domingo, 23 de setembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / O melhor do faroeste

O melhor do faroeste

Matéria publicada em 19 de março de 2018, 12:54 horas

 


Filmes épicos estão disponíveis em DVD e na internet; gênero já foi um dos mais importantes do cinema

Em tempos de bangue-bangue nada melhor do que um bom filme de faroeste para curtir com a família e os amigos. O gênero já foi um dos mais importantes do cinema, mas hoje anda meio esquecido. Substituído pelos filmes de super-herói e pelas guerras e jornadas nas estrelas, que contêm muito mais mentiras por minuto do que qualquer saga dos antigos cowboys. Quando se fala em faroeste as pessoas pensam logo em ação, cavalgadas, tiroteios, duelos ao pôr-do-sol. Mas o Western também produziu filmes de uma beleza plástica inesquecível, que merecem ser revistos. Principalmente se o leitor tiver um daqueles telões de alta definição e um reprodutor de discos Blu-ray.
Um dos mais bonitos westerns já feitos foi “Rastros de Ódio” (The Searchers), do mestre John Ford. Filmado em 1956 com o novo sistema Vistavision de tela ampla, o filme tem um elenco clássico que inclui John Wayne, Jeffrey Hunter e Nathalie Wood em uma trama de vingança e redenção. John Wayne, o maior cowboy do cinema, é Ethan Edwards, um veterano da guerra civil americana que retorna ao seu rancho no Texas esperando rever sua família. Mas o rancho foi atacado pelos índios Comanches que raptaram sua sobrinha Debbie (Nathalie Wood). Ele sai em uma jornada para resgatá-la, atravessando o deserto do Arizona e as vastidões geladas do Canadá. Com um ódio profundo contra os índios, Ethan descobre que a jovem raptada aderiu a cultura indígena e se tornou mais índia do que americana.
Destaque para a fotografia espetacular, nos cenários do Monument Valley, com suas torres de arenito esculpidas pelos ventos. Outro filme que dá destaque aos belos cenários do oeste americano é “A Conquista do Oeste”, de 1962. Um épico de duas horas e meia de duração rodado em Cinerama (que foi o antecessor do atual sistema Imax de tela gigante). O filme se propõe a contar a história da colonização do oeste americano pelos europeus, em segmentos: as planícies, os rios, os fora da lei, a guerra civil e a ferrovia. Quatro diretores trabalharam na produção, incluindo os mestres John Ford e Henry Hathaway. O elenco inclui astros como James Stewart, John Wayne, Debbie Raynolds e Gregory Peck.
“A Conquista do Oeste” tem tudo o que se espera de um faroeste: índios, bandidos, assaltos contra o trem “Maria fumaça” e o estouro dos búfalos. Nas primeiras cópias lançadas em DVD era possível ver a divisão de tela provocada pelas três câmeras do Cinerama. Mas isso já foi digitalmente corrigido nas versões em Blu-ray. Outro filme que explora bem os cenários fantásticos do Arizona é “O Ouro de Mackenna” de J Lee Thompson com Gregory Peck, o egípcio Omar Sharif e Telly Savallas, o Kojak da televisão. A trama envolve uma mina de ouro cuja localização é conhecida apenas pelo xerife Mackenna. Ele é raptado por bandidos que querem a localização do tesouro. O problema é que a tal mina fica em terras indígenas em um desfiladeiro muito perigoso. A cena em que a luz do sol reflete no topo de montanha indicando a localização do Canyon secreto foi copiada no filme do Indiana Jones.

Elemento

Um elemento importante em qualquer filme de faroeste é a música. O faroeste italiano “O bom, o mau e o feio” deve metade de sua fama ao tema composto pelo maestro Ennio Morriconi. No YouTube vocês podem ver uma bela interpretação da música deste western pela Orquestra Sinfônica da Dinamarca (https://www.youtube.com/watch?v=KkM71JPHfjk). Pessoalmente prefiro o tema mais moderno que Neil Heft compôs para outro clássico do faroeste, “Duelo em Diablo Canyon”, que Ralph Nelson dirigiu em 1966. O elenco tem o James Garner, Sidney Poitier e a loira sueca Bibi Anderson enfrentando um ataque dos índios Apaches nos desfiladeiros do Colorado. Sidney Poitier foi o segundo cowboy negro do cinema e era um dos astros mais famosos da década de 1960. É outro filme rodado em Monument Valley, em Utah.

 

Por Jorge Luiz Calife
jorge.calife@diariodovale.com.br

Um comentário

  1. Bons filmes! The Searchers é considerado um dos melhores filmes de todos os tempos pela crítica especializada e pelos cineastas do mundo.

Untitled Document