ÔĽŅ Ci√™ncia - As moradas do fogo - Di√°rio do Vale
segunda-feira, 20 de agosto de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Ciência РAs moradas do fogo

Ciência РAs moradas do fogo

Matéria publicada em 14 de junho de 2018, 08:37 horas

 


Vulc√Ķes ativos causam problemas em v√°rias partes do planeta

Perigo: A nuvem pirocl√°stica do Vulc√£o de Fogo

Os vulc√Ķes tem ocupado espa√ßo no notici√°rio h√° mais de duas semanas. Primeiro foi o Kilauea no Hava√≠, cujos derrames de lava destru√≠ram 600 casas na ilha principal do arquip√©lago. Apesar dos estragos n√£o houve mortes. J√° o Vulc√£o de Fogo, na Guatemala entrou em erup√ß√£o na semana passada e matou dezenas de pessoas. Porque o Kilauea n√£o matou ningu√©m enquanto o numero de mortes na Guatemala j√° passa de 20? Ser√° que √© porque a Guatemala √© um pa√≠s pobre? Nada disso. Trata-se de dois tipos diferentes de vulc√Ķes, um muito mais perigoso do que o outro.

Os vulc√Ķes havaianos, como o Kilauea, s√£o do tipo ‚Äúvulc√£o de escudo‚ÄĚ. Eles produzem uma lava fluida, quase sem gases ou cinzas, que flui pelo terreno ao redor de forma lenta. Assim as pessoas podem sair do caminho e os danos s√£o apenas materiais. J√° o Vulc√£o de Fogo √© um estratovulc√£o de um tipo semelhante ao do famoso Ves√ļvio na It√°lia. Vulc√Ķes desse tipo emitem grande quantidade de cinzas e nuvens de g√°s quente, que se movem a velocidade de 700km/h, assando suas v√≠timas antes que elas possam fugir.

As equipes de resgate na Guatemala falam que as v√≠timas do Vulc√£o de Fogo parecem ter virado ‚Äúest√°tuas de pedra‚ÄĚ o que dificulta a identifica√ß√£o. O que indica que aquelas pessoas foram mortas pela chamada ‚Äúnuvem pirocl√°stica‚ÄĚ, a forma mais terr√≠vel e mortal de fen√īmeno vulc√Ęnico.

A nuvem pirocl√°stica √© uma nuvem de cinzas e g√°s aquecido a mil graus de temperatura que desce do alto da montanha com uma velocidade de 700km/h. N√£o adianta correr, nem com um carro f√≥rmula 1 algu√©m conseguiria escapar da nuvem pirocl√°stica. Quando atinge uma pessoa ela arranca as roupas e a pele, cozinhando o indiv√≠duo quase instantaneamente com sua alta temperatura. Ent√£o as cinzas colam na carne e se solidificam, cobrindo os corpos com uma camada de mat√©ria dura. √Č por isso com os mortos por esse tipo de fen√īmeno parecem ter virado est√°tuas de pedra.

Felizmente n√£o temos vulc√Ķes no Brasil, isso acontece porque as ‚Äúmontanhas flamejantes‚ÄĚ s√≥ aparecem nos pontos de encontro das placas tect√īnicas. Como o cintur√£o de fogo do Pac√≠fico, do qual faz parte o territ√≥rio da Guatemala. Nosso planeta, a Terra, √© mais ou menos como uma laranja, onde o ch√£o s√≥lido, onde pisamos, √© a casca e o miolo da laranja √© um mar de fogo, o magma incandescente. Mas ao contr√°rio da fruta, a ‚Äúcasca da Terra‚ÄĚ √© formada por placas, como as se√ß√Ķes de uma bola de futebol. Onde essas placas escorregam umas de encontro √†s outras ocorrem terremotos e se formam vulc√Ķes.

A concepção popular de que um vulcão é uma montanha que solta fogo está equivocada. Na verdade é o vulcão que dá origem a montanha. Geralmente ele começa como uma fenda no solo plano de onde começa a sair lava e gases. A cada erupção a lava vai se acumulando e virando pedra até que, depois de milênios de atividade, forma uma montanha com mais de dois mil metros de altura.

Os vulc√Ķes havaianos, como o Kilauea, n√£o dependem da a√ß√£o das placas tect√īnicas. Eles se formam em cima de ‚Äúpontos quentes‚ÄĚ onde o magma fura a crosta da Terra, que √© mais fina no fundo dos oceanos. Como no caso dos vulc√Ķes continentais, as erup√ß√Ķes v√£o acumulando material que forma uma montanha no fundo do mar. Com o tempo a montanha se torna t√£o alta que chega a superf√≠cie do oceano, criando uma ilha vulc√Ęnica. Foi assim que nasceram as ilhas do Hava√≠.

Aqui na Terra n√£o tem jeito. Enquanto vivermos aqui, teremos que conviver com os vulc√Ķes. Mas para quem sonha em se mudar para Marte h√° uma boa not√≠cia, os vulc√Ķes marcianos est√£o todos extintos e l√° n√£o tem erup√ß√£o.

Por: Jorge Luiz Calife Рjorge.calife@diariodovale.com.br

Untitled Document