quarta-feira, 26 de abril de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Bastidores e Notas - Por Aurélio Paiva / O agente secreto que virou o homem mais poderoso de Volta Redonda

O agente secreto que virou o homem mais poderoso de Volta Redonda

Matéria publicada em 24 de março de 2017, 20:29 horas

 


Por mais de uma década, especialmente nos anos 80, o coronel Bismarck Ramalho – até hoje pouco conhecido na história – era o homem que mandava e desmandava na CSN e na cidade

wp-coluna-bastidores-e-notas-aurelio-paiva

Coronel Bismarck Baracuhy Amâncio Ramalho. Seu nome não consta de nenhum livro ou apostila de história de Volta Redonda. A maioria dos moradores da cidade jamais ouviu falar dele. Mas, nos anos 80, não havia presidente da CSN ou prefeito nomeado que não se curvasse a ele.

Bismarck agente secreto do temido SNI (Serviço Nacional de Informações), o serviço de inteligência dos governos militares (inspirado na CIA americana e criado com a ajuda dos americanos). Foi o órgão mais poderoso do país no regime militar.

Mais do que agente secreto, Bismarck era o chefe do SNI em toda a região, embora oficialmente fosse apenas chefe da ASI/CSN (Assessoria de Segurança e Informações da CSN).

Nenhum diretor da CSN era nomeado sem o aval do SNI. Como Volta Redonda era área de segurança nacional (não havia eleição para prefeito) também os prefeitos nomeados tinham que ter o aval do SNI.

O coronel Bismarck não apenas ascendia sobre prefeitos e diretores da CSN como tinha poder para nomear ou demitir delegados de polícia. Também orientava as decisões sobre segurança dos comandantes militares de toda a região. Nenhuma pessoa na cidade ou no Sul Fluminense, de qualquer posição política, empresarial ou patente militar, se igualava a ele em poder naquela época.

A sala obscura do 16º andar  do Escritório Central da CSN

Início dos anos 80 e lá estava este colunista, na faixa dos 20 anos de idade, cobrindo como repórter do jornal Opção uma negociação salarial entre a CSN e o Sindicato dos Metalúrgicos no período de transição entre Waldemar Lustoza e Juarez Antunes na presidência do sindicato.

As negociações entre a comissão sindical e a CSN eram feitas na sala do próprio presidente da empresa, Benjamin Mário Baptista, no 16º andar (o último andar) do Escritório Central da CSN.

Havia uma hierarquia na CSN: quanto mais importante o cargo, mais alto o andar em que se instalava. A sala do presidente dava vista direta para a Praça Brasil.

Os jornalistas permaneciam no saguão próximo aos elevadores, no mesmo andar, aguardando o resultado.

Mas uma coisa chamou a atenção: por várias vezes, diretores da CSN – incluindo o próprio presidente – deixavam a reunião, passavam pelo saguão dos elevadores e iam para o corredor oposto (com vista para o Conforto). Voltavam balbuciando que este ou aquele item havia sido aprovado ou vetado.

Não havia dúvida de que naquele corredor, em alguma sala, havia alguém que de fato decidia o curso das negociações.

Em uma destas idas e vindas foi possível identificar a sala. Havia uma secretária na antessala. Discretamente perguntei a ela se poderia falar com o… o… o…

Fingi ter esquecido o nome.

– Coronel Bismarck – completou a secretária.

– Isso!

A porta estava entreaberta e o coronel apareceu. Perguntou o que eu queria. Respondi que queria saber por que as negociações entre a CSN e o sindicato passavam por ali.

Ele me mandou embora e me aconselhou a esquecer o que o tinha visto.

No dia seguinte conversei com o Luiz Alfredo Vieira, que era editor do jornal. Fizemos uma pequena nota narrando o episódio e citando, pela primeira vez, na mídia, o nome do ocupante da sala: coronel Bismarck.

Reclamações informais se seguiram.

Mas até então quase ninguém sabia quem ele era.

O coronel na boate e  o início das revelações

Não demorei a descobrir quem era o coronel. Um amigo e vizinho no bairro São Geraldo trabalhava na guarda da CSN e havia sido recrutado por Bismarck para compor um grupo secreto de investigações que atuava em toda a cidade. Foi quando descobri que, além de chefiar a segurança da CSN, o coronel era agente do SNI. Mais: era o chefe do SNI na região.

