terça-feira, 20 de novembro de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Paris alerta Jacarta para consequências sobre execução de cidadão francês

Paris alerta Jacarta para consequências sobre execução de cidadão francês

Matéria publicada em 17 de abril de 2015, 08:49 horas

 


A embaixadora da França em Jacarta alertou para a possibilidade de “consequências”, caso o cidadão francês condenado à morte na Indonésia venha a ser fuzilado por tráfico de droga. As informações são da Agência Brasil.

“As nossas relações vão ter consequências em caso de execução” disse a embaixadora Corinne Breuzé, em entrevista coletiva, destacando que a França, que aboliu a pena de morte em 1981, opõe-se à medida, seja qual for a circunstância.

Serge Atlaoui, 51 anos, foi preso em 2005 em laboratório clandestino de produção de drogas sintéticas em um bairro de Jacarta, tendo sido condenado à morte em 2007.

O cidadão francês afirma, desde o momento da detenção, que é inocente e que se encontrava no local instalando equipamento que acreditava ser destinado ao funcionamento de uma unidade industrial de acrílico.

Se o recurso confirmar a sentença, a execução é quase imediata, mesmo para os estrangeiros. As autoridades indonésias estão preparando uma lista de condenados que devem ser fuzilados em breve e que inclui cidadãos da Austrália, do Brasil, das Filipinas, da Nigéria e de Gana.

No caso em que o cidadão francês se encontra envolvido foram detidas mais oito pessoas, também condenadas à morte.

“O que nos parece chocante é que o nome do nosso compatriota é o único envolvido no caso e que figura na lista daqueles que podem vir a ser executados”, acrescentou a embaixadora.

A legislação antidroga na Indonésia é considerada uma das mais severas do mundo.

Em 2014, o presidente indonésio Joko Widodo, que encerra o mandato em outubro, rejeitou todos os pedidos de clemência apresentados pelos condenados à morte. Entre eles está o brasileiro Rodrigo Gularte, preso em 2004 com seis quilos de cocaína escondidos em pranchas de surfe e condenado em 2005.

Em janeiro, a Indonésia executou seis traficantes, incluindo o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, o que causou uma crise diplomática entre os dois países.

A Indonésia, que retomou as execuções em 2013 depois de cinco anos de moratória, tem 133 prisioneiros condenados à morte, dos quais 57 por tráfico de droga, dois por terrorismo e 74 por outros crimes.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document