sexta-feira, 19 de outubro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Mosaico / Verbas para Vassouras

Verbas para Vassouras

Matéria publicada em 8 de maio de 2018, 20:19 horas

 


Na manhã da última segunda-feira, dia 7, o deputado federal Alexandre Serfiotis se reuniu com o prefeito de Vassouras, Severino Dias, o vice-prefeito Thomaz Rocha, o chefe de Gabinete da Prefeitura, Leonardo Miranda, equipe de Governo, e o presidente da Câmara Municipal, vereador Sandrinho Delgado, para levantar necessidades do município nas áreas da saúde, educação, transporte, infraestrutura, saneamento básico, estradas e segurança pública.

***

No encontro, que ocorreu na sede da Prefeitura, o deputado federal ouviu as demandas apresentadas e se comprometeu em levá-las para a Câmara dos Deputados, em Brasília (Distrito Federal), onde trabalhará para conseguir colocá-las em pauta, através de suas emendas parlamentares ou de incluí-las no orçamento dos ministérios.

***

“O meu papel como deputado federal é trabalhar para conseguir recursos para obras e serviços que beneficiem a população. Com apoio dos municípios, como acontece em Vassouras, nossa chance de acertar é muito maior”, afirma Serfiotis.

***

Desde o início de seu mandato, o deputado realiza o trabalho parlamentar semanalmente em Brasília e mantém sua agenda de visitas aos municípios fluminenses, estando com regularidade em contato com os prefeitos entre outros agentes públicos municipais.

***

“Nosso mandato está focado no estado do Rio, por isso já conseguimos a destinação de mais de R$ 60 milhões em recursos federais para o interior fluminense”, conta.

 

Prisão revogada

O Tribunal de Justiça revogou a prisão do ex-vereador resendense Jeremias Casemiro, o Mirim, que era considerado foragido. Mirim era o presidente da Câmara Municipal de Resende quando o Ministério Público do Estado do Rio deflagrou a Operação Betrug, que levantou suspeitas de irregularidades em contratações efetuadas pelo Legislativo. Além de Mirim, também foram investigados e afastados de seus cargos os ex-vereadores Bira Ritton e Kiko Besouchet.

 

LDO I

Por quatro votos a três, a Comissão de Orçamento da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou o parecer prévio favorável ao projeto de lei 3.993/18, de autoria do Poder Executivo, que define as diretrizes para a elaboração do orçamento referente ao próximo ano, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A previsão do governo é que o Estado do Rio tenha um déficit orçamentário de R$ 5 bilhões em 2019, com uma receita líquida de R$ 60 bilhões e despesas de R$ 65 bilhões. A votação aconteceu nesta terça-feira (08/05).

 

LDO II

O presidente da comissão, deputado Gustavo Tutuca (MDB), explicou que essa votação inicial é somente para a admissibilidade do projeto pela Alerj. “Quanto à parte técnica, a proposta alcança todos os pré-requisitos para tramitar no parlamento. É importante ressaltar que essa é só a primeira etapa da proposta. O projeto ainda será discutido pelos deputados, que poderão fazer emendas para melhorar o texto”, declarou Tutuca, que foi o autor do parecer prévio favorável à proposta. Ele também explicou que as diretrizes orçamentárias não contemplam números exatos para o orçamento de 2019. A Lei Orçamentária Anual (LOA) só é apresentada à Alerj pelo governo no segundo semestre.

 

LDO III

Além de Tutuca, foram favoráveis à admissibilidade do projeto os deputados Chiquinho da Mangueira (PSC), Rosenverg Reis e Rafael Picciani, os dois últimos do MDB. “Quero registrar que não votei favorável ao governo, e sim ao projeto. Sei que o Executivo ainda precisa ter mais responsabilidade e compromisso com o estado. Mas agora poderemos fazer os ajustes ao projeto durante a tramitação da Casa”, afirmou Picciani.

 

Votos contrários I

O deputado Luiz Paulo (PSDB) foi autor de um parecer contrário à admissibilidade do projeto pela Alerj. Segundo o parlamentar, o texto é incompleto e não aborda aspectos importantes como o combate à sonegação fiscal e a metodologia para calcular a receita do Imposto sob Circulação de Mercadorias (ICMS).Luiz Paulo também se mostrou preocupado com o endividamento do Rio. Ele acredita que mesmo com uma previsão de melhora na arrecadação dos royalties do petróleo, o governo terá que pagar à União R$ 19 bilhões por ano a partir de 2025. “A dívida consolidada do Executivo ao fim do ano passado era de R$ 137 bilhões, um aumento de 26,9% em relação à 2016. Esse valor, que já é muito alto, aumentará muito com todos os empréstimos que o Estado está contraindo ao longo deste ano, como a operação de crédito decorrente da venda da Cedae. Depois dos primeiros três anos de vigência do Plano de Recuperação Fiscal, teremos que pagar a dívida anual total, que chegará a R$ 19 bilhões por ano em 2025. No futuro, nosso orçamento será apenas para pagar pessoal e dívida”, lamentou.

 

Votos contrários II

Também votaram contrários ao projeto os deputados Comte Bittencourt (PPS) e Gilberto Palmares (PT). Na opinião de Comte Bittencourt, que é presidente da Comissão de Educação da Casa, o projeto é uma peça de ficção, sem metas claras para o orçamento fluminense. Ele declarou que o Governo do Rio ainda tem muitos restos a pagar dos anos anteriores. “Só na área da Saúde o Estado tem que pagar R$ 6,2 bilhões. Na Educação são R$ 2,7 bilhões. Esses dados não estão corretamente contemplados neste projeto, que não têm metas responsáveis”, disse Bittencourt.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document