Semanas depois o acaso e o reencontro, em uma boate. Onde a conversa fluiu.

A boate Para-Choque, na Av. Getúlio Vargas (próximo ao Viaduto Nossa Senhora das Graças), era um ponto de encontro da vida noturna da cidade. Havia sido fundada por Elias Salume (dono do Casarão) e por Sérgio Luiz Fraga Machado, mais conhecido como Sérgio do Para-Choque.

Entrei, pedi uma cerveja andei de um lado a outro e, entre as nuvens de fumaça de tabaco azuladas pela “luz negra” da boate, vi em uma mesa de fundo a figura do coronel. Me aproximei, olhei, ele me olhou, fingi de morto e saí de mansinho. Minutos depois Sérgio do Para-Choque se aproximou:

– O coronel Bismarck quer falar com você.

Deu merda, pensei.

Ao contrário, o coronel foi simpático. Garrafa de uísque sobre a mesa, me ofereceu uma dose. Aceitei de bom grado, até pelo fato de nunca ter provado aquilo na minha vida.

Perguntou como eu havia desconfiado do episódio da sala no Escritório Central. Contei a história. Ele riu. Indagou o que mais eu sabia sobre ele. Fui sincero e disse que havia descoberto que ele era o homem do SNI na região. Não se abalou. Fez um breve silêncio, não confirmou nem desmentiu. Disse apenas que nós dois vivíamos da mesma coisa: informação.

O líquido da garrafa foi diminuindo enquanto conversávamos sobre jornalismo e informação. Esperto, disse que poderíamos trocar informações. Daria a mim com exclusividade informações para o jornal e me pediria informações que precisasse. O coronel, em resumo, queria me transformar em informante do SNI.

Agradeci, mas disse que não me parecia muito ético.

Sem animosidade, apenas brincou dizendo que revelar a identidade de um agente secreto do governo era crime.

Entendi o recado e fui embora, até porque o uísque havia acabado.

Reunião mensal com comandantes militares

O coronel Bismarck gostava da noite. Tornou-se frequentador assíduo do restaurante Casarão. De secreto, passou a discreto. Eram os tempos de abertura política. Sindicalistas e muitas outras pessoas já sabiam quem ele era – embora poucos soubessem o nível de poder que possuía.

Por exemplo, uma vez por mês reservava o Casarão para reuniões com comandantes militares da região e de fora dela. Inclusive oficiais de patente superior à dele.

Manteve por anos um delegado de polícia especial em Volta Redonda apenas para cobrir atividades do interesse do SNI. De uma simples reunião de um grupo de esquerda a uma assembleia sindical, nada lhe escapava. Tinha uma rede de espiões em todos os setores. Recebia atas das reuniões internas do Sindicato dos Metalúrgicos quando ainda estavam em rascunho.

Criou um comando secreto formado por guardas da CSN que tiveram treinamento especial. Este comando circulava em carros Chevrolet Opala pretos com homens armados de fuzis e metralhadoras, fazendo ora papel de polícia na cidade; ora investigando suspeitos de roubo na CSN.

Tudo com carta branca da polícia, onde Bismarck mandava prender e mandava soltar.

Formação junto aos serviços de inteligência dos EUA

Bismarck aprendeu sobre serviços de inteligência e informações com instrutores americanos na famosa “School of the Americas” (Escola das Américas), no Panamá, que era gerenciada pelo Pentágono para formar oficiais militares de países aliados aos EUA no combate ao comunismo. Gradou-se em “Military Intelligence, Phase II”, quando era major, em 1967.

Eram raros os militares selecionados para esta escola, que mais tarde seria acusada de formar alguns dos principais generais ditadores latino-americanos, como o argentino Roberto Viola , o boliviano Hugo Banzer, o chileno Augusto Pinochet e o ditador equatoriano Rodríguez Lara. Todos estes foram graduados na Escola das Américas.

A vinda de Bismarck para Volta Redonda, chefiando o serviço de inteligência na região, se deu pelas mãos do general Otávio Medeiros, que chefiou o SNI em nível nacional de 1978 a 1985 e era um dos militares mais poderosos do país. Otávio o homem mais próximo do ex-presidente Figueiredo.

