sexta-feira, 20 de julho de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / CSN aponta queda no número de acidentes na UPV

CSN aponta queda no número de acidentes na UPV

Matéria publicada em 12 de janeiro de 2018, 17:28 horas

 


CSN apresentou números positivos sobre acidentes no interior da usina

CSN apresentou números positivos sobre acidentes no interior da usina

Volta Redonda –  O índice de acidentes na Usina Presidente Vargas da CSN, em Volta Redonda, apresentou uma redução de 20% no ano passado, em comparação a 2016. Além da redução no número absoluto de acidentes, houve queda também na taxa de frequência em 18% e a redução expressiva na taxa de gravidade, de 90%, o que confere a 2017 a melhor marca histórica desses indicadores.

A empresa atribui o resultado a implantação em 2017 da política de segurança corporativa focada na disciplina organizacional e na capacitação e qualificação dos colaboradores e da liderança. A taxa de frequência de acidentes na empresa em 2017 foi de 3,65 para cada um milhão de horas trabalhadas contemplando colaboradores próprios e prestadores de serviço, o que representa um dos melhores resultados do setor siderúrgico, comparado com o Reporte Anual do Instituto Aço Brasil-IABR em 2016.

– Terminamos 2017, sem acidentes fatais, com a melhor marca da história dos indicadores, quanto ao número acumulado de acidentes, taxa de frequência e gravidade. Isso é resultado de um trabalho sério que estamos desenvolvemos. Estamos conscientes, no entanto, que apesar de estarmos no caminho certo, precisamos continuar trabalhando forte em 2018 para que os resultados sejam ainda melhores – comentou o Gerente de Segurança do Trabalho, Paulo Milleu.

Durante os últimos anos, a empresa está trabalhando com os colaboradores uma campanha que promove a Segurança do Trabalho não apenas em suas operações, mas também em casa e no trajeto. Com o tema “Em casa, no trajeto ou no trabalho, meu comportamento seguro faz a diferença”, a empresa busca conscientizar a importância da prevenção em todos os aspectos da vida social.

– Enfatizamos sempre com todos a importância de que cada um entenda sua responsabilidade individual quanto a segurança. Temos conscientizado também nossos gestores sobre a responsabilidade deles pela segurança de suas equipes, e à qual deve ser dada a máxima prioridade – explicou o gerente de Segurança do Trabalho.

12 comentários

  1. Trabalhei por 28 anos na CSN. Antigamente a empresa investia muito em treinamento e qualificação de seus profissionais. Hoje isto não acontece. Confiam nos padrões elaborados há mais de 15 anos e colocam os garotos a executarem esses padrões. Não houve revisão e melhoria nos padrões operacionais e não se pratica mais a Qualidade total….

  2. Geração mimada que tem que ser vigiada. Precisa mudar isso,viu?

  3. O problema é que são poucos e fatais quando acontecem. Então o que seria melhor, milhares de acidentes, porém não fatais, ou poucos acidentes, contudo fatais?

  4. A EMPRESA ESTA FAZENDO UM TRABALHO SERIO DE CONCIENTIZAÇÃO , TREINAMENTO E NÃO ESTA ATURANDO MAIS DESLEIXOS COM A SEGURANÇA … AGORA SIM TERÁ BONS RESULTADOS ….

  5. empresa lixo

  6. Maquiagem nas estatísticas não vale, e deixar de registrar um acidente é a pior coisa que um trabalhador pode fazer, pois perderá sua cobertura, e por outro lado um acidente não registrado, não é apurado, medidas preventivas não são tomadas, então o próximo poderá ser grave. Pare, pense, escute, na dúvida não faça, pois nada que não possa ser feito com segurança, não deverá ser feito.

  7. Que gata mentirosa…. Verdadeira sucata.. Fabrica de fazer viúva… Vergonha uma lorota dessa….sair no jornal

    • HO FRANCISCO .. TA CUSPINDO NO PRATO QUE COMEU ?? DURANTE 25 ANOS ..PELO JEITO A DONA AINDA NÃO É VIUVA EIM … É UMA MALA . EIM KKK

  8. Com os Gerentes Gerais em cima dos médicos para descaracterizar os acidentes fica Facil

  9. Isso não contando os acidentes não registrados…. Na aços longos tem gente que quebra o dedo e é orientado a dizer que quebrou em casa… Se registrar de verdade, éassustador

    • Mentira isso não existe!

    • Se o MPT pudesse fazer o trabalho para qual é designado, sem s interferência de políticos podres que a sociedade elege, não só os acidentes mas também os registros de impacto ao meio ambiente e as ações trabalhistas seriam menores com certeza.
      Só teremos uma sociedade melhor com uma justiça atuante e independente.

Untitled Document