segunda-feira, 25 de setembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Esporte / Libertadores: Botafogo derruba mais um campeão e se classifica

Libertadores: Botafogo derruba mais um campeão e se classifica

Matéria publicada em 10 de agosto de 2017, 21:21 horas

 


Foto: Vitor Silva / SS Press / Botafogo Comemoração: Rodrigo Pimpão marcou e saiu 'voando' em seu tradicional aviãozinho

Comemoração: Rodrigo Pimpão marcou e saiu ‘voando’ em seu tradicional aviãozinho (Foto: Vitor Silva / SS Press / Botafogo)

Rio – E o Botafogo segue fazendo história na Taça Libertadores. Em partida disputada na noite desta quinta-feira (10), no Estádio Nilton Santos, o Alvinegro de General Severiano derrotou o Nacional, do Uruguai, por 2 a 0 e se classificou para as quartas-de-final da competição Sul-Americana. O Botafogo teve um início arrasador e liquidou a fatura nos primeiros cinco minutos com gols de Bruno Silva e Rodrigo Pimpão. Agora, o Botafogo vai enfrentar outro campeão continental, o Grêmio.

A vitória foi merecida porque o time brasileiro soube tirar partido da vantagem alcançada no primeiro jogo. Em desvantagem, o Nacional partiu para o desespero e, nos minutos finais, perdeu a cabeça com a derrota, protagonizando cenas de violência, o que causou a expulsão de três jogadores da equipe visitante no final da partida.

Primeiro tempo

Com apoio de uma torcida entusiasmada, o Botafogo começou a partida no ataque e logo aos dois minutos, marcou o primeiro gol. João Paulo bateu escanteio, pela direita, e Bruno Silva subiu mais do que a zaga para cabecear no canto direito, sem chances para o goleiro Conde. Entusiasmado com a vantagem, o alvinegro carioca seguiu pressionando e marcou o segundo gol aos cinco minutos. O zagueiro Rogel atrasou mal para o goleiro Conde e Rodrigo Pimpão chegou antes do goleiro uruguaio para tocar a bola para as redes.

Depois de ser surpreendido pelo começo avassalador da equipe brasileira, o Nacional começou a se acalmar e passou a trocar passes para tentar se aproximar da defesa adversária.

Aos 12 minutos, em dividida no meio campo, entre Bruno Silva e Álvaro González, a bola acabou nos pés de Roger, inteiramente livre, nas proximidades da grande área. A arbitragem marcou impedimento, causando revolta entre os alvinegros porque a bola foi passada pelo jogador do Nacional.

O Botafogo passou a atuar mais recuado, tentando atrair o adversário para seu campo, para buscar lançamentos para Rodrigo Pimpão e Roger.

Aos 20 minutos, após Rodrigo Pimpão ganhar a dividida com Arismendi, Roger emendou, de primeira, e Conde fez grande defesa, espalmando para escanteio, e evitando o terceiro gol.

O Nacional seguia enfrentando dificuldades para penetrar na bem armada defesa carioca e o goleiro Gatito Fernandez quase não era incomodado pelo ataque visitante.

A partida ficou mais ríspida com os jogadores discutindo muito em cada dividida.

Aos 31 minutos, o Botafogo criou a chance de marcar o terceiro gol. Matheus Fernandes roubou a bola de Viúdez e tocou para Pimpão. O atacante lançou Roger que tentou tocar para Lindoso que entrava livre, mas Polenta impediu o passe.

Para reforçar seu ataque, o técnico Martin Lasarte trocou o meia Álvaro González pelo atacante Hugo Silveira. O Nacional aumentou a pressão em busca do primeiro gol e o Botafogo era obrigado a recuar para segurar as investidas do time uruguaio.

Segundo tempo

O Nacional voltou ainda mais agressivo para o segundo tempo, imprensando o Botafogo contra seu campo e levantando muitas bolas na área do alvinegro carioca.

O time carioca não conseguia sair da defesa e encontrava muita dificuldade para trocar passes. A torcida tentava fazer a sua parte, mas o time visitante controlava as ações. Nos primeiros dez minutos, o Nacional conseguiu cerca de oito escanteios.

Só aos 11 minutos é que o Botafogo chegou na área uruguaia e após cobrança de falta, quase que Joel Carli conseguiu alcançar a bola na pequena área. Os jogadores do meio-campo do time dirigido por Jair Ventura quase não abandonavam a defesa, mais preocupado em proteger os zagueiros do que levar o time para a frente.

Aos 20 minutos, Rodrigo Pimpão que executava funções ofensivas e defensivas, cansou e foi substituído por Guilherme que entrou com a missão de puxar os contra-ataques.