Na "Escola das Américas", no Panamá, Bismarck recebeu treinamento e, inteligência e informações dos serviços secretos americanos

Na “Escola das Américas”, no Panamá, Bismarck recebeu treinamento e, inteligência e informações dos serviços secretos americanos

Redemocratização, greve e o Exército sob Sarney

Com a redemocratização do Brasil e a morte de Tancredo Neves, José Sarney assumiu a presidência da República em 1985. O general Otávio Medeiros deixou o SNI. Bismarck perdeu força. Não era mais o homem que mandava. Era apenas o homem que espionava.

Na greve da CSN de 1988, sob o governo Sarney, o presidente e a linha dura militar queriam que o Exército entrasse na Usina Presidente Vargas para retirar os metalúrgicos que a haviam ocupado.

Bismarck e o diretor administrativo da CSN, Luiz Xavier, conversaram no Escritório Central. Ambos acreditavam que a invasão militar era tudo o que os sindicalistas queriam: um confronto que politicamente ajudaria a eleger como prefeito o candidato Juarez Antunes, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos.

Mais: anteciparam que tudo poderia acabar em uma tragédia.

Juvenal Osório, presidente da CSN, já havia tentado de tudo, pelos meios formais,  para evitar a invasão.

Bismarck era a última esperança.

O coronel ligou para seu antigo chefe, o general Otávio Medeiros, que havia sido transferido para a reserva um ano antes, mas ainda tinha enorme influência sobre os generais.

Juvenal Osório, Xavier e Bismarck na mesma sala, a ligação foi completada com o telefone no viva voz. Assim que Medeiros atendeu, Bimarck ficou de pé, como que em prontidão, narrou suas preocupações e passou a palavra a Juvenal, que fez o apelo. Medeiros apenas respondeu ao presidente da CSN:

– Presidente, sinto muito, mas as tropas já estão chegando.

Horas depois as tropas do Exército invadiram a usina. Três metalúrgicos foram mortos em uma tragédia que comoveu o país.

Bismarck descobriu que não tinha mais voz dentro do Exército.

O fim da era Bismarck

Em 1990, quando Roberto Lima Netto assumiu a presidência da CSN, o presidente Collor extinguiu o SNI. Na CSN, o cargo de Bismarck, que sempre foi diretamente subordinado à presidência da empresa, passou a ser subordinado ao diretor administrativo.

As atividades do coronel se resumiam às questões de segurança interna da empresa, com algumas bisbilhotadas nas atividades sindicais.

O poder sobre a cidade foi a zero.

Continuou frequentando o Casarão e, sem ter mais necessidade de sigilo, passava a noite conversando com amigos.

Morreu em 2001.

Recentemente a Comissão Municipal da Verdade em Volta Redonda vasculhou os arquivos da CSN em busca dos seus arquivos confidenciais da ASI/CSN, comandada por Bismarck por cerca de uma década.

Descobriu que praticamente todo o arquivo desapareceu.

A maior parte dos segredos de Bismarck e dos muitos segredos da CSN e da cidade morreram com ele.

G2

Os documentos secretos de uma década, produzidos pela ASI de Bismarck, desapareceram dos arquivos da CSN

Os documentos secretos de uma década, produzidos pela ASI de Bismarck, desapareceram dos arquivos da CSN

73 comentários

  1. Zzzzzzzzz…

  2. Gostei dessa publicação ampla sobre o coronel Bismarck. Eu ouvia falar sobre ele na época, mas pensava que era apenas um assessor da CSN. Valeu.

  3. INVESTIGADOR ALVARENGA

    Tive o prazer de trabalhar com o Cel. BISMARK na Inteligência da CSN, realmente era um homem totalmente probo, irrepreensível na sua conduta; honesto, incorruptível. um verdadeiro homem que sabia tratar todos os assuntos. Parabéns por essa matéria, tudo colocado no arquivo acima é verdadeiro.

  4. Exu Caveira das Almas . Vc é digno de pena realmente . Não acredito em lista de Forbes é muito menos que lutinha é dono da Friboi . Vc que está certo . Lula e seus asseclas são os homens mais honestos do mundo . Os empréstimos do Bumlai nunca existiram . Isso tudo é ficção . Os políticos não roubaram nenhum dinheiro . O Marcelo Odebrecht nunca deu dinheiro de campanha vindo da corrupção . A Petrobras é a Empresa mais valiosa do mundo . Estamos explorando o pré-sal . O Moro está a mando da Cia , os procuradores , promotores e a polícia federal estão comprados . Só querem perseguir os políticos , principalmente do PT . Só tem santo no PT , PMDB , PP , PSDB , PCB e PDT dentre outros . Volta para terra exu caveira das Almas .

