segunda-feira, 25 de junho de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / A volta da Bullock e a perseguição no furacão

A volta da Bullock e a perseguição no furacão

Matéria publicada em 7 de junho de 2018, 08:00 horas

 


“Oito mulheres e um segredo” é o segundo remake do clássico dos anos 60

Equipe: Sandra Bullock e suas bandidas

A semana cinematográfica só tem duas estreias dignas de nota: “Oito mulheres e um segredo” é o segundo remake daquele filme de assalto, com o cantor-ator Frank Sinatra, que fez sucesso em 1960. O original se chamou “Onze homens e um segredo” e foi refilmado com o George Clooney e o Brad Pitty em 2001. Nessas duas versões eram necessários onze homens para realizar o roubo do século, a versão feminina só tem oito mulheres. Elas devem ser mais eficientes do que os homens ou a mocinha só conseguiu juntar oito malucas que nem ela.

Para quem gosta de filme de ação tem “No olho do furacão”, que foi produzido pela mesma equipe da série “Velozes e furiosos”. E também é um filme sobre um assalto.

Mas comecemos pelo roubo das mulheres. No filme original, de 1960, Frank Sinatra era Danny Ocean, um ex-paraquedista que lutou na Segunda Guerra Mundial. Ele reunia seus antigos colegas de pelotão para realizarem o “assalto do século”. Eles pretendiam roubar milhões de dólares de cinco cassinos de Las Vegas, em uma única noite. O plano era consumar o crime sem violência, com a equipe de ladrões arrumando emprego nos cassinos e arrombando os cofres no meio da madrugada.

Mas o que fez de “Onze homens e um segredo” um clássico é que Frank Sinatra juntou um time de atores famosos, que eram amigos dele na vida real. Gente como Sammy Davis Júnior, Dean Martin, Peter Lawford e Cesar Romero – que ficou famoso, entre outras coisas por interpretar o Coringa na antiga serie de TV do Batman. Todos eram conhecidos por atuarem em seriados de TV e filmes e o público foi ao cinema não só para ver a trama, mas para curtir a atuação da “turma do Sinatra” num filme de assalto.

Na falta de ideias novas resolveram fazer uma nova versão, desta vez com um time de atrizes. Que inclui a cinquentona Sandra Bullock, a Anne Hathaway, e a Kate Blanchet. Ao contrário da turma do Sinatra, não acho que elas sejam amigas na vida real, mas são ótimas atrizes e parecem ter se divertido com a brincadeira. Sandra Bullock é Debbie Ocean, irmã do Dany da história original e junta seu time de “meninas superpoderosas” para realizar um roubo igualmente ousado durante um baile de gala que se realiza todo o ano em Nova York. Resta ver se a “turma da Sandrinha” vai ser tão carismática quando o pessoal do Sinatra.

Tempestade: Os ladrões e o furacão

“No olho do furacão” é uma mistura de filme de assalto, perseguição rodoviária e catástrofe. Aqui os ladrões são os bandidos e tentam assaltar, de forma violenta, um depósito de dinheiro do Tesouro Nacional dos Estados Unidos e resolvem fazer isso quando a região é atingida por um furacão de Categoria 5 – o maior que pode existir. A mocinha do filme é uma policial interpretada pela Maggie Grace, uma atriz que vem se especializando em filmes B de aventuras, como este aqui.

Ela recebe a ajuda de um meteorologista, Toby Kebell, que ficou na região para estudar a tempestade. O cinema americano vem fazendo filmes sobre furacões desde que o diretor Jan de Bont filmou “Twister” em 1996. Em 2014 tivemos “No olho do tornado” e no ano passado o “Geostorm” com o Gerard Butler. Todos esses filmes cometem o mesmo tipo de erros, eles mostram pessoas andando normalmente no meio de ventanias capazes de carregar carros e caminhões. Algo que seria impossível na vida real. Durante uma tempestade de categoria 5, como a mostrada no filme, é impossível ficar de pé e pessoas podem ser arrastadas como se fossem pedaços de papel.

Mas a plateia desse tipo de filme só quer curtir as perseguições e não está nem aí para o realismo. Esta semana também tem o Festival Varilux do cinema francês, com filmes variados sendo exibidos em vários dias diferentes. É um tipo diferente de cinema, mais realista e sem o exagero das fitas americanas.

Por: Jorge Luiz Calife – jorge.calife@diariodovale.com.br

Um comentário

  1. “Aqui os ladrões são os bandidos”?

    No outro filme as ladras não são bandidas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document