terça-feira, 17 de outubro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Operação ‘Open Doors’: Polícia vai identificar hackers e prender outros suspeitos de desvio de dinheiro

Operação ‘Open Doors’: Polícia vai identificar hackers e prender outros suspeitos de desvio de dinheiro

Matéria publicada em 11 de agosto de 2017, 16:40 horas

 


Intenção é saber também como os hackers faziam para retirar o dinheiro das contas bancárias; delegado diz que ainda há outros integrantes do bando agindo na região

Barra Mansa e Volta Redonda –  A Polícia Civil e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, deram início à segunda fase da Operação “Open doors” (Portas Abertas). A próxima etapa será focada na prisão dos hackers e na identificação de outros integrantes da quadrilha que ainda agem na região. A intenção também é saber também como os hackers faziam para retirar o dinheiro das contas bancárias. “Há outras pessoas na região que atuam na organização criminosa e serão alvos das investigações”, disse o delegado titular da 90ª DP (Barra Mansa), Ronaldo Aparecido de Brito.

Na última quarta-feira, 28 pessoas foram presas suspeitas de integrarem um bando que chegou a desviar R$ 2 milhões de contas bancárias, principalmente nas cidades de Volta Redonda e Barra Mansa. O MP denunciou 88 pessoas suspeita de envolvimento no esquema fraudulento.

Segundo a polícia, esta semana foram presos os suspeitos de comandarem a quadrilha e identificados com André, Thiago, e Léo Carroça, que era dono da boate Mistura Carioca, no Conforto, em Volta Redonda, que está fechada há cerca de um ano. Também foram detidos aliciadores e “laranjas”. A intenção agora é identificar e prender os hackers que faziam o desvio do dinheiro.

O policial explicou que os hackers invadiam os sistemas bancários (ainda não se sabe como) e desviava os valores para contas de “laranjas”, que efetuavam saques e sempre eram acompanhados pelos aliciadores, que ficavam encarregados de resgatar o dinheiro. Os aliciadores pagavam o percentual ao laranja, que era de 10%, e levava o dinheiro até o “cabeça”, que dividia com o hacker.

– Sobre a figura dos hackers e outros integrantes da quadrilha, eles já estão sendo investigados. Não se obteve ainda os dados necessários para executá-los na prática dos crimes – disse Ronaldo, acrescentando que será apurado também o embaraço que algumas pessoas causaram às investigações policiais iniciais.

O delegado citou que a gerente de uma instituição financeira de Barra Mansa chegou a telefonar para alguns clientes alertando sobre o trabalho que a polícia estava realizando. “Isso vai ser objeto de apuração e fará parte de inquérito policial que será apurado nos próximos dias. Esse montante do valor desviado (R$ 2 milhões) só não foi maior porque os bancos sonegaram informações. Isso deixa claro que, além do sistema bancário ser frágil, ainda é muito omisso com sua responsabilidade social”, disse Ronaldo.

Faz ainda parte das investigações apurar a procedência do dinheiro usado pelo empresário Léo Carroça para a construção de uma nova boate, no bairro São João, em Volta Redonda. A polícia apura ainda se o suspeito lavava dinheiro em outras boates. O empresário vinha sendo monitorado pela polícia, segundo afirmou o delegado, antes de a operação ser deflagrada.

– Dificilmente se controla o faturamento nestas casas de shows. Por isso, estes estabelecimentos comerciais eram usados para lavar dinheiro|– explicou Ronaldo.

Na segunda fase, agências de automóveis que também são suspeitas de lavagem de dinheiro serão investigadas, além de algumas empresas que terão sua contabilidade verificada. Na ação desta semana, carros de luxo, computadores e celulares que foram apreendidos serão periciados, assim como valores que foram sequestrados no banco pelo juiz da 2ª Vara Criminal de Barra Mansa.

Suspeitos foram levados para o Parque da Cidades, em Barra Mansa, e depois transferidos para o Rio (foto: Dicler de Mello e Souza)

Suspeitos foram levados para o Parque da Cidades, em Barra Mansa, e depois transferidos para o Rio (foto: Dicler de Mello e Souza)

Continuidade das investigações

O promotor Carlos Eugênio Laureano reforçou que, em razão das atividades dessa associação criminosa trazer para os integrantes da quadrilha um ganho financeiro bastante elevado, as investigações vão continuar.