  5. Aqueles que são jovens a mais tempo, como Aurélio, lembram-se bem das rapinhas da C.S.N. Jeep laranja com guardas da empresa que vigiavam a Vila, Bela Vista, Laranjal… Pra eles aparecerem era só descer uma ladeira de carrinho de rolimã. La vinha Rita Pavone!!! Bons tempos. Nossas casas não tinham cercas e a segurança era total.
    Não tenho saudade do regime militar mas… eramos bem mais responsáveis naquela época. Liberdade sem responsabilidade e arma carregada na mão de bêbado.

  6. Vou repetir: FICÇÃO

  7. ALEXANDRE QUEIBRE BALTAZAR

    Parabéns Sr. Aurélio, como sempre construindo e expondo a história de nossa cidade! Excelente artigo!

  8. BELA HISTÓRIA, PARABÉNS !

  9. Parabéns pela excelente matéria. Histórias importantes precisam ser contadas.

  10. KKKKKK, VCS NÃO SABEM DE NADA INOCENTES….COMISSÃO DA VERDADE….KKKKKKKK….OS AGENTES DO CEL BISMARCK AINDA RONDAM A CSN… KKKKKKKKKKKKKKKK, COMUNISTAS IDIOTAS.

  11. Prezado Aurélio convivi com o Cel. Bismarck durante algum tempo inclusive fui convidado a participar do seu grupo na CSN. Acredito que pela responsabilidade que era o cargo resolvi comunicar com o meu inesquecível pai e meu conselheiro eng. Nazário Ernesto. Ambos me desaconselharam a não aceitar, mesmo sendo efetivado na empresa e com um bom salario porque poderia prejudicar muito pai de família. O mesmo é cunhado do meu amigo Jessé de Holanda Cordeiro.

  12. Tenho saudades do governo militar sim, democracia? O Brasil está nas mãos da maior quadrilha criminosa do planeta, o país sendo totalmente saqueado, o trabalhador sendo trucidado por esse governo, viramos chacota mundial, voltem militares, antes que não sobre mais nada!!!

  13. walter luiz nogueira

    O fato é que este Cel. faz parte da história da nossa cidade. Acertando ou errando ele teve participação importante nos episódios da evolução de VR, portanto, vamos enaltecer o trabalho de pesquisa do repórter que tirou da sombra da história este nome.

    • Concordó . Excelente matéria e pesquisa . Não conhecia a coluna do Aurélio PAIVA . Fico muito feliz quando leio suas matérias . São textos muito bons .

  14. Ricardo Guimarães

    Parabéns.
    Fatos e causos históricos deveriam estar registrados e disponibilizados em um acervo público, onde toda a população tivesse acesso e pudesse conhecer mais de perto nossa história.
    Volta Redonda á deveria ter um local onde sua história oficial e oficiosa estivesse registrada e a disposição das novas gerações.
    Se não fosse a iniciativa do articulista não saberíamos (a população de Volta Redonda) essa faceta da história de nossa cidade, mesmo que contada por um de seus partícipes.

  15. É demonstrativo de séria limitação intelectual essa defesa da “volta do regime militar”, que ainda se manifesta em algumas viúvas dos anos de chumbo. Felizmente, esse entulho autoritário está a se varrido para o lixo da história.

