domingo, 17 de dezembro de 2017

TEMPO REAL

 

Capa / Internacional / Temer abre em Nova York a Assembleia Geral da ONU

Temer abre em Nova York a Assembleia Geral da ONU

Matéria publicada em 19 de setembro de 2017, 07:12 horas

 


EUA– O presidente Michel Temer faz nesta terça-feira (19) o discurso de abertura da 72ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, seguindo a tradição de o Brasil ser o primeiro a ter a palavra desde 1947.

De acordo com o representante permanente do Brasil nas Nações Unidas, Mauro Vieira, entre os destaques do discurso deste ano devem estar os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e o Tratado para Proibição de Armas Nucleares, que deve ser ratificado por 26 países, entre eles o Brasil, nesta quarta-feira (20).

Será a segunda vez que Temer discursará na abertura do evento. No ano passado, ele reiterou o compromisso “inegociável” do país com a democracia e abordou alguns conflitos internacionais, como o de Israel e da Palestina e a guerra na Síria.

Antes da abertura da assembleia, o presidente brasileiro se reúne com o secretário-geral da ONU, António Guterres. Ainda nesta terça, Temer se encontra com líderes do Oriente Médio: Mahmoud Abbas, da Autoridade Palestina, Abdel Fattah El-Sisi, do Egito, e Benjamin Netanyahu, de Israel. No mesmo dia, tem uma reunião com líderes da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e com o presidente do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab.

4 comentários

  1. Capitalista com cartão da C&A

    Um anão político e moral.

  2. A única coisa boa que ele falou foi deixar claro que o Brasil não aceita a ditadura chavista na Venezuela, na época da Dilma- Lula não havia nenhuma tentativa de reprimir a ditadura castrista!

  3. Alguém pode me dizer o que esse senhor tem a dizer na ONU, será que ele vai falar a respeito de malas e apartamentos repletos de dinheiro ou como calar deputados em votação que não lhe interessa.

  4. Aturar a incompetente Dilma na ONU já foi difícil, mas o povo aceitar um chefe de quadrilha, digo, de desgoverno, várias vezes citado em desvios de dinheiro, é ser muito passivo.

Untitled Document