sábado, 17 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Lazer / Todos os dinossauros do cinema

Todos os dinossauros do cinema

Matéria publicada em 18 de junho de 2018, 08:56 horas

 


O melhor das criaturas pré-históricas esta disponível em DVD e Blu Ray

Colorido: Dinosauro! Foi o primeiro dino a cores.

Os dinossauros voltaram a dominar os cinemas com a estreia de Jurassic World: Reino
Ameaçado. Um filme que se beneficia de todas as descobertas da paleontologia nos últimos
trinta anos. Hoje sabemos que os dinossauros eram coloridos, alguns tinham até penas como
os pássaros e não eram animais cinzentos, burros e anfíbios como o cinema pensou no século
passado. Alguns como os maiassauros faziam ninhos e protegiam os filhotes, e os
velociraptores caçavam em grupos, se comunicavam entre si e eram muito inteligentes.
O cinema anda apaixonado pelos dinossauros há mais de um século, um dos primeiros filmes
com dinossauros foi “O mundo Perdido” rodado em 1925 pelo cineasta Harry O. Hoyt. O filme,
mudo e em preto e branco, era uma adaptação do romance clássico de sir Arthur Conan Doyle
sobre uma meseta, cheia de dinossauros situada na Amazônia. Doyle ficou impressionado com
as escarpas do Monte Roraima e imaginou animais pré-historicos vivendo no platô no topo da
montanha.
Em 1925 não existiam computadores nem efeitos digitais e a equipe do filme usou uma técnica
chamada “stop motion”. Os dinossauros são bonecos de massa montados sobre um esqueleto
de metal, que são filmados quadro a quadro. Pode parecer primitivo mas funcionou, e foi usado
para criar alguns dos seres de “O império contra-ataca”, o segundo filme de Star Wars em
1980. O sucesso de “O mundo perdido” levou outro cineasta, Merian C.Cooper, a rodar o
clássico “King Kong” em 1933, já com som para torturar os ouvidos da plateia com os berros da
mocinha. O filme copia a ideia do Mundo Perdido, só que desta vez os dinossauros vivem em
uma ilha remota da Ásia. Numa das cenas do filme o macaco gigante, King Kong, luta com um
Tiranossauro Rex.

Mundo Perdido: Os dinossauros já faziam sucesso em 1925.

King Kong vem sendo refilmado até hoje, mas só as versões de 2005 e 2017 tem dinossauros
no elenco. Depois do King Kong o cinema só voltou a fazer um filme de dinossauro vinte anos
depois em 1953, com “O monstro do mar”, uma adaptação de um conto do escritor Ray
Bradbury, “A buzina de nevoeiro”. No filme um dinossauro que passou milhões de anos
congelado no Ártico é despertado por uma explosão atômica e aterroriza a cidade de Nova
York. O filme fez tanto sucesso no Japão que os japoneses criaram o “Godzila”, que é uma
mistura de dinossauro e dragão.
Todos esses filmes, de 1925 a 1953 eram em preto e branco, baixo orçamento e usavam a
técnica dos bonecos de stop motion. O primeiro filme colorido de dinossauro só chegou aos
cinemas em 1960 com “Dinossauro” de Irwin S. Yearworth com Ward Ramsey e a loira e
Kristina Hanson. Desta vez dois dinossauros, um tiranossauro e um brontossauro, são
descongelados e atacam uma ilha do Caribe. A cena de abertura inspirou o “Tubarão” do
Spielberg. A loira de maiô branco mergulha no mar e desmaia ao se ver cara a cara com o
tiranossauro.
Repare que no pôster o tiranossauro segura a loira nas garras que nem o King Kong de 1933.
No mesmo ano o famoso produtor Irwin Allen (De Viagem ao fundo do mar), rodou um remake
de “O mundo perdido” com animais vivos de verdade, mas como não existem dinossauros na
época atual ele usou lagartos iguanas maquilados e quase foi processado por crueldade com
os animais. Como se não bastasse Allen usou cenas deste filme em todos os seus seriados de
televisão, de Perdidos no Espaço ao Túnel do Tempo.
A era moderna dos dinossauros começou em 1993, quando Steven Spielberg adaptou para o
cinema o romance “Parque dos dinossauros” do escritor Michael Chrichton. Crichton usou dois
temas populares na época, a clonagem e os dinossauros para criar sua aventura passada em
uma ilha da Costa Rica. E as continuações permanecem até hoje.

por: Jorge Luiz Calife


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document