quinta-feira, 15 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / A volta da Bullock e a perseguição no furacão

A volta da Bullock e a perseguição no furacão

Matéria publicada em 7 de junho de 2018, 08:00 horas

 


“Oito mulheres e um segredo” é o segundo remake do clássico dos anos 60

Equipe: Sandra Bullock e suas bandidas

A semana cinematográfica só tem duas estreias dignas de nota: “Oito mulheres e um segredo” é o segundo remake daquele filme de assalto, com o cantor-ator Frank Sinatra, que fez sucesso em 1960. O original se chamou “Onze homens e um segredo” e foi refilmado com o George Clooney e o Brad Pitty em 2001. Nessas duas versões eram necessários onze homens para realizar o roubo do século, a versão feminina só tem oito mulheres. Elas devem ser mais eficientes do que os homens ou a mocinha só conseguiu juntar oito malucas que nem ela.

Para quem gosta de filme de ação tem “No olho do furacão”, que foi produzido pela mesma equipe da série “Velozes e furiosos”. E também é um filme sobre um assalto.

Mas comecemos pelo roubo das mulheres. No filme original, de 1960, Frank Sinatra era Danny Ocean, um ex-paraquedista que lutou na Segunda Guerra Mundial. Ele reunia seus antigos colegas de pelotão para realizarem o “assalto do século”. Eles pretendiam roubar milhões de dólares de cinco cassinos de Las Vegas, em uma única noite. O plano era consumar o crime sem violência, com a equipe de ladrões arrumando emprego nos cassinos e arrombando os cofres no meio da madrugada.

Mas o que fez de “Onze homens e um segredo” um clássico é que Frank Sinatra juntou um time de atores famosos, que eram amigos dele na vida real. Gente como Sammy Davis Júnior, Dean Martin, Peter Lawford e Cesar Romero – que ficou famoso, entre outras coisas por interpretar o Coringa na antiga serie de TV do Batman. Todos eram conhecidos por atuarem em seriados de TV e filmes e o público foi ao cinema não só para ver a trama, mas para curtir a atuação da “turma do Sinatra” num filme de assalto.

Na falta de ideias novas resolveram fazer uma nova versão, desta vez com um time de atrizes. Que inclui a cinquentona Sandra Bullock, a Anne Hathaway, e a Kate Blanchet. Ao contrário da turma do Sinatra, não acho que elas sejam amigas na vida real, mas são ótimas atrizes e parecem ter se divertido com a brincadeira. Sandra Bullock é Debbie Ocean, irmã do Dany da história original e junta seu time de “meninas superpoderosas” para realizar um roubo igualmente ousado durante um baile de gala que se realiza todo o ano em Nova York. Resta ver se a “turma da Sandrinha” vai ser tão carismática quando o pessoal do Sinatra.

Tempestade: Os ladrões e o furacão

“No olho do furacão” é uma mistura de filme de assalto, perseguição rodoviária e catástrofe. Aqui os ladrões são os bandidos e tentam assaltar, de forma violenta, um depósito de dinheiro do Tesouro Nacional dos Estados Unidos e resolvem fazer isso quando a região é atingida por um furacão de Categoria 5 – o maior que pode existir. A mocinha do filme é uma policial interpretada pela Maggie Grace, uma atriz que vem se especializando em filmes B de aventuras, como este aqui.

Ela recebe a ajuda de um meteorologista, Toby Kebell, que ficou na região para estudar a tempestade. O cinema americano vem fazendo filmes sobre furacões desde que o diretor Jan de Bont filmou “Twister” em 1996. Em 2014 tivemos “No olho do tornado” e no ano passado o “Geostorm” com o Gerard Butler. Todos esses filmes cometem o mesmo tipo de erros, eles mostram pessoas andando normalmente no meio de ventanias capazes de carregar carros e caminhões. Algo que seria impossível na vida real. Durante uma tempestade de categoria 5, como a mostrada no filme, é impossível ficar de pé e pessoas podem ser arrastadas como se fossem pedaços de papel.

Mas a plateia desse tipo de filme só quer curtir as perseguições e não está nem aí para o realismo. Esta semana também tem o Festival Varilux do cinema francês, com filmes variados sendo exibidos em vários dias diferentes. É um tipo diferente de cinema, mais realista e sem o exagero das fitas americanas.

Por: Jorge Luiz Calife – jorge.calife@diariodovale.com.br


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. “Aqui os ladrões são os bandidos”?

    No outro filme as ladras não são bandidas?

Untitled Document