    • Exu caveira das Almas e odeio gente burra vocês são muito inteligentes . Gosto muito dos que sabem tudo .Pesquise sobre o regime militar com isenção e veja se não foi o período mais próspero do país . O momento não é de volta do governo militar. Vocês estão impregnados de ideología . Bom mesmo é o governo do PT . Empresários e políticos presos , mas esqueci são perseguidos . Não roubaram . O Temer é golpista , mas foi vice duas vezes do PT . O lula recebe 60 mil por mês , mas está sempre preocupado com o mais pobre . O sítio e apartamento nao sao dele , pois nao estão no seu nome . Está no nome dos amigos do sindicato . Os filhos ficaram milionários por força de Deus . Antes do pai chegar na presidência , Deus não ajudava os meninos .Meus caros intelectuais . O país precisa de educação , não de políticos demagogos. O Governo Militar foi tão ruim que transformou um metalúrgico em presidente . Jose dirceu é o paladino da moralidade . Foi para Cuba treinar táctica de Guerrilha porque lutava pela democracia. Idem nossa Dilma , foi guerrilheira porque queria democracia . Intelectuais como vocês estão sempre certo . Não vou falar mais porque não sou tão inteligente quanto vcs . Vcs estão perdendo tempo , deveriam estar desenvolvendo uma máquina de enxugar gelo e de empacotar fumaça. Por que não estão na NASA?

    • Mais um pobre coitado, vítima dos Efeitos “Lula-Milionário-da-Forbes”, “Lulinha-dono-da-Friboi”, “Na-ditadura-não-havia-corrupção”, como muitos zumbis midiáticos reprodutores de boatos nas redes sociais.

    • A César o que é de César

      No regime militar qualquer jornalista que escrevesse algumas míseras linhas criticando os milícos ia para a vala, este
      que fez esta matéria ficou de bico calado até hoje, se não também teria ido para a vala.

    • O melhor período, foi o Brasil Imperio, Dom Pedro era visionário.

  16. Cidadão consciente da periferia

    No regime militar, quando os militares e a GESTAPO da CSN patrulhavam a cidade, vagabundo não dava sopa, e se fosse assim até hoje, duvido que os traficantes tiravam essa onda que tiram. Muitos reclamam do regime militar, inclusive uns esquerdopatas que nem eram nascidos, mas naquela época, pessoa de bem tinha trabalho e podiam andar nas ruas sem medo de ser assaltado ou morto. Naquela época, muitos ansiavam pela liberdade e com a abertura política em 1985 veio a suposta “liberdade”, e o que fizeram com ela? Destruiram a moral dos jovens, saquearam os cofres da nação e o PT montou a maior quadrilha de bandidos que jamais existiu nesse pais. É pra isso que queriam a liberdade democrática? Que volte o regime militar e que volte logo para salvar nossa nação!

    • Muito bom cidadão consciente da periferia . Antes tínhamos pessoas preocupadas com o desenvolvimento do país , os militares pensavam no país em primeiro lugar , porque isto se aprende quando você entra nas fileiras do Exército. Brasil acima de tudo , abaixo apenas de Deus . Os políticos so pensam neles e na próxima eleição . Hoje temos a ideologia da libertinagem , não há respeito por mais nada . Meninas e meninos adolescentes utilizam drogas e se matam a todo momento . Esses pseudos educadores, muitos deles professores criaram a educação da permissidade . Resultado , aumento da criminalidade e da violência .

    • Hahahahahaha quanta besteir, vai estudar historia

    • Governo militar já. Quem não deve não teme.

    • Acho que quem deve estudar historia é o Odeio gente burra. para inicio de conversa, na época dos militares, os muros mais altos, não passavam de 50cm de altura e nimguem se atrevia à passa por cima. Nem os carteiros.
      A matéria de Aurélio é espetacular e me faz lembrar do militar que fui na ESACOSAE(EXERCITO).

    • A César o que é de César

      Marcelo e mais alguns aí, quando eram bebês as mães se descuidaram e deixaram cair de cabeça no chão, só isto explica tamanha idiotice.

    • Ki beleza, coreia do Norte é ótimo então…
      Lá tbem não tem violência, as cidades são limpas e seguras. É só não falar mal do regime ou governo, que se vive muito bem…

  17. Parabéns pela matéria, parabéns.

  18. Interessante. E Volta Redonda tem muita história a ser contada com mais detalhes, inclusive caso de “impeachment” de prefeito, que poucos se lembram ou muitos desconhecem, que eu só ouvi falar. E consta que o vice que assumiu fez sucesso, apesar de ainda iniciando na política. Parece que também não é da época do colunista, mas vai aí uma sugestão para pesquisa.

