sábado, 25 de novembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Polícia / Defensoria pede condenação do estado e de empresa por ataque a caiçaras

Defensoria pede condenação do estado e de empresa por ataque a caiçaras

Matéria publicada em 12 de agosto de 2017, 15:40 horas

 


Irmãos foram alvos de disparos de seguranças, sendo que um deles morreu; crimes ocorreram em 2016

Paraty – A Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (DPRJ) entrou na Justiça com uma ação de responsabilidade civil na qual pede, entre outras medidas, a condenação do estado e da empresa Trindade Desenvolvimento Territorial (TDT) a pagar indenização por danos morais de mil salários mínimos à mãe de dois caiçaras vítimas das disputas de terra em Paraty.

Surpreendidos por dois policiais militares que faziam a segurança particular da empresa – e pela alegação de que a área onde estavam pertencia à companhia –, os irmãos foram alvos de disparos, sendo que um deles morreu.

A ação protocolada na Vara Única de Paraty também pede a condenação do estado e da TDT ao pagamento de pensão mensal à mãe dos caiçaras no valor de 1/3 do salário mínimo até a data em que Jaisson Caique Sampaio dos Santos, morto aos 23 anos, completaria 25. A partir daí, o valor seria reduzido para 1/6 e a pensão continuaria a ser paga até a data em que o jovem atingiria a idade correspondente à expectativa de vida do brasileiro.

Já exclusivamente para o estado, a Defensoria Pública pede ainda como condenação o pedido de desculpas pelo ocorrido com os irmãos e em jornal de grande circulação, na página oficial do governo e em entrevista coletiva convocada para essa finalidade. Além disso, a instituição quer que sejam submetidos a curso de reciclagem todos os policiais militares lotados no 33º BPM e designados para serviço de policiamento ostensivo e para atividades externas com armas de fogo.

Deverá ainda o estado providenciar aos policiais do 33º BPM cursos sobre direitos humanos, inclusive com a exposição dos direitos das comunidades caiçaras, quilombolas e indígenas. E não é só: a ação inclui o pedido de condenação do estado a homenagear Jaisson, seja nomeando ou renomeando equipamento, bem ou prédio público com o nome dele.

– A disputa de terras ali é muito antiga e perdura desde que a cidade se tonou acessível pela Rodovia Rio Santos, tendo sido o caso dos irmãos mais um episódio inadmissível de violações de direitos. Por isso pedimos a responsabilização do estado e da empresa na área cível e também estamos habilitados como assistente de acusação na ação penal, ou seja, vamos auxiliar o Ministério Público na acusação – destaca a defensora pública Paula Benette, atuante no caso.

Vítimas exerciam atividades caiçaras

A ação dos policiais militares aconteceu no dia 2 de junho de 2016 e revoltou a comunidade local, que até hoje protesta pela morte de Jaisson e pela tentativa de homicídio praticada contra o irmão dele no bairro Trindade, em frente à Praia Brava, na área de lavoura onde os dois habitavam e onde exerciam atividades tipicamente caiçaras. Entre elas, o plantio e a colheita para subsistência.

De acordo com a ação judicial, os irmãos, desarmados, foram surpreendidos por volta das 11h45 pelos policiais que, fora do exercício da função, estavam atuando como seguranças particulares da TDT “com a incumbência de amedrontar a população caiçara local e para que a empresa pudesse se apossar das terras”.

Em seguida, ”ao invadirem a residência, os policiais militares deram ordem para que os jovens saíssem, alegando que o imóvel seria derrubado. Ao indagarem sobre eventual mandado judicial neste sentido, as vítimas passaram a ser agredidas, culminando com disparos de arma de fogo na direção dos mesmos, o que levou ao falecimento de Jaisson”.

Untitled Document