segunda-feira, 25 de junho de 2018

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Sul da Europa pede que ônus do fluxo migratório seja compartilhado

Sul da Europa pede que ônus do fluxo migratório seja compartilhado

Matéria publicada em 11 de janeiro de 2018, 15:08 horas

 


Acolhida: Crise humanitária na questão dos refugiados chama atenção mundial (Foto: Divulgação)

Acolhida: Crise humanitária na questão dos refugiados chama atenção mundial (Foto: Divulgação)

Roma – Representantes de países do Sul da Europa pediram na quarta-feira (10), durante a IV Cúpula dos Países do Sul da União Europeia (UE), em Roma, que o peso dos fluxos migratórios seja compartilhado com os outros Estados-Membros.

“A gestão dos fluxos migratórios será um desafio fundamental para a UE nos próximos anos, e os países do Sul da Europa estão particularmente preocupados e afetados. Nosso papel e o ônus de proteger essas fronteiras devem ser reconhecidos e compartilhados pela UE”, afirmaram os líderes em declaração conjunta.

Participaram da cúpula os primeiros-ministros de Portugal, António Costa; da Itália, Paolo Gentiloni; de Malta, Joseph Muscat; da Grécia, Alexis Tsipras; da Espanha, Mariano Rajoy; e os presidentes da França, Emmanuel Macron; e de Chipre, Nicos Anastasiades.

“A UE terá de intensificar a sua luta contra o tráfico de seres humanos e novas formas de escravidão, garantir os direitos humanos de todas as pessoas e proteger os que necessitam de proteção internacional, em particular os grupos mais vulneráveis”, acrescenta o documento.

Os representantes dos sete países disseram estar comprometidos com uma política de migração comum, para evitar fluxos irregulares e massivos, e dispostos a cooperar com os países de origem, principalmente da África. O fenômeno da migração atinge principalmente a Itália e a Grécia.

Além dos fluxos migratórios, também foram discutidas a união financeira e o crescimento econômico. “Precisamos de uma União Europeia mais coesa, na qual as diferenças entre o Norte, Sul, Oriente e Ocidente sejam reduzidas. Agora é o momento de fazê-lo”, afirmou o primeiro-ministro italiano, Paolo Gentiloni.

António Costa, primeiro-ministro de Portugal, afirmou que a cúpula é um “conjunto de países que se reúnem pelas suas afinidades, não para dividir, mas para ajudar a fortalecer a UE”.

O presidente da França, Emmanuel Macron, falou sobre a importância da convergência entre os líderes, no sentido de avançar em direção a uma verdadeira união financeira, que permitiria maior crescimento da Europa, mais solidariedade e melhor coordenação das políticas econômicas dos Estados-Membros. Macron comentou ainda o próximo encontro, que reunirá França, Espanha e Portugal, com o objetivo de discutir as interligações elétricas entre os três países.

Durante a declaração conjunta, os líderes falaram sobre uma consulta aos cidadãos, que deve ser feita nos próximos meses, para que a população europeia expresse as suas prioridades para o futuro da UE.

Untitled Document