o Brasil, “…e muita gente vai para o trabalho e volta de bicicleta em cidades como Amsterdã, na Holanda, ou Copenhague na Dinamarca.”, é o fim da picada.

    Essas cidades são países, cuja …. forma de governo ….. é MONARQUIA, a primeira parlamentarista e a segunda constitucionalista, enquanto aqui a ….. forma de governo …. é uma REPÚBLICA, portanto NÃO SE PODE COMPARAR. Lá a orientação do povo é para a cidadania , enquanto aqui a orientação do povo é para a zoeira, para desfazer qualquer harmonia entre as pessoas.

  12. Estou preocupado com o topete do Calife,ele não pode pedalar com este topete ia provocar um acidente.e com esta carinha triste.

  13. Lamentável o papel que esse jornaleco se propõe a fazer. Quando o prefake de Volta Redonda estáva em campanha andando de bicicleta para ver qual era a rotina do trabalhador brasileiro ele era moderno, inovador, a mudança que a cidade precisava. Agora que ele não cumpre nem uma virgula do compromisso de campanha voltado a mobilidade urbana e, principalmente, ao transporte de tais trabalhadores através da bicicleta, o jornal vem criminalizar tal transporte e toda uma parte da sociedade que prefere usar desse transporte e não encher mais o bolso das máfias de ônibus, a mesma que apoiou o tal prefeito modernoso!!

    Se o trânsito da cidade tivesse o espaço dedicado a seus milhares de ciclistas que usam da bicicleta como meio de transporte para estudo e trabalho, mas também como esporte e lazer, não teríamos perigos constantes de ciclistas nas calçadas como essa matéria porcaria faz questão de ressaltar!! Muito fácil ficar falando que país europeu respeita pq tem cultura e blablabla, mas já viu a estrutura de ciclovias que a maioria desses países possui?

    Pára de querer fazer o leitor de otário e reclame do que realmente importa para a cidadde, uma infraestrutura que comporte veículos, ciclistas e pedestres sem desrespeito a nenhum deles!!

  14. O AUTOR DESTA MATÉRIA, AURÉLIO PAIVA, GENERALIZOU OS CICLISTAS. ABSURDO.
    DEVERIA É EXPOR O PROBLEMA DA FALTA DE CICLOVIA EM VOLTA REDONDA.

  15. EM VEZ DE DEFENDER A CRIAÇÃO DE CICLOVIAS, ATACAM UMA MINORIA DE CICLISTAS QUE NÃO RESPEITAM… LAMENTÁVEL, POIS SABEMOS QUE EM TODOS SETORES DA SOCIEDADE HÁ AQUELES QUE NÃO DÃO BOM EXEMPLO, PORTANTO DESTACÁ-LOS É UMA COVARDIA COM QUEM É CICLISTA E NÃO COMPACTUA COM ISTO. ISTO SE CHAMA GENERALIZAÇÃO !!!

  16. Os petistas aqui dos comentários só estão reclamando da coluna do Calife porque a Dilma gostava de andar de bicicleta – literalmente, não estou falando das “pedaladas fiscais” (petistas procurem no Google).

  17. الفتح - الوغد

    Vejo uns dizendo que motoqueiro é raça ruim, outros falam que caminhoneiros são criminosos, mais alguns juram que ciclista não presta e que motorista não tem educação… São todos brasileiros típicos, e sua norma de conduta é seguida à risca, independente do meio de transporte adotado: levar vantagem em tudo, doa a quem doer…

    Usemos como exemplo o sr. Brasildo Barramansuíno Doravante. Ele, como pedestre, costuma atravessar avenidas fora da faixa, e quando nelas está se joga em meio ao fluxo, sem olhar para os lados (“tô na faixa, pô!!”)… Brasildo tem uma bike, com a qual trafega sobre as calçadas, atravessando passarelas montado sobre ela, alertando os transeuntes a saírem de seu caminho com assovios ligeiros… Brasildo é trabalhador, tem um caminhão próprio (que deixa estacionado em frente à sua casa, atrapalhando o trânsito), com o qual faz fretes. Costuma fechar veículos menores nas estradas (passou da lateral da cabine, não mais existe). Nunca se atrasa, pois nos congestionamentos sempre trafega pelo acostamento… Brasildo é um cara determinado. Juntou uma grana e conseguiu comprar um carrinho para dar uns rolés com a família e uma moto para mandar uns perdidos por aí. Porrou o carro duas vezes em um ano, após voltar alcoolizado do barzinho… A moto, hoje num galpão do Detran, com leilão marcado para janeiro, está cheia de multas registradas no Denatran, por excesso de velocidade, não pagamento de IPVA e outras infrações…

    Não importa o modal utilizado, Brasildo Barramansuíno Doravante é um brasileiro e não desiste nunca!!…

  18. Eu não sou petista, mas considero suas colocações ridículas, forçando uma barra, sem argumento. Parece obsessão, trauma, recalque coisa assim. Isso depõe contra você e contra a própria direita.

  19. Acho que primeiramente para reclamar dos ciclistas, deveria ter ciclovias na cidade. Por exemplo, na Amaral Peixoto sentido vila, parte onde tem os trens. É impossível o ciclista passar ali na mão. Não ando mais de bicicleta pq é perigoso pra mim, troquei pelo carro e causo mais poluição e trânsito do que de bicicleta. Então o problema de falta de educação deve ser explanado quando tiver vias para ciclistas na cidade. Infelizmente o ciclista não tem vez na cidade. Um transporte limpo e saudável pras pessoas deveria ter uma solução. Triste realidade na cidade.

  20. Só no ano de 2017 tivemos MAIS DE 2.000 ACIDENTES CAUSADOS POR MOTORISTAS, inúmeras vítimas e muitas MORTES. Alguém saberia me dizer “quantos ciclistas” causaram dano a outro ser humano em Volta Redonda ou na região Sul Fluminense?
    Matéria RIDÍCULA de Jorge Calife, que não apresenta ESTATÍSTICAS, é unilateral e que certamente NÃO PEDALA, certamente devido a INSEGURANÇA E RISCO que os MOTORISTAS causam no trânsito.
    Infeliz e ignorante daquele que acha que a ameaça é o ciclista.
    PROVE SE FOR PROFISSIONAL com dados, ao invés de uma opinião pessoal de ódio e achismos!
    Quero comparações entre MORTES E LESÕES causados por Motoristas e Ciclistas.

    • الفتح - الوغد

      Só não causam maiores danos porque o veículo é mais leve, isso é algo muito óbvio. Da mesma forma, motocicletas matam mais seus condutores que terceiros…

      Em tempo: o Brasil precisa melhorar seu sistema de transporte de massa antes de qualquer outra coisa. Ciclovia é coisa de político demagogo. Bicicleta é vista como veículo de recreio para as “elites” e para pequenos ou médios deslocamentos (do tipo que se faria a pé), nunca substituirá os veículos motorizados, ainda mais no Brasil, devido ao nosso clima e relevo… Existem ciclovias na Beira-Rio e no Conforto, mas não vejo ninguém usando. Muitas vezes preferem passar na pista de caminhada, em meio aos pedestres, e assim é em qualquer lugar onde existam ciclovias ou ciclofaixas no Brasil…

    • Aída você é sensata. É uma das poucas pessoas que compreende que quem precisa de mobilidade são as pessoas e não os carros. O espaço público é de todos e precisa ser democratizado. As principais avenidas europeias tem ciclovias. Ciclovias serve para o ciclista, patinador, skatista, cadeirante, transporte de pequenas cargas por tração humana…

  21. O trânsito retrata com perfeição a desagregação da sociedade urbana brasileira, uma verdadeira guerra! É preciso sair de casa com muito cuidado para não ser envolvido pela violência dos seus atores… os ciclistas, no entanto, são os campeões do comportamento negativo, simplesmente imprevisíveis, dublês de assassinos e suicidas! Urge uma regulamentação do CBT no sentido de identificar e responsabilizar esses indivíduos para que aprendam noções básicas de urbanidade.

  22. Morador de Pinheiral

    E quando o senhor colunista irá fazer a sua parte, pq eu sempre o vejo andando no meio da rua a pé com seu cachorros, colocando a sua vida dos cachorros, de CICLISTAS, motoqueiros e motoristas em risco. Gosta de falar dos outros mas também não faz a sua parte.

  23. Excelente matéria.
    Parabéns ao colunista.
    Observo diversas vezes bicicletas na contramão na Vila.
    Quase fui atropelada por uma saindo de uma farmácia.
    Mas infelizmente precisa trabalhar mais a educação do povo brasileiro.

  24. Este comportamento é uma das consequências das décadas de hegemonia cultural de esquerda, Estatuto da Criança e do Adolescente, novas teorias pedagógicas marxistas nas salas de aula e duas décadas de governos esquerdistas no poder. O resultado? Erosão dos valores, falta de civilidade entre as pessoas, violência e uma geração de egocêntricos mimados eleitores do PT e do PSOL.

Untitled Document