  19. Se essa época fosse boa, não precisavam dificultar tanto acesso aos arquivos ou queimá-los. Desse época (ou talvez um pouco antes) também era um tal de coronel Pragana, conhecido como o “Pistoleiro da Gramática”, por ser incapaz de pronunciar 10 palavras sem cometer 11 atentados ao idioma…

  20. ELEITOR CONSCIENTE

    SENTADO HOJE NO COLO DO CAPETA. EU CONHECI ESSA FIGURA… UM BOSTA…. GANHOU MUITA GRANA. KKKKKKKKK

  21. Só não entendo como um cara que saía tanto na noite e curtia umas “birinights” não teve um momento de fraqueza, revelando aquilo que deveria ser segredo, após tomar uns gorós…

  22. Se Aurélio escrever um livro, um compêndio de suas crônicas, será best-seller na região. Eu próprio farei questão de comprar…

  23. Saudades daquela época, esse Brasil de hoje me dá nojo,

  24. Tive o prazer de conhecer o coronel, tanto na CSN, como fora dela em noites memoráveis de VR, com amigos de VR que bebiam junto do coronel, até no antigo bar social.

  25. Bismarck deixou herdeiros em Volta Redonda , o seu neto foi assessor do Neto , seu genro foi quase prefeito ,sua influencia ainda vive em volta redonda , conta mais que esta história ainda não acabou.

  26. A maior parte dos segredos de Bismarck e dos muitos segredos da CSN e da cidade morreram com ele pois todos arquivos secretos foram incinerados nos carros torpedos doas altos fornos.

  27. excelente pesquisa e narrativa histórica. Parabéns Aurélio!

    • Morador VR , você está muito por fora . A Escola das Américas ensinava geopolítica , estratégia e Relações Internacionais . Que não conhece a profissão militar e se deixa impregnar pela Esquerda que pensa que se aprendia tortura por la . Leia o Manual do Guerrilheiro Urbano de Carlos Marighela que muitos endeusam e você verá o que é manual de tortura que muitos grupos de guerrilheiros utilizavam durante o governo militar .

  28. A Escola das Américas, antigo centro de treinamento de tortura no Panamá, que durou até meados dos anos 1980, virou agora hotel cinco estrelas. Ainda bem.

  29. Parabéns ao reporte pelo belo trabalho, estive estudando sobre história com minha filha e infelizmente não conhecia sobre esse fato, muito obrigado por fazer esse tipo de matéria q nos coloca a par dá história da nossa cidade !!!

  30. Boa matéria, mas faltou uma foto do coronel Bismarck.

  31. Pagador de impostos

    Parabéns ao jornalista. Deixo lhe uma sugestão. Que tal uma reportagem especial sobre a famigerada “Rodovia do Transtorno”. A população precisa e merece saber afinal, o que acontece, aconteceu e acontecerá com essa malfadada obra.

  32. Boa Materia. Parabens.

  33. Da missa vos não sabem nem a metade

  34. Da missa vos não sabem nem a metade

  35. Leonardo Gomes da silva

    parabéns pela materia ou digamos, aula de história,sr Aurélio isso é Cultura um abraço

  36. Tirando os exageros em relação a Escola das Américas, que todo jornalista gosta de dizer que o militar de quem ele fala lá esteve, a ponto de ter sido quase um “Brizolão” no Panamá se os levarmos a sério, o conto é bom. É um relato interessante de um personagem esquecido de nossa história e que realmente teve bastante influência. Ajudou bastante a cidade a passar por alguns episódios que poderiam ter sido mais trágicos se não existisse. Com sua fraqueza veio o pior.

  37. Dei muito trabalho para o Bismarck ! segundo ele pra mim @ rsssss

  38. Eu me lembro do Cel Bismarck nos tempos de CSN.

  39. Vale lembrar que esta greve deu força para que Erundina fosse eleita prefeita pelo PT em São Paulo e conseguentemente o crescimento nacional deste partido.

  40. Parabéns, Aurélio!

  41. Parabéns pela belíssima explanação, tudo na mais perfeita ordem cronológica e verdadeira aula de história.

  42. Muito bom! Esse cara escreve demais! Apesar de que a história parece um pouco fantasiosa…

  43. Muito boa a reportagem. Parabéns.

    Lembro deste Opala preto rodando pela cidade!

    Não moro mais na cidade e foi um prazer ler sua pesquisa.

