sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Exposição ‘Uma viagem ao passado’, em Resende, revela a riqueza do universo ferroviário

Exposição ‘Uma viagem ao passado’, em Resende, revela a riqueza do universo ferroviário

Matéria publicada em 5 de dezembro de 2017, 08:20 horas

 


Trabalhos podem ser conferidos a partir desta terça-feira

Resende – Viajar no tempo e reviver todo o esplendor econômico, social e cultural vivido pela região no século XIX, quando o progresso e o desenvolvimento corriam sobre os trilhos e não sobre o asfalto, assim como a chegada e a despedida das pessoas. É isso que promete a exposição “Memória Ferroviária de Resende – Uma viagem ao passado”, que a Secretaria Municipal de Indústria, Comércio, Turismo e Tecnologia abre nesta terça-feira, dia 5, ao meio-dia, no hall de entrada da antiga Estação Ferroviária, localizada na Praça da Bandeira, também conhecida como Praça do Trenzinho, em Campos Elíseos.

A exposição, que terá caráter permanente, tem por objetivo resgatar a importância histórica que a Estrada de Ferro Dom Pedro II teve não só para Resende como para toda a região, quando começou a operar em fevereiro de 1873. Recheada de histórias, a exposição conta com fotografias, objetos de época, como uma lanterna ferroviária utilizada para orientar os maquinistas sobre quando parar ou seguir em frente, além de um filme em preto e branco, que mostra a chegada do primeiro grupo de cadetes vindo da Escola Militar do Realengo para a Academia Militar das Agulhas Negras, em 1946.

A mostra, que trará muitas informações para moradores e turistas, pode ser visitada diariamente, inclusive aos sábados e domingos. De acordo com o secretário municipal de Indústria, Comércio, Turismo e Tecnologia, Raphael Gattás, ela é mais uma ação da prefeitura visando transformar a Praça do Trenzinho e o prédio da Estação Ferroviária, com sua rica arquitetura, em um espaço cultural, com opções para todos os públicos. No local, lembra Gattás, já são desenvolvidos os seguintes eventos: Happy Hour do Trenzinho, feira de artesanato e de hortifruti, além de exposições de pintura.

– Quando nos instalamos neste prédio, em maio deste ano, percebemos que o local era apropriado para a realização de eventos e atividades culturais, e que deveríamos, imediatamente, tomar medidas para a preservação da memória ferroviária, que é muito rica e importante para a região. A partir daí, começamos a reunir fotos, peças e todo material de época que conseguimos localizar, resgatando assim a memória ferroviária e dando corpo a esta exposição que é uma verdadeira viagem no tempo – comentou o secretário.

Estação

Construída em estilo art déco e inaugurada em 12 de dezembro de 1937, o prédio da Estação Ferroviária de Resende como é conhecido hoje foi construído em substituição ao original, datado de 1873. Além de escoar a produção nacional e proporcionar a integração das províncias do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, a Estação Ferroviária serviu de apoio para a transferência do Colégio Militar, que ficava em Realengo, no Rio de Janeiro, para Resende onde foi construída a Academia Militar das Agulhas Negras.

 

Serviço

A exposição ‘Memória Ferroviária de Resende – Uma viagem ao passado’ terá caráter permanente e pode ser conferida de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e aos fins de semana das 9h às 14h, no hall de entrada da antiga Estação Ferroviária, localizada na Praça da Bandeira, também conhecida como Praça do Trenzinho, em Campos Elíseos, Resende.

3 comentários

  1. liberdade e propriedade

    Que legal essa foto da estação, ainda não tinha visto essa, ainda sem o trenzinho, amo o Art Deco. Aliás as cores atuais da estação são feias. Arvores são fundamentais, mas se mal posicionadas tapam os monumentos, a estação hoje em dia está invisível atrás das arvores. Belas amostras resendenses de Art Deco, a estação e o Cine Vitória.

    Quando vão reformar o antigo armazém atrás da estação? E também a estação de Engenheiro Passos, que implora para sobreviver.

    • essa de engenheiro passos está em estado deplorável mesmo, fiquei indignado quando construriram uma passarela bem em frente tampando-a parcialmente.

  2. Seu Ademar Valim tinha o hotel Valim, para receber militares, morreu com 88 anos.
    Deve ser de família viver tanto, já que um dos seus filhos está vivo com 92.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document