domingo, 23 de abril de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Região / Presídio de Resende é tema de audiência pública

Presídio de Resende é tema de audiência pública

Matéria publicada em 18 de abril de 2017, 20:47 horas

 


Reunião foi proposta por movimentos sociais e pastorais que questionam as condições e a mudança da natureza do projeto

Presídio fica em Bulhões, em uma área rural, a 15 km da Via Dutra, sendo que sete deles são de estrada de terra (Foto: Divulgação)

Presídio fica em Bulhões, em uma área rural, a 15 km da Via Dutra, sendo que sete deles são de estrada de terra (Foto: Divulgação)

Resende – Está marcada para esta quarta-feira (19), às 19h, uma audiência pública na antiga sede da Câmara Municipal de Resende. A audiência tratará de assuntos relacionados ao presídio do município e foi proposta por movimentos sociais e pastorais, como a Pastoral Carcerária, e sensibilizada pela vereadora Soraia Balieiro (PSB).

Os principais questionamentos são: as condições e a mudança da natureza do projeto, que no início foi aprovado como Casa de Custódia, ou seja, para atender pessoas encarceradas da região Sul Fluminense que aguardam julgamento, porém, desde março deste ano acolhe presos condenados.

– Queremos saber o porquê dessa modificação sem a comunicação prévia com a população e uma vez que é definitiva, que o poder público garanta condições às famílias e aos detentos e que o espaço seja utilizado para receber presos da nossa região – destacou o padre Rafael Ferreira, membro da pastoral carcerária e padre da paróquia Sagrada Família.

O presídio fica em Bulhões, em uma área rural, a 15 km da Via Dutra, sendo que sete deles são de estrada de terra. A construção tem 6400m², com investimento estimado em R$ 31 milhões. Desde 2006, a Pastoral Carcerária trabalha pela instalação da Casa de Custódia em Resende para desafogar a Casa de Custódia em Volta Redonda e atender os presos que aguardam julgamento e são oriundos da região Sul Fluminense.

Inauguração causou surpresa e questionamento

O presídio de Resende foi inaugurado em março e na época 273 presos condenados foram transferidos de Japeri, na Baixada Fluminense, para a unidade prisional. A cadeia tem 417 vagas para detentos do regime fechado. Outras 145 vagas são para presos do regime semiaberto.

A transferência causou polêmica, já que inicialmente o presídio seria apenas para presos provisórios, que ainda iriam aguardar julgamento. No entanto, a Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap), mudou o perfil do presídio e informou que ali ficarão detentos do Sul Fluminense já condenados.

Após a abertura da cadeia, o prefeito Diogo Balieiro (PSD), através de sua assessoria de imprensa, informou que não recebeu nenhum comunicado oficial por parte do Estado sobre a transferência dos presos e nem mesmo sabia do início do funcionamento do presídio. Ele destacou que só houve um pedido de reunião em caráter de emergência na véspera da inauguração. No encontro, houve a solicitação de atendimento médico aos detentos três vezes por semana, e prioridade no atendimento a feridos no Hospital de Emergência de Resende, pedidos que foram negados por Balieiro. Além disso, os representantes do Estado solicitaram melhorias na estrada que dá acesso ao presídio. O chefe do Executivo disse que isso poderá ser providenciado mas não é uma prioridade do governo municipal.

Diante dos fatos, uma comissão foi criada para averiguar a situação e cobrar providências do Estado, além de envolver o Tribunal de Justiça.

“A Pastoral Carcerária acompanha não só os presos e suas famílias, mas também os processos que envolvem segurança e a sociedade. E diante dessa situação, que me parece um tanto preocupante, estamos mais uma vez solicitando providências “, disse na ocasião da inauguração o bispo diocesano, dom Francisco Biasin.

9 comentários

  1. Será que vão colocar os Corruptos e Corruptores ai dentro,pois Porcos que se Misturam devem comer do mesmo Farelo.

    • Al Fatah o Cicutiano

      Os eleitores não podem votar no lugar dos eleitos. Tua mulher e teus filhos, se vc os tem, não fazem tudo o que vc quer que façam nem do jeito que vc quer que seja feito, pode ter certeza… Cada qual com sua cabeça…

  2. Gasta-se uma fortuna com presídios e poucos centavos na formação da cidadania.

    É o regresso de uma sociedade.
    Estão querendo colocar mais cabrestos no nosso povo, agora mais um cabresto no povo de Resende.

    O que tem a dizer os eleitores desses que autorizam isso??????????

    Inicialmente era para ser provisório e agora fica definitivo. Igual a história da cadeia de VR.

    O que tem a dizer os eleitores desses que autorizaram???????????

  3. R$31 milhões construindo presídio?? Nem R$1 real de investimento na saúde, ainda querem atendimento 3 vezes por semana e prioridade para detentos???? Ofereceram o que para beneficio da população Resendense?

    • Al Fatah o Cicutiano

      Rocende já foi muito beneficiada com essas indústrias que se instalaram aí por força de incentivos estaduais, já estava na hora de suportar algum ônus…

    • O cara que vai me matar precisa de um local decente pra ficar caso seja preso! Apoio total!

    • Liberdade e propriedade

      Não considero ônus, visto que os delinquentes daqui não farão mais faculdade do crime nos presídios da capital, e na questão econômica, demanda prestação de vários tipos de serviços.

  4. Antonio Carlos Peludo

    KKKK ACREDITARAM N O PEZÃO E NOS SECRETARIOS DE DESGOVERNO KKKK

  5. Nunca mais os presos condenados serão transferidos!!! O “Estado” vai alegar que faltam vagas e todas aquelas desculpas que já conhecemos… Uma lástima para a nossa região.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document