quinta-feira, 20 de janeiro de 2022 - 08:03 h

TEMPO REAL

 

Capa / Boletins Covid-19 / Taxa de ocupação em leitos de UTI da rede pública em VR está em 22%

Taxa de ocupação em leitos de UTI da rede pública em VR está em 22%

Matéria publicada em 13 de janeiro de 2022, 18:04 horas

 


Volta Redonda- A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que a taxa de ocupação na rede pública (SUS) em leitos clínicos é de 6% e de 22% nos leitos de UTI. Na rede privada, a taxa de ocupação referente aos leitos clínicos é de 10% e 5% em leitos de UTI.

Segundo a Secretaria de Saúde, nesta quinta-feira, dia 13 de janeiro, não houve confirmação de óbito em decorrência da Covid-19. O último óbito por Covid-19 comunicado à Prefeitura de Volta Redonda ocorreu em 05/01/2022.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

4 comentários

  1. Sim ao ensino hibrido!

    Autoridades

    Vim fazer um apelo. precisamos de um Decreto autorizando as escolas a fornecerem o ensino hibrido para quem assim o desejar e precisar em 2022 …

    Não me sinto confortável em enviaMeus filhos para o presencial no meio de um tsunami chamado Ômicron, mais H3N2 circulando…

    Crianças , com comorbidades não estão vacinadas …

    Adolescentes com comodidades não receberam a 3 dose e nós todos sabemos que um adolescente com comorbidades tem os mesmos riscos de um adulto com comorbidades, só que os adultos estão recebendo a 3 dose.

    As pessoas esquecem das exceções, no fundamental 2 , 6 anos e 7 anos muitos têm menos de 12 anos ou seja não foram imunizados.

    Existem também aqueles que tem alergia a vacina.

    Quando se fala que quem tem alergia a ovo não pode tomar vacina de gripe, todos aceitam, mas quando se fala que a pessoa que tem alergia a componentes conservantes da vacina de Covid ninguém quer aceitar…

    Precisamos de empatia para as crianças e adolescentes com comorbidades, precisamos de empatia para pais com comorbidades que tem medo de arriscar enviando seus filhos para a escola e depois virem a ser contaminado em casa .

    Quem tem crianças com comorbidades ou tem comorbidades não está aglomerando, socializando, está tentando reduzir riscos e tentando apenas sobreviver para criar seus filhos.

    Não estamos no mesmo barco e nunca estivemos.

    E toda vez que uma criança ou adolescente falece, dizem que ele tinha comorbidades como se ele fosse menos importante como ser humano.

    Então sr prefeito libere o ensino hibrido em 2022, pois as crianças que se vacinarem terão imