terça-feira, 26 de setembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Pais assumem desafio de criar os filhos após morte de suas mulheres

Pais assumem desafio de criar os filhos após morte de suas mulheres

Matéria publicada em 12 de agosto de 2017, 16:00 horas

 


Homens que passaram por esse tipo de situação contam que a responsabilidade de criar e educar as crianças é redobrada

Sul Fluminense – Aos 33 anos, o operador Fábio Luís Fonseca viu a maior responsabilidade de sua vida surgir com a morte da esposa, em março deste ano: criar e cuidar da filha Vitória, que na época tinha apenas sete meses. Assim como ele, muitos homens também são obrigados, por circunstâncias da vida, a terem que assumir o papel de pai e mãe por conta da perda da companheira. Na edição deste domingo, quando se comemora o Dia dos Pais, o DIÁRIO DO VBALE conta um pouco da história e rotina desses “super heróis”, que têm como base e principal apoio os familiares.

De acordo com Fábio, ter que lidar com a morte da esposa foi muito doloroso, principalmente porque isso ocorreu meses após ela conseguir concretizar seu maior sonho, que era o de ser mãe. Conforme ele recorda, a esposa já havia sofrido dois abortos, sendo um com sete meses de gestação e, somente depois de um tratamento, conseguiu levar a gravidez até o fim. De acordo com Fábio, o sonho da mulher em ter um filho era tão grande que ela ficava a maior parte do tempo com a pequena Vitória em seu colo. A mulher dele morreu aos 34 anos por complicações no sistema digestivo.

– Minha esposa foi uma pessoa muito importante na minha vida, faz muita falta, mas o objetivo que ela tinha aqui na terra ela cumpriu, que foi ter a nossa filha, que é tão amada por todos, para que eu cuidasse e desse todo o amor do mundo. Hoje a minha responsabilidade com a Vitória é ainda maior e, com ajuda da minha família e da família da minha esposa, eu pretendo cuidar, educar, não deixar faltar carinho e amar muito a minha filha. Essa é a forma que eu tenho para amenizar a ausência da mãe dela – disse o operador, ao ressaltar que o significado de pai passou a ter um peso ainda maior na sua vida, nos últimos meses.

O caminhoneiro Ronaldo Oliveira dos Santos, de 49 anos, perdeu a primeira esposa há 11 anos, em função de problemas de saúde. Na época, o casal tinha dois filhos, sendo uma menina de cinco anos e um menino de apenas dois anos e meio. Ele conta que, no momento que soube da perda da mulher, viu-se desesperado com a realidade de ter duas crianças pequenas para cuidar sozinho.

– Quando você se casa a expectativa é de ter uma família completa: com pai, mãe e filhos, futuramente netos e por aí vai. Mas, infelizmente, a vida pega a gente de surpresa. Quando minha esposa morreu, eu fiquei muito fragilizado pela perda, mas, ainda mais pelo sofrimento dos meus filhos, que eram muito pequenos e não sabiam lidar com a morte. E foi por eles que busquei forças para que pudesse criá-los, educá-los e o mais importante: não deixar faltar em nenhum momento amor e carinho para os dois – conta Ronaldo.

Hoje, casado pela segunda vez, ele tem a admiração não só dos filhos biológicos, mas também dos enteados, já que sua atual mulher também possui um casal que mora com eles. De acordo com o caminhoneiro, por meio da perda ele acabou aprendendo ser uma pessoa mais humana, amorosa e, com isso, o sentimento de paternidade também foi adotado pelos filhos da sua atual mulher.

– Para mim é como se todos fossem meus filhos. Trato com o mesmo carinho e sempre que posso estou ajudando. Minha esposa e os filhos dela foram abandonados e as crianças não sabem o paradeiro do pai. Quando a conheci e resolvemos morar juntos eu decidi que iria amá-los como se fossem meus, e que me esforçaria para suprir a ausência que eles tinham dos pais. O mesmo aconteceu com a minha mulher, que também me deu forças e ajudou a criar os meus – conta ele, ao ressaltar que, após a morte da mãe de seus filhos, por durante quatro anos foi sua mãe quem o ajudou a criar as crianças.

de21e83a-bbfe-4821-94ee-4f4d978f800e

Tristeza transformada em amor: Fabio perdeu a esposa quando a filha ainda tinha sete meses (Foto: Arquivo pessoal)

Dor transformada em amor

O mecânico Valter Martins, de 42 anos, perdeu a mulher em um acidente de carro, do qual apenas ele e um de seus dois filhos sobreviveram. Em um misto de emoções, ele conta que, na época, chegou a lamentar o fato de todos não terem morrido no acidente, já que pensava que dessa forma seu sofrimento teria sido evitado. Hoje, porém, ele se diz conformado com a situação e que a tragédia acabou se transformando em um amor ainda mais incondicional pelo filho, de 12 anos.

– Não somos capazes de entender os planos de Deus em nossas vidas. Me ver sem um dos meus filhos e sem a minha esposa foi o pior momento da minha vida. Mas o tempo foi responsável em colocar tudo no lugar e com a ajuda de amigos e da família, eu fui tomando consciência da responsabilidade que me foi deixada, que é criar o meu filho. e assim eu tenho feito. Nós dois juntamos forças para lidar com a saudade e uma coisa é certa: nosso amor, um pelo outro, foi infinitamente multiplicado – disse o mecânico.

 

 

Por Roze Martins

(Especial para o DIÁRIO DO VALE)

 

14 comentários

  1. Parabéns Guerreiros! Em uma sociedade onde é difícil achar homens de verdade, vocês são um exemplo de responsabilidade e amor ao melhor presente que um homem pode ter que são os filhos. Feliz Dia dos Pais aos verdadeiros Pais!

  2. O que me admira é ter uma reportagem como essa…. E as mulheres que “assumem o desafio” de criar os filhos sozinha mesmo com o “pai” vivo?
    Não é um exemplo e não é um favor, se são pais não é MAIS QUE A OBRIGAÇÃO. Notícias como essa só reforçam o machismo e essa crença de que o pai não deve ser tão responsável pelos seus filhos quanto a mãe.

    • Neste caso cara leitora o reportagem não está se referindo aos pais que abandonam seus filhos com as mães por outras mulheres ou seja por qualquer motivo e sim de acontecimentos trágicos que acabam mudando a situação familiar. O pai poderia deixar a guarda dos filhos para alguém da familia porem por amor quis ficar com eles. E, também cuidar dos filhos com ou sem pai as mães sempre fizeram. A reportagem chama a atenção justo por ser a minoria os pais que cuidam dos filhos diretamente. E para os pais que abandonam os filhos…bom deixe o filho crescer e ele mesmo entendera e fará a escolha. Ame e cuide dos seus o resto Deus ajeita. Experiência própria.

  3. Amém!!! Matéria excelente. Vamos tentar agora, depois dessa material, mostrar somente coisas boas…Abraço e Feliz Dia dos Pais pro todos…

  4. Excelente reportagem – até deveria abordar esta tema em outras oportunidades. É tão normal e diária as mulheres assumirem este papel de mãe e pai – e quando nos deparamos com homens cientes de seus deveres acreditamos que a humanidade tem jeito. Parabéns, bela reportagem.

  5. Que matéria linda, parabéns…

  6. Que matéria idiota! Isso não é nenhum grande feitio. A filha é do homem e da mulher! Não cabe somente a mãe da criança esse papel.

  7. Um exemplo a ser seguido …..parabéns….

Untitled Document