  44. Ah, como há bolsomicos ansiando por voltarmos a essa era vergonhosa do arbítrio e da tortura. Não os culpo: até porque a maioria não chegou à idade votar e jamais leram um livro de história…

    • Complicado mesmo são aqueles que leram livros que so contam uma parte da história e se acham os donos da verdade. Procure conhecimento além do que o MEC e o MinC podem te proporcionar.

    • Vc perdeu querida!
      Perdeu a oportunidade de ficar calado!
      Como disse primário para pele, voce calado e uma poeta. Faço minhas essa palavras a vc.

    • MEC e MinC? Eles editam ou escrevem livros de História? Não sabia. Vc é que precisa conhecer Civilização Brasileira, Mauad, José Olympio, Jorge Zahar, Companhia das Letras, Vozes…

    • “pLeno”, seu problema vai além da ignorância sobre história: com esse portuguesinho de sargentão em fim de feira, precisa fazer um suplerivo.

    • Macunaíma, um proverbio chinês diz: ”todos os fatos tem 3 versões: a sua, a minha e a verdadeira. Você julga quem admira um possivel candidato tentando desacreditalo como ou infantil demais(por nao ter alcançado 16 anos para poder votar) ou de inculto (por nunca ter lido um livro de historia), mas apenas os livros de seus autores favoritos e claro não é. os outros livros disponiveis, sao falsos.

    • kkkk prefeito fake saudade neto

      saudade podia voltar esse tempo onde bandido era bandido

    • Se vc tivesse uma pálida noção das atrocidades que se cometiam nos porões do DOI-Codi e de outros centros de tortura talvez não tentasse relativizar os horrores de uma ditadura. É grave também que um aspirante ao Planalto, a par de seu physique du rôle fascistóide e meio folclórico, exalte um torturador brutal como Ustra.
      Pesquisem um pouco sobre esse período.

    • Me fala qual foi a escola que vc estudou o suplerivo que eu faço…. ou sera que esses erros de palavras trocadas e pelo mesmo motivo que o Meu, corretor ortografico do google!
      Use argumentos plausiveis para suas críticas, e nao apenas um bla bla bla que vc ler no folhetinho informativo do seu partido. Usar como base um error ortogtafico nao representa nada.
      Mas esperar o que de um militante

  45. BISMARCK BARACUHY AMÂNCIO RAMALHO – Seu nome aparece nos 12 volumes do Projeto BNM em dois tipos de lista no volume “Os Funcionários”. Na primeira, à pag. 65, referente aos “Elementos Ligados a Prisões e Cercos”, há duas denúncias: uma de junho de 1968, colocando-o como Major do Exército, atuando em Pernambuco. Era escrivão de IPM, mas participava de prisões e cercos. Esta denúncia consta do Processo n° 576/68-C da 2° Auditoria da Marinha. A segunda denúncia desta lista é de novembro de 1964, colocando-o como Capitão do Exército, atuando no Espírito Santo, também como escrivão de IPM, mas participando de prisões e cercos. Tal informação encontra-se no Processo n° 39/65 da 7° Região Militar.

    A 2° lista em que seu nome aparece por duas vezes, refere-se a “Elementos que Participavam de Diligências e Investigações”. À pag. 88 as denúncias dizem respeito a: em agosto de 1969, como Major do Exército,

    atuava no Rio de Janeiro. Tal informação encontra-se no Processo n° 58/69 da 2° Auditoria do Exército. A segunda denúncia é de março de 1965 e aponta-o como Capitão do Exército, atuando em Pernambuco como membro de escolta. Tal informação encontra-se no Processo n° 7735 da 2° Auditoria do Exército.

    Bismarck B. A. Ramalho fez a “Escola das Américas”, em 1967, como Major, diplomando-se em “Military Intelligence – Phase II”, no período de 20 de fevereiro a 28 de abril.

  46. Muito interessante.
    Gostei.
    Faça mais matérias sobre a história de Volta Redonda, pessoas ilustres, que morreram, fundação…
    Enfim o passado não pode ser esquecido…

    • Pagador de impostos

      Um bom material que merece ser lido, apesar de merecer uma revisão para a correção dos inúmeros erros de português, é o livro ” Nasce a cidade da curva do rio – Volta Redonda” de José Adal P de Souza. Fica como sugestão. Pode ser encontrado na livraria Veredas.

    • Boa sugestão. Vou procurar…

Untitled Document