sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Após anúncio de Trump, Hamas convoca palestinos para começar terceira Intifada

Após anúncio de Trump, Hamas convoca palestinos para começar terceira Intifada

Matéria publicada em 7 de dezembro de 2017, 15:36 horas

 


Jerusalém – O chefe político do movimento islamita Hamas, Ismail Haniyeh, convocou nesta quinta-feira (7) os palestinos a começar uma terceira Intifada, depois do reconhecimento na quarta-feira do presidente americano, Donald Trump, de Jerusalém como capital de Israel. O termo Intifada vem do árabe e significa levante ou revolta. Se refere às manifestações palestinas contra a política de expansão de Israel na região. As informações são da EFE.

“Amanhã, sexta-feira, 8 de dezembro será um dia de ira e o começo de uma nova Intifada chamada Libertação de Jerusalém”, disse o líder islamita em entrevista coletiva na Cidade de Gaza.

Para Haniyeh, “a decisão de Trump marca o final de uma fase política e significa um ponto de inflexão histórica para a causa palestina”.

“Afirmamos que Jerusalém está unida, não é oriental nem ocidental, e vai continuar sendo a capital da Palestina, de toda a Palestina”, declarou o dirigente do Hamas, que enfatizou “Trump se arrependerá da sua decisão”.

Haniyeh pediu uma reunião com todas as partes palestinas para discutir a situação atual e acertar as medidas políticas a serem tomadas diante dos eventos.

“Devemos tomar decisões, formular políticas e desenvolver uma estratégia para nos opor ao novo complô em Jerusalém e na Palestina”, declarou o dirigente.

Por outro lado, segundo declarou em entrevista coletiva o primeiro-ministro palestino, Rami Hamdala, que chegou a Gaza na manhã de hoje, “Jerusalém é a capital da Palestina”, e segundo ele, este fato é mais importante que qualquer ação ou decisão que se possa tomar a partir dos EUA.

Desde a declaração de Trump, a Organização para a Libertação da Palestina (OLP) rejeitou os EUA como mediador para o processo de paz na região.

Hamdala disse em entrevista coletiva que se oporá à decisão de Trump com união nacional. Segundo o primeiro-ministro, “a Palestina voltará às fronteiras de 1967 com Jerusalém como capital”.

Israel

O Exército de Israel posicionou “uma série de batalhões” na Cisjordânia após as declarações de Trump. “O desdobramento de batalhões assim como de unidades de combate de inteligência e de defesa territorial respondem à preparação do Exército para possíveis desenvolvimentos dos eventos”, diz um comunicado do Exército.

2 comentários

  1. Deixa de loucura cara, enquanto a guerra que sempre vcs começam morre um judeu em contra partida morre 200 palestino. Deseja fazer guerra faça mas que vcs vão na frente dos suicidas quem sabe assim tomam juízo.

  2. Saulo da Prefeitura

    Esse povo palestino gosta de uma guerra! Estavam doido em busca de um motivo: agora tem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document