– O que verificou foi que os criminosos usavam laranjas para receber o dinheiro desviado e depois cometiam atos de lavagem para usufruir do produto do crime. Por isso a apuração vai prosseguir neste sentido e a ideia é que se consiga identificar outros novos integrantes e consiga novas prisões – disse Laureano.

Laureano explicou também que o restante dos denunciados pelo MP está sendo investigados. Segundo ele, embora o MP tenha denunciado 88 pessoas, foram expedidos apenas 33 mandados de prisão, na primeira fase da operação. Ele disse que nem todos os envolvidos mereciam a prisão, mas apenas aqueles que efetivamente integravam a organização criminosa.

– Usamos o seguinte critério para separar um do outro: Aqueles que eventualmente tivessem oferecido sua conta para que numa oportunidade recebessem uma transação ilícita, foram denunciados e eles vão responder criminalmente. Por isso, mas não foi feito o pedido de prisão. O MP só pediu a prisão daqueles que participaram reiteradamente do esquema fraudulento. Ou seja, aqueles que tinham um vínculo subjetivo que uniam eles que dava estabilidade a ação criminosa deles. Esses demonstravam uma atuação mais perigosa que causava mais risco a sociedade, então, o MP entendeu por bem que eles mereciam o pedido de prisão – detalhou o promotor.

Por Dicler de Mello e Souza

11 comentários

  1. Por Causa desses Playboys de merdas, que ficam gastando a grana roubada com boate e festinha que um esquema desses cai, mas duvido que a policia pegue os verdadeiros Hackers que roubaram a conta, eles não são burros, e somente um hacker consegue pegar outro. Os programadores da policia são muito fraquinhos

  2. Agora é hora de investigar esses que estão defendendo esses pilantras aqui ontem!

  3. Até que fim a casa caiu pro SADAN da Várzea agora vamos investigar os bens casa carros açougue e outros e esse Thiago VENENO tem que ser investigado no trafico também que ele faz de cocaina na Ponte Alta 249 e região

    • Nossa passado até o pai do Thiago veneno envolvido com filho SR Carlos Barrão pai e filho presos juntos que vergonha pra família

  4. Enquanto isso na capital das bananeiras o roubo come solto e ninguém preso eta país de várias justiças.

  5. Bem feito cadeia neles ,tem que ficar preso e mais tempo , ficavam desfilando de carrao importando , moto de corrida ,tem que ser preso mesmo , eu respeito mais um traficante do que u ladrão , tráfico de drogas e uma venda , compra quem quer , agora rouba um trabalhador isso é um absurdo

    • Poder constituinte

      Você só pode estar louco! Preferir tráfico de drogas? Neste caso não foi roubo (não teve violência ou grave ameaça). Foi um furto e certamente o banco já ressarciu os clientes que foram lesados. E pelo seu comentário eles gastaram o dinheiro com carros e motos. Ao contrário do traficante que investe em armas, para aí sim, assaltar você e tua família e viciar teu filho nas drogas. Todos devem ser punidos ao rigor da lei. Não tem essa de preferir um crime ao outro não. É cada uma que a gente vê…

  6. Funcionários dos bancos tem que ser investigados pois eles passam os dados dos clientes

  7. Fala serio ! O povo ta sabendo que já tem nego sendo protegido e só vai sobrar mesmo e para os coitados dos laranja ! Porque o tal do leo carroça e o tal do Thiago Sadan e nem o tal do Thiago veneno e outros não vai ficar preso ! Com certeza já rolou o faymi ris ! E vergonhoso este nosso Brasil ! Os otarios que emprestaram suas contas por um miseravel qualquer vão ficar presos ! Agora os tubarões já vão sair de cara ! Este e nosso Brasil e o povo ainda acredita nessas operações hahhahhahahah.Covardia pura os ostentadores ladrões vão logo pra rua e nem desceram para bangu ,agora os bestas dos laranjas já desceram tudo .Revoltante tudo isso e vai continuar a bandidagem .

  8. Ouvi dizer que os Trapalhões participaram da operação, todos fantasiados até o pescoço.

  9. Ouvi dizer que tem um prefeito da região dono de uma agência de automóveis. Será que vai ser investigado também?

Untitled Document