segunda-feira, 25 de setembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Destaque / MP cumpre mandados de prisão contra bombeiros e empresários em esquema para liberação de alvarás

MP cumpre mandados de prisão contra bombeiros e empresários em esquema para liberação de alvarás

Matéria publicada em 12 de setembro de 2017, 13:42 horas

 


Organização criminosa acontecia na Baixada Fluminense e na capital, Rio de Janeiro

Rio- O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), e a Corregedoria Geral Unificada da Secretaria Estadual de Segurança (CGU/SESEG) realizaram nesta terça-feira (12) a operação Ingenium. O objetivo é cumprir mandados de prisão contra 35 bombeiros, entre eles comandantes de grupamentos na Baixada Fluminense e na Capital, além de outros oficiais ligados ao setor de engenharia da corporação e três empresários, denunciados pelo crime de organização criminosa.

Também serão cumpridos 64 mandados de busca e apreensão, incluindo o Quartel-General da Corporação, no Centro. A operação conta com apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do Ministério Público do Rio de Janeiro (CSI/MPRJ), da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), da Polícia Civil e da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria Estadual de Segurança (Ssinte/Seseg).

De acordo com a denúncia, os bombeiros formaram uma organização criminosa que cobrava propina para expedição de alvarás e licenças de estabelecimentos comerciais, ora sem que eles cumprissem as exigências legais de segurança; ora para acelerar o tramite na obtenção da documentação necessária. Segundo as investigações, o esquema funcionava em diversas unidades do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro (Cbmerj), em especial o 4º GBM (Nova Iguaçu), o 14º GBM (Duque de Caxias) e o Grupamento de Operações com Produtos Perigosos (GOPP). Entre os locais onde serão cumpridos os mandados de busca e apreensão, estão estas três unidades da corporação, além do 8º GBM (Campinho), 12º GBM (Jacarepaguá), 17º GBM (Copacabana) e o Comando de Bombeiros de Área (CBA) da Baixada Fluminense.

A denúncia aponta que os documentos eram classificados pelos integrantes da organização criminosa como de “pequeno ou grande porte”. Esse era um dos critérios para a fixação de preços para a propina, que variavam entre R$ 750 podendo chegar até R$ 30 mil. O grupo era liderado pelos coronéis bombeiros José Augusto da Cunha Bandeira e Ricardo Luiz Ferreira de Aguiar, que ocupavam o cargo de assessores especiais do comandante-geral do Cbmerj. Os dois eram responsáveis pelas nomeações dos comandantes de grupamentos e do CBA da Baixada Fluminense. Segundo a denúncia, esta escolha era voltada para a manutenção da prática de corrupção e o grupo buscava nomear, para as posições de comando, os oficiais que participavam do esquema ilícito.

Segundo o Gaeco/MPRJ, os três empresários para os quais foram emitidos mandados de prisão, são sócios de empresas que vendiam serviços para regularizar estabelecimentos comerciais junto aos bombeiros. De acordo com as investigações, eles atuavam como intermediários entre as empresas que precisavam das licenças e os envolvidos no esquema. Entre os 35 bombeiros denunciados estão dez coronéis, sendo dois da ativa e oito da reserva; oito tenentes coronéis, dois majores, oito capitães, um primeiro tenente, um subtenente, três segundos sargentos, um terceiro sargento e um cabo bombeiro.

Para o compartilhamento de provas, cópias dos autos serão remetidos pelo Gaeco/MPRJ às Promotorias de Justiça de Auditoria Militar para investigação dos crimes de corrupção passiva e às Promotorias de Justiça de Tutela Coletiva para apurar atos de improbidade administrativa dos acusados.

9 comentários

  1. Só tem corrupto pq tem o corruptor. Só tem o traficante pq tem o consumidor e só tem o mau político pq tem o mau eleitor.

    • Concordo integralmente com tudo. E acrescento que deveria haver uma mudança profunda em tudo isso onde essa mudança passasse primeiro pelo topo da pirâmide indo até a sua base. A fórmula mágica todos já conhecem, educação junto com formação e reestruturação da família brasileira, onde se tenha moral e ética e principalmente os ensinamentos de Jesus Cristo como pilares. Sei que é bastante utópico, mas é o que eu acredito.

  2. NÓS VAMOS VOTAR NO ANO QUE VEM! VCS SABEM QUAL DEPUTADO AUTOR DA TAXA DE INCÊNDIO?

    • Fala o nome pô !!

    • ANTONY GAROTINHO sempre foi aliado dos bombeiros, ele que criou a TAXA DE INCENDIO, só no estado do Rio que tem, imaginem o porque ?, porque ? nem eu sei … quem também implantou a vistoria no Detran, quem também aumentou o IPVA em 50 %, porque ? porque ? e essa Familia quer voltar … C U I D A D O !!!

    • A TAXA DE INCÊNDIO NÃO É “OBRIGATÓRIA” EM TODOS OS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO RIO. POR QUE SÓ VOLTA REDONDA É QUEM PAGA EM DETRIMENTO DE OUTROS MUNICÍPIOS? SABIA QUE SE VOCÊ DEIXAR DE PAGAR A TAXA DE INCÊNDIO O SEU NOME VAI PARA A DÍVIDA ATIVA? E SABE O QUE DÁ ISSO? “NADA”. POIS NA HORA DE VENDER O SEU IMÓVEL, FAZER INVENTÁRIO E OUTRAS COISAS MAIS, A CERTIDÃO FORNECIDA PELA SECRETARIA DE FAZENDA SENDO POSITIVA OU NEGATIVA, DÁ NO MESMO? POIS NÃO INFLUEM EM NADA AS DÍVIDAS PELA TAXA. TOMAR SEU IMÓVEL NÃO PODEM; FORÇAR A PAGAR, NÃO PODEM E, AINDA MAIS, DEIXAR DE ATENDER AOS CASOS DE INCÊNDIO, PIOR AINDA. SÓ PARA DAR UM EXEMPLO: NUM PRÉDIO, O SEGUNDO ANDAR ESTÁ PEGANDO FOGO; O MORADOR DAQUELE APARTAMENTO NÃO PAGA TAXA DE INCÊNDIO, MAS OS MORADORES DO PRIMEIRO E SEGUNDO ANDARES PAGAM. E AÍ, COMO FICA? OS BOMBEIROS VÃO DEIXAR DE COMBATER O INCÊNDIO? CLARO QUE NÃO, NÉ? NA VERDADE NINGUÉM SABE PRA ONDE VAI ESSE DINHEIRO DA “ti” COBRADA. DIZEM QUE É PARA RENOVAR A FROTA DOS CARROS DOS BOMBEIROS. ENTÃO FAÇO MAIS UMA PERGUNTA: É JUSTO MUNICÍPIOS TAXADOS CONTRIBUÍREM PARA MELHORIAS DA FROTA E SERVIÇOS DE OUTROS MUNICÍPIOS QUE NÃO SÃO TAXADOS PELOS BOMBEIROS? FICAM A AÍ NO AR MINHAS INDAGAÇÕES… SÓ LEMBRANDO, ONDE HÁ CORRUPÇÃO É PORQUE HÁ DINHEIRO DEMAIS. CONCORDA?

  3. Brasil só terá solução com Intervenção Militar Já.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document