terça-feira, 23 de janeiro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Economia / Uso racional da energia pode evitar ‘sustos’ na conta de luz

Uso racional da energia pode evitar ‘sustos’ na conta de luz

Matéria publicada em 11 de junho de 2016, 10:00 horas

 


Coma chegada do inverno, medidas simples a serem adotadas podem fazer a diferença na fatura ao final do mês

Sul Fluminense- Faltando poucos dias para a chegada oficial do inverno, período do ano em que as pessoas querem estar mais aquecidas, profissionais da área de engenharia elétrica afirmam que, seguindo algumas dicas de uso racional de energia, muitas famílias podem evitar grandes aumentos na conta de luz, nos próximos meses. Um dos vilões dessa época, de acordo com o coordenador do curso de Engenharia elétrica do UBM (Centro Universitário de Barra Mansa), José Nilton Cantarino, é o chuveiro elétrico que, em dias frios, costuma ser utilizado em potência mais elevada.
De acordo com Canatarino, muitas empresas divulgam que, em média, um chuveiro na posição inverno consome 30% mais energia que o mesmo chuveiro na temperatura verão. No entanto, segundo ele, um chuveiro na posição inverno pode consumir até o dobro da energia que na posição verão.
– Em termos práticos, o custo de um banho de 10 minutos na posição inverno pode equivaler ao custo de um banho de até 20 minutos na posição verão. Uma dica é deixar sempre o chuveiro na temperatura verão, em dias mais quentes, limpar periodicamente os orifícios de saída de água do chuveiro e tomar banhos mais rápidos – destacou o coordenador, ao ressaltar que, na hora de comprar um equipamento, o consumidor deve sempre optar pelos que possuem o selo Porcel, priorizando os identificados pela letra A, que são os mais econômicos.
Como no inverno os dias são mais curtos, o que exige que a luzes sejam acessas mais cedo, outra dica do engenheiro é para que os chefes de família e as donas de casa deem prioridade a instalação de lâmpadas fluorescentes ou de LED, que iluminam melhor, duram mais e gastam menos energia. Conforme ele ressalta, as antigas lâmpadas incandescentes tinham um custo muito baixo de aquisição, mas um consumo muito elevado de energia, o que tornou seu uso proibitivo nos dias atuais. Esse tipo de material hoje já não são mais fabricadas e deixarão de ser comercializadas por completo ainda esse ano.
Conforme esclarece Cantarino, as lâmpadas de LED possuem eficiência maior que as fluorescentes, sendo elas compactas ou não, e, por essa razão, é válida a substituição da iluminação da casa por esse modelo.
– Se pensarmos em um tempo maior, quando não só avaliamos o consumo mas também a vida útil das lâmpadas, as mais eficientes são as de LED´s. Elas  ainda custam um pouco mais que as demais, porém, possuem uma vida útil muito maior. Por isso, se levarmos em conta que esse tipo de lâmpada é mais caro, mas vai durar muito mais, vale a pena o esforço de substituição gradativa. Assim teremos menor consumo de energia e vamos levar um tempo muito maior para substituí-las – comparou o engenheiro.

Família grande

Para uma com várias pessoas, a orientação do professor de engenharia elétrica, para que economizem energia nesse período de inverno é que adotem o que ela considera a boa prática de acumular roupas para lavar e para passar, ligando menos vezes esses aparelhos como a máquina e o ferro elétrico. De acordo com ele, ajustar a temperatura do ferro de passar para uma temperatura média, que permita passar a roupa com conforto sem desperdiçar energia, é uma boa forma de fazer economia.
– Uma casa com uma família muito grande pode possuir vários aparelhos. Então seria bom evitar deixá-los na posição “stand-by”, desligando-os sempre quando não estiver em uso. Apesar do consumo em “stand-by” ser pequeno, quando temos muitos aparelhos em casa isso pode ser significativo – destaca Cantarino, ao alertar que não dormir com a televisão ligada e sempre apagar a luz, quando sair de um cômodo, também são medidas que ajudam a economizar aumento na fatura de energia.

Cuidado com a geladeira

Importante para qualquer período do ano, o cuidado quanto ao uso correto da geladeira também merece atenção em dias mais frios. De acordo com o professor, esse tipo de eletrodoméstico deve ser instalado em local bem ventilado e nunca ficar encostado em paredes ou móveis. Eles devem ficar longe de raios solares e fontes de calor, como fogões e estufas e, diferente do que muita gente costuma fazer, não se pode utilizar a parte traseira da geladeira para secar panos ou roupas.
No inverno também é importante regular o termostato do aparelho, pois a temperatura interna do refrigerador não precisa ser tão baixa quanto no verão, e sempre conferir a borracha de vedação, que deve estar em bom estado para evitar que o ar frio escape de dentro da geladeira.
– As donas de casa devem evitar forrar as prateleiras da geladeira, pois isso impede o fluxo de ar interno e faz com que o aparelho necessite de um maior tempo para resfriar os alimentos. Outra dica importante é não deixar a porta da geladeira aberta por muito tempo – observou o coordenador, ao afirmar que os aparelhos elétricos e eletrônicos que mais consomem mais energia são o ar condicionado, chuveiro, geladeira, freezer, máquina de lavar e ferro de passar.
Conforme ainda destacou o engenheiro, uma observação feita pela Aneel (Agencia Nacional de Energia Elétrica) é que não se deve desligar a geladeira para economizar energia. Quando isso acontece, o aparelho gasta cerca de 10 horas para atingir o equilíbrio de seu regime de trabalho, fazendo com que não se tenha economia de energia. “Só vale a pena desligar uma geladeira se for o caso de uma viagem de um mês, por exemplo”, acrescentou.

