sábado, 25 de novembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Esporte / Aulas de muay thai e boxe caem no gosto do público feminino

Aulas de muay thai e boxe caem no gosto do público feminino

Matéria publicada em 21 de outubro de 2017, 16:45 horas

 


Mulheres descobriram o poder da luta para perder calorias; academias da região estão com turmas lotadas para as modalidades

Barra Mansa – O calor chegou e, com ele, o desejo das mulheres de chegarem à estação mais quente do ano com o corpo em forma. Somada aos cuidados com a alimentação, a grande aliada do público feminino, no momento, vem sendo as modalidades de lutas oferecidas nas academias como, muay thai e boxe. As atividades caíram no gosto das mulheres e, hoje, academias da região têm turmas lotadas de “meninas” dominando o tatame.

Proprietário de uma academia em Barra Mansa, o professor de Educação Física, Gabriel Rezende Dotta, conta que a procura pela luta por mulheres aumentou muito nos últimos cinco anos. Segundo ele, é possível afirmar que hoje o público feminino para essas atividades chega a ser até 30%, com relação a esse período.

– A procura aumentou tanto que temos turmas com mais mulheres do que homens, inclusive. Os motivos que vêm despertando o interesse do público feminino são vários: Além de entrar em forma, porque é uma atividade muito dinâmica e que queima muitas calorias, as mulheres aprendem a se defender e ainda aliviam o estresse em um momento de extravasar”, observa Dotta, ao acrescentar que a academia também possui turmas de kickboxing e o taekwondo, que seguem a mesma tendência.

De acordo com a professora de Educação Física, Nilcéa Lopes dos Santos, que dá aulas de muay thai em uma academia de Barra Mansa, além de oferecer o emagrecimento como benefício, a luta também vem sendo a  principal opção para as mulheres por ajudar na definição do corpo. “As aulas são bem dinâmicas, indo desde um bom aquecimento, alongamento até chegar ao nível técnico, que é quando as alunas aprendem a luta, em si, envolvendo socos, chutes, joelhadas, uso do cotovelo e até mesmo a técnica de combate que fica bem a critério de cada uma”, explicou Nilcéa.

Segundo ela, agora com a chegada do verão a procura pelas aulas de muay thai se torna ainda maior pelo fato de as mulheres quererem estar bem com o corpo ou, até mesmo, aproveitar as férias do trabalho ou da faculdade para fazerem algo novo.

– É uma aula bem divertida e acaba que as meninas fazem novas amizades e se dão super bem. No sentido técnico gosto de ver a evolução delas, o desempenho, desenvolvimento e mudança. Tem meninas que chegam para fazer a aula sem saber nada e, aos poucos, vão evoluindo – afirmou a professora, ao informar que as aulas podem ser feitas em duas ou três vezes na semana.

Aprovada pelas mulheres

A comerciante Danyelle Cristiane de Oliveira, de 32 anos, começou a fazer as aulas de muay thai há uma semana e, conforme afirma, o fator principal que a fez escolher a luta foi os bons resultados para perda de peso. Animada com as aulas, ela disse que o fato de ser uma atividade dinâmica também é o que mais tem chamado a sua atenção.

– Eu já frequentei academias para treinos de musculação, mas acho uma coisa muito metódica. Ficar na esteira, por determinado tempo, por exemplo, para mim era um grande sacrifício. Já na luta, você fica mais animado e, quando percebe, a aula já terminou – disse a comerciante.

A professora Tatiane Aparecida da Silva, de 30 anos, é outra que está satisfeita com os resultados do muay thai. Ela, que no início do ano apresentava um quadro de colesterol alto, conta que, além de ter controlado os índices, ainda conseguiu perder sete quilos praticando a atividade.

– Não tenho problemas em fazer exercícios aeróbicos como esteira, por exemplo, que poderia dar o mesmo gasto de calorias que a luta, dependendo do tempo que ficasse caminhando ou correndo. Mas, a grande diferença e o mais gostoso do muay thay é que nele não existe a monotonia e, além disso, a luta permite que a mulherada extravase todo o estresse do dia a dia – afirma a professora.

A nutricionista Zenilma Vitorino, de 36 anos, conta que, por orientação médica, ela começou a fazer lutas há dez anos. Com problema de hipertensão, que não estava associado a nenhuma patologia, a atividade foi indicada como forma de aliviar o estresse e o nervosismo. Ela, que pratica o boxe, chegou a suspender as aulas por um período, quando estava grávida de suas filhas gêmeas e, recentemente, voltou a treinar. “Os benefícios são vários. Eu também estou fazendo dieta, mas com a ajuda da luta já perdi nove quilos desde que comecei, há uns cinco meses. Sem falar que percebi mais concentração e fortalecimento muscular. As aulas oferecem, realmente, um alívio do estresse muito grande”, enfatizou Zenilma.

Sem estresse: Mulheres buscam na luta uma opção de vida mais saudável (Foto: Denilson Lins)

Sem estresse: Mulheres buscam na luta uma opção de vida mais saudável (Foto: Denilson Lins)

 

As modalidades de lutas

Muay thai –  É originalmente utilizada para defesa pessoal. Os praticantes usavam cordas enroladas nas mãos que, com o tempo, foram substituídas por luvas. Esta arte marcial usa um combinado de punhos, cotovelos, joelhos, canelas e pés.

Boxe – Também muito procurado por muitas mulheres, o boxe permite a perda de até 800 calorias em uma aula com tempo que varia entre uma hora e uma hora e meia. O esporte de combate utiliza os punhos, com técnicas de ataque e defesa, e dá condicionamento físico e rapidez, além de aliviar o estresse. Indicado para quem quer aumentar a capacidade cardiorrespiratória, a força, aprimorar a coordenação motora, o equilíbrio e tonificar a musculatura dos membros superiores e inferiores.

Jiu-jitsu – A luta busca através de técnicas de estrangulamentos e chaves de braço a submissão do adversário. É mais uma boa alternativa para manter o corpo saudável e em forma. Ajuda a ter disciplina e aumenta a autoestima enquanto tonifica a musculatura do corpo todo.

MMA – É um mix de artes marcais e, ao contrário do que muitos imaginam, não vale tudo. As meninas que não quiserem competir podem fazer o treinamento apenas da parte técnica. A luta pode ser em pé ou no chão e o praticante precisa de protetores para diversas partes do corpo. Gasto médio de mil calorias por aula de uma hora e meia.

Body combat – A modalidade não tem contato corporal e conta com movimentos coreografados baseados em golpes de boxe, kickboxing, karatê, capoeira e jiu-jitsu, embalados por músicas com batida forte e contagiante. Chega a derreter até 700 calorias em uma hora de aula.

 

 

Por Roze Martins

(Especial para o DIÁRIO DO VALE)

Untitled Document