terça-feira, 16 de outubro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Empresas devem ficar atentas às regras do banco de horas na Copa do Mundo

Empresas devem ficar atentas às regras do banco de horas na Copa do Mundo

Matéria publicada em 13 de junho de 2018, 12:24 horas

 


Empresas precisam observar regras para banco de horas. (crédito Divulgação)

Sul Fluminense – Amanhã, quinta-feira, 14, começa a Copa do Mundo na Rússia. A pergunta entre a maioria dos brasileiros que sonham em assistir os jogos em casa ou com os amigos – pelo menos os do Brasil – é sobre a regra trabalhista para este assunto.

O advogado trabalhista, João Victor Arantes, responde a dúvida e afirma que, com a nova lei trabalhista, as empresas não têm a obrigação de liberar os funcionários. Mesmo assim, diversos segmentos adotam horários especiais e expedientes reduzidos nos dias das partidas do Brasil.

“Em geral, os empregadores fazem acordos informais, em que os funcionários são liberados um pouco mais cedo ou começam o expediente mais tarde, quando o jogo ocorre de manhã. Esses acertos costumam prever uma compensação”, disse.

A administradora de empresas Janaina Freitas é funcionária de um consultório de medicina do trabalho. Ela afirma estar ansiosa para assistir os jogos do Brasil. “Aqui deram a liberdade de compensarmos as horas do jogo”, comemora a moça, lembrando que nesta primeira fase, somente uma partida será realizada no domingo, as outras duas serão numa sexta e quarta-feira, em horário comercial.

Lei

O sistema de banco de horas tiveram os prazos de compensação flexibilizados a partir da reforma trabalhista. As empresas que adotam essas regras  devem ficar atentas. Havendo negociação de banco de horas diretamente entre trabalhador e patrão, a compensação das horas extras deve ser feita no prazo máximo de seis meses, de acordo com o acordo individual por escrito.

Se o banco foi negociado por meio de uma convenção coletiva, a compensação da jornada pode ser realizada em até um ano. Uma possibilidade aberta por algumas empresas é a instalação de aparelhos de TV e telões para que os funcionários assistam às partidas nas dependências do local de trabalho e não gastem tempo com deslocamentos.

Nesses casos, geralmente, a empresa não desconta o tempo que a equipe ficou vendo o jogo, porque os empregados continuam à disposição do chefe. Se acontecer um imprevisto, os trabalhadores, provavelmente, serão chamados para resolver a questão, mesmo que estejam assistindo à partida.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

7 comentários

  1. Cidinha do cacete.

    Meu amigo sem nome,nesses dias o Congresso não para enquanto o povo bebe igual a gamba;eles estão votando mais coisas contra o povo.

  2. Gol da Alemanha

  3. Enquanto isso a crise come solta, gasolina quase 6,00 e dolar quase 5,00! E o pessoal preocupado com copa do mundo! Incrivel isso!

    • Tem que ser muito burro pra associar uma coisa à outra, ou apenas ser uma implicância sem sentido!

      Assistir aos jogos e torcer pelo Brasil virou sinônimo agora de não ter preocupações/ações pelo país!

      Geralmente quem sustenta esses discursos são os que mais sonegam, mais tentam levar vantagens indevidas em tudo, etc..

    • Então se nós brasileiros deixarmos de assistir aos jogos da Copa do Mundo a situação econômica do nosso país vai melhorar?
      Me explique um pouco mais sobre isso…

    • Morador, para a sua informação, o Dólar está 3,95 e a gasolina, com a redução na refinaria, está 4,99 em alguns postos. Sugiro que vá ao Procon e denuncie essa gasolina a quase 6,00.

  4. Cidinha do cacete.

    Banco de horas pra isso?meu Deus Brasil não vai pra frente nunca dessa forma.

Untitled Document