sexta-feira, 20 de julho de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / O filme de Star Wars que ninguém viu

O filme de Star Wars que ninguém viu

Matéria publicada em 17 de maio de 2018, 07:45 horas

 


Roteiro original de George Lucas era bem diferente

Partida: Nossos heróis embarcam na Millenium Falcom

Duelo: Starkiller enfrenta Vader

Perigo: A nave chega na cidade nas nuvens

 

Prisão: A cidade nas nuvens, guardada pelos caças Tie

 

“Solo: Uma história de Star Wars” tem sua pré-estreia no Brasil esta semana. É mais uma aventura passada naquela galáxia, muito, muito distante, que o cineasta George Lucas criou na década de 1970.

Desde que comprou os direitos sobre a franquia de Guerra nas Estrelas, a Disney está tentando extrair até o último centavo do universo dos Jedis e do Império Galático, mas existe uma aventura da saga que ninguém viu, porque simplesmente nunca foi filmada. É o roteiro original, que Lucas escreveu em 1975 e que acabou sendo modificado e alterado até virar “Uma nova Esperança” o filme que o mundo acabou vendo em 1977.

Em 1975, Lucas estava decepcionado com a impossibilidade de filmar um de seus projetos. Ele queria fazer uma versão moderna dos seriados do Flash Gordon, com efeitos especiais de última geração. Infelizmente o poderoso King Features Syndicate, dono dos direitos sobre o Flash, não confiou num cineasta emergente para levar seu maior herói para as telas. E disse não para o George Lucas.

Frustrado, Lucas confidenciou ao seu amigo, Francis Ford Copolla, que ia criar “seu próprio Flash Gordon”. Não é coincidência que Luke Starkiller, o herói imaginado por Lucas é loiro como o Flash dos quadrinhos. Luke é um rapaz que sonha com grandes aventuras, costuma frequentar um bar ou cantina onde os pilotos espaciais se reúnem para tomar uns drinques e falar de suas aventuras.

Luke tem dois amigos inseparáveis. Fixer, que é capaz de consertar qualquer coisa e sua irmã Cammie Loneozer, uma jovem de cabelos negros, bem parecida com a princesa Leia que todos conhecemos. Durante uma de suas reuniões na cantina, os três jovens são abordados por um velho guerreiro que procura voluntários para uma missão muito difícil. Libertar uma jovem princesa que se encontra aprisionada em uma “cidade nas nuvens”. Os jovens embarcam na aventura junto com um piloto mercenário, que é dono da nave mais rápida da galáxia.

A essa altura da história os robôs R2E2 e C3PO ainda não tinham sido criados pelo autor. Fixer ia exercer a função que seria desempenhada mais tarde pelo R2D2, ou seja, a do mecânico genial que conserta qualquer defeito na nave nas piores situações.

Tentando vender a ideia para os estúdios, o cineasta pediu ajuda ao modelista britânico Colin Cantwell para criar as espaçonaves da saga. Para a nave do mercenário Han Solo, Cantwell criou uma nave linear, com um conjunto de onze poderosos motores na cauda. Lucas passou o modelo criado por Cantwell para o ilustrador Ralph McQuarrie, que fez as pinturas de pré-produção do filme, são as imagens coloridas que ilustram esta página. Infelizmente Lucas acabou achando que a nave era muito parecida com as Eagles do seriado britânico “Space 1999” e o modelo acabou virando o Blockade Runner da princesa Leia.

Solo já tinha um copiloto símio, que não era tão peludo quanto o Chewbacca, mas que aparece nesses primeiros esboços da produção. A bordo desta primeira versão do Millenium Falcon, nossos heróis viajam até a prisão, na cidade nas nuvens, onde enfrentam o diretor Ciborgue que depois se transformaria no Darth Vader. Repare na ilustração que a cidade nas nuvens aparece cercada de caças Tie, diferente da versão posterior, mostrada em “O império contra-ataca”.

O papel de Cammie Loneozer foi dado à atriz pornô inglesa Koo Stark. Que ficou famosa por ter um caso com o príncipe Andrew na década de 1970. Ela chegou a aparecer em algumas cenas, que acabaram sendo deletadas da versão final. E o emprego de seu irmão Fixer acabou sendo tomado pelo R2D2. Seria interessante se a Disney transformasse esta versão perdida de Star Wars num desenho animado, mas não importa graças à arte de Ralph Macquarie podemos ver como teria sido.

Jorge Luiz Calif

jorge.calife@diariodovale.com.br

Untitled Document