sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Plantão da redação / Homem preso, em Volta Redonda, aplicou mais 50 golpes, apenas em Santa Catarina

Homem preso, em Volta Redonda, aplicou mais 50 golpes, apenas em Santa Catarina

Matéria publicada em 7 de dezembro de 2017, 09:50 horas

 


Suspeito de integrar quadrilha de clonagem de cartões de créditos, provocaram prejuízos estimados em R$ 200 mil

Volta Redonda-Florianópolis –  O delegado Pedro Paulo Simão da Rocha, da Delegacia da Polícia Federal de Volta Redonda,  descobriu que  Adriano Almeida Neri, é suspeito de integrar uma quadrilha de clonagem de cartões de crédito, que aplicou mais de 50 golpes conhecido como “Posso Ajudar”, apenas na região da Grande Florianopólis, em Santa Catarina. A ação do grupo provocou um prejuízo, estimado pela PF, superior a R$ 200 mil. Adriano foi preso na quarta-feira (06), quando estava hospedado em um hotel, na Vila Santa Cecília, em Volta Redonda.

A prisão do suspeito foi parte da Operação Fake Phone, deflagrada pela Polícia Federal de Santa Catarina, com o objetivo de prender membros de uma organização criminosa , a qual Adriano pertencia e já tinha, inclusive, mandato de prisão decretado contra ele.  A quadrilha atuava em agências bancárias, aplicando o golpe conhecido como “Posso Ajudar?”, onde o grupo roubava senhas de clientes.

Outras cinco pessoas, também acusadas de pertencerem ao bando, foram presas, na quarta-feira (06), em São Paulo. Até a tarde de ontem – quarta-feria (06) – Adriano continuava na cela da PF de Volta Redonda, onde aguardava transferência para a PF de  Florianópolis.

De acordo com a PF, foram identificadas transações fraudulentas em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná, principalmente na Caixa Econômica Federal. A quadrilha é de São Paulo, mas migrava para o Sul do país, para aplicar o golpe.

– Os investigados instalavam nas agências dispositivos, para travamento de cartões nos terminais de autoatendimento, assim com um aparelho telefônico de 0800 falso, eles obtinham as senhas bancárias dos clientes. De posse destas informações, os valores pertencentes às vítimas, eram sacados ou transferidos para contas de ‘laranjas” –  explicou a Polícia Federal, em nota emitida à imprensa.

Um comentário

  1. A”tirinha” abaixo da manchete está errada, meus caros do DV. Observem o erro de concordância, por favor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document