quarta-feira, 23 de agosto de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Mosaico / Contra o roubo de cargas

Contra o roubo de cargas

Matéria publicada em 17 de maio de 2017, 20:59 horas

 


alerj

A Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), presidida pela deputada Martha Rocha (PDT), apresentou 14 propostas para reduzir o roubo de cargas, em reunião com o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, nesta quarta-feira (17), em Brasília.

***

O ministro afirmou que o Governo Federal vai analisar as sugestões e que o assunto é uma das prioridades da pasta.

***

Entre as medidas, estão o aumento da pena para o crime de receptação, reforço no efetivo da Polícia Rodoviária Federal (PRF), novas fontes de recursos para as forças de segurança e a criação da Divisão de Repressão a Roubos e Furtos de Cargas.

***

O documento de 150 páginas foi elaborado após audiência pública da comissão que discutiu o tema em abril.

***

De acordo com Serraglio, o Secretário Nacional de Segurança Pública, general Carlos Alberto dos Santos Cruz, será o responsável por definir se já há medidas que podem ser colocadas em ação. Santos Cruz se reunirá com os parlamentares fluminenses em breve.

 

Sugestão

Martha Rocha sugeriu também que seja criado um cadastro de policiais civis e militares do Rio de Janeiro que possam atuar na Força Nacional de Segurança. “A ideia é que a União pague o Regime Adicional de Serviço (RAS) desses policiais, que conhecem melhor a realidade do Rio, e não gaste com diárias de agentes de outros estados, como acontece hoje”, afirmou a parlamentar.

 

Resultado

Para o deputado Carlos Osorio (PSDB), o resultado do encontro é positivo. “Conseguimos colocar com clareza questões objetivas e notamos a boa vontade do Ministério em receber nossas sugestões. Com relação ao efetivo da PRF, já há trabalho nessa direção e estão tentando viabilizar orçamento para um número a mais”, disse. Também estiveram na reunião os deputados Zaqueu Teixeira (PT), Iranildo Campos (PSD) e Flávio Bolsonaro (PSC).

 

Empacotando

Supermercados e hipermercados poderão ser obrigados a disponibilizar empacotadores nos caixas para idosos, pessoas com deficiência, gestantes e pessoas com crianças de colo. É este o objetivo do projeto de lei 2.527/13, dos deputados Gilberto Palmares (PT) e Fábio Silva (PMDB), aprovado na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) nesta quarta-feira (17), em primeira discussão. A proposta será votada ainda em segunda discussão.

 

Multa

Em caso de descumprimento, o infrator poderá arcar com multa de 10 mil UFIR, quase R$ 32 mil, dobrada em caso de reincidência. Segundo os deputados, a medida pretende tornar as compras de pessoas com mobilidade reduzida mais ágeis e seguras. “Em alguns casos, a condição física impede que o indivíduo coloque suas compras nas sacolas sozinho. Já vi, por exemplo, idosos no supermercado cheio de sacolas, com dificuldades porque não havia alguém para ajudar”, disse Gilberto Palmares.

 

Antimanicomial

Na manhã desta quarta (17), quem passou pela Praça Luiz Gonzaga, no Centro  de Pinheiral, pode conferir os trabalhos confeccionados pacientes atendidos no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), da Secretaria de Saúde, da Prefeitura Municipal de Pinheiral além de participar de rodas de conversa e música. A ação marcou o Movimento da Luta Antimanicomial na cidade que contou com o tema “Para cuidar, não precisa excluir”.

 

Dinâmica

O evento contou ainda com uma dinâmica com pacientes e profissionais que debateram sobre a época em que a internação era comum e sobre as experiências que tiveram nessa ocasião. Todos os pacientes foram enfáticos ao destacar que atualmente o tratamento junto ao CAPS é muito melhor. A coordenadora do CAPS, Angélica Zeni, afirma que o tratamento humanizado e o convívio familiar são o melhor caminho para o tratamento.

 

Objetivo

“Essa ação visou informar à sociedade que devemos mudar o atendimento em saúde mental. Mudarmos o conceito para um modelo mais humanizado com foco no convívio familiar e na comunidade, respeitando os direitos a liberdade e o fortalecimento a rede extra-hospitalar, por isso a criação do CAPS”, disse.

Untitled Document