O Nacional teve uma ótima chance para marcar o primeiro gol aos 23 minutos, quando a bola sobrou para Viúdez dentro da pequena área e o goleiro Gatito Fernandes fechou o ângulo para receber a bomba do uruguaio no peito.

O técnico da equipe uruguaia decidiu arriscar tudo e trocou o lateral Fucile pelo atacante Barcia. Logo depois, Jair Ventura colocou o volante Dudu Cearense no lugar de Matheus Fernandes que já tinha cartão amarelo.

Aos 34 minutos, o Botafogo saiu em velocidade com Guilherme pela esquerda. Ele fez o lançamento para Roger que demorou a concluir e foi desarmado. Logo depois, o centro avante voltou a desperdiçar uma ótima chance ao receber passe de Guilherme na grande área, mas chutou nas mãos de Conde, desperdiçando uma ótima oportunidade para liquidar a fatura.

Depois dos 40 minutos, o Botafogo passou a tocar a bola e o zagueiro Polenta recebeu cartão vermelho após cotovelada em Victor Luis. Depois da expulsão, os jogadores se desentenderam e Victor Luis e Sebastián Rodriguez acabaram também recebendo cartão vermelho. Logo em seguida, Aguirre agrediu Guilherme e também foi expulso de campo.

No final, os jogadores ainda discutiram muito no gramado, enquanto a torcida do Nacional quebrava as cadeiras do estádio e eram reprimidos pela polícia.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 2 X 0 NACIONAL-URU

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro
Data: 10 de agosto de 2017 (Quinta-feira)
Horário: 19h15
Público> 40.050 pagantes
Árbitro: Wilmar Roldán (Colômbia)
Assistentes: Wilmar Navarro (Colômbia) e John Leon (Colômbia)

Cartão Amarelo: Matheus Fernandes. João Paulo, Roger, Dudu Cearense(Bota); Kevin Ramirez, Hugo Silveira, Sebastián Rodriguez, Arismendi(Naça)
Cartão Vermelho: Victor Luis(Bota); Polenta, Sebastian Rodriguez e Aguirre(Naça)
Gols:
BOTAFOGO: Bruno Silva aos dois e Rodrigo Pimpão, aos cinco minutos do primeiro tempo.

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Luiz Ricardo, Joel Carli, Igor Rabello e Víctor Luís; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, Matheus Fernandes(Dudu Cearense) e João Paulo; Rodrigo Pimpão(Guilherme) e Roger
Técnico: Jair Ventura

NACIONAL: Conde, Fucile(Barcia), Rogel, Polenta e Espino; Arismendi, Álvaro González(Hugo Silveira) e Sebastián Rodríguez; Viudez, Sebastián Fernández(Kevin Ramirez) e Rodrigo Aguirre
Técnico: Martín Lasarte

4 comentários

  1. Grande vitória do Botafogo, time desacreditado que vem fazendo bonito. Simplesmente passou o RODO em 4 Campeões da América.

  2. OS OUTROS TORCEDORES COMO FLAMENGUISTA COMO EU TEM A MANIA DE DESFAZER DA VITÓRIA ALHEIA, ISTO TUDO POIS SOMOS SOBERBOS E SE ACHAMOS OS MELHORES. MAIS HOJE TEMOS QUE RECONHECER E ACIMA DE TUDO RESPEITAR O CLUBE DO BOTAFOGO, COMO FOI FALADO ONTEM NA TV, CLUBE QUE MAIS CEDEU JOGADORES PARA SELEÇÃO BRASILEIRA E QUE DETEVE OS MAIORES JOGADORES, FORAM MUITO´S. FLAMENGUISTAS, VASCAINOS E TRICOLORES É HORA DE SE UNIR E DEIXAR A RIVALIDADE DE LADO E TORCER PARA QUE ESTE TÍTULO VENHA PARA O RIO DE JANEIRO. SAUDAÇÕES RUBRUNEGRAS AO GRANDE CLUBE DO BOTAFOGO, VITÓRIA MERECIDA A SUA TORCIDA, EXEMPLO. FLAMENGO O MELHOR NO BRASILEIRO, DOS CARIOCAS MAIS POR ENQUANTO VAMOS NOS CURVAR AO FOGÃO, SAUDAÇÕES RUBRUNEGRAS.

  3. “Quando forem falar do Botafogo, aprendam a respeitar mais um pouquinho” (Bruno Silva Jogador)

  4. Ao lado do Corinthians formam os dois únicos clubes brasileiros em condições de competir internacionalmente, seja contra Barcelona, Manchester ou qualquer outra agremiação do mesmo nível nosso. Parabéns GLORIOSO.

Untitled Document