Famílias lutam para economizar

Levando em consideração que já no período do verão muitas famílias foram pegas de surpresa, com o aumento na conta de luz, com a chegada do inverno, o cuidado na hora de economizar será redobrado, garantem. De acordo com a aposentada Maria José Dias, de 70 anos, ela e o marido estão agindo com rigor para conscientizar os filhos e netos, que compartilham do mesmo relógio que eles.
– São sete pessoas utilizando a mesma energia. Há alguns meses pagamos uma conta de quase R$ 400,00 e, daí para cá, comecei a tomar algumas medidas para ver se economizava. Uma delas foi ficar atenta e verificar se minhas netas estavam dormindo com a televisão ligada e controlar o tempo do banho no chuveiro.  Agora, com a chegada do frio, vou ficar ainda mais de olho – afirmou a aposentada, que hoje evita passar roupas várias vezes na semana.
O metalúrgico Rafael de Oliveira Cruz, de 30 anos, disse que também levou susto com a conta de luz nos últimos meses e que, por essa razão, tem procurado ficar mais atento ao uso racional de energia. Entre as medidas adotadas foi desligar a lâmpada que iluminava o quintal durante a noite, instalar somente lâmpadas de Leds e substituir o aparelho de chuveiro por um com indicação de menor consumo de energia.
– Estamos vivendo uma crise, tudo está muito caro, mas podemos fazer a nossa parte e evitar gastos que, às vezes, são desnecessários. Água, luz e alimentação são prioridades, mas é preciso ter a consciência que é  possível para economizar – afirma Cruz.

aumentos721

Precaução: Tomadas desligadas evitam que aparelhos fiquem em ‘stand-by’ e sejam danificados em caso de queda de energia
(Foto: Marcos Santos/usp imagens)

Bandeira tarifária das contas de luz será verde pelo terceiro mês

energ_bra_ca04012016_121

Energia: Este é o terceiro mês seguido em que a bandeira definida pela Aneel
(Fotos Públicas)

A bandeira tarifária aplicada nas contas de energia elétrica em junho será a verde, ou seja, não haverá acréscimo de valor para os consumidores. Este é o terceiro mês seguido em que a bandeira definida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) é verde. A decisão foi tomada nesta terça-feira em reunião extraordinária da diretoria da agência.
Segundo a Aneel, a manutenção da bandeira verde foi possível por causa do resultado positivo do período úmido, que recompôs os reservatórios das hidrelétricas. Além disso, houve o aumento de energia disponível com redução de demanda e a adição de novas usinas ao sistema elétrico do país.
Desde que foi implementado o sistema de bandeiras tarifárias, em janeiro de 2015, até fevereiro de 2016, a bandeira se manteve vermelha (com cobrança de R$ 4,50 a cada 100 quilowatts-hora consumidos). Em março, passou para amarela (com taxa de R$ 1,50 a cada 100 kWh) e, em abril e maio, a bandeira foi verde.
O sistema de bandeiras tarifárias foi adotado como forma de recompor os gastos extras das distribuidoras de energia com a compra de energia de usinas termelétricas. A cor da bandeira que é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) indica o custo da energia elétrica, em função das condições de geração de eletricidade.
Por exemplo, quando o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas está mais baixo, por causa da falta de chuvas, é preciso aumentar o uso de usinas termelétricas para garantir a energia necessária para o país. Como a energia gerada por termelétricas é mais cara, o custo da energia fica maior, e a bandeira tarifária passa a ser amarela ou vermelha. Segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico, o nível dos reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste está atualmente em 56,6% de sua capacidade máxima.
De acordo com a Aneel, a bandeira tarifária não é um custo extra na conta de luz, mas uma forma diferente de cobrar um valor que era incluído na conta de energia, sem acréscimo no reajuste tarifário anual das distribuidoras. Segundo a agência, a bandeira torna a conta de luz mais transparente e o consumidor tem a melhor informação para usar a energia elétrica de forma mais consciente.

Por Roze Martins
(Especial para o DIÁRIO DO VALE)

2 comentários

  1. Essa conversa fiada de economia de energia através de uso racional é uma verdadeira falácia. O fato concreto é que energia elétrica virou um verdadeiro artigo de luxo para a população. Pouquíssimos podem, atualmente, pagá-la sem comprometer, de certa forma, o orçamento doméstico. O aumento imoral que aplicaram no custo ao consumidor é digno de uma investigação. Chego mesmo a acreditar, quase que convicto, que exista algo de podre nisto tudo. Quem sabe o Sérgio Moro possa nos dar uma mãozinha a fim de se esclarecer essa dúvida?

  2. Adorei a matéria. Algumas dicas citadas já utilizo aqui em casa e o pessoal pega no meu pé dizendo que sou pão duro. Vou mostrar a matéria pra eles.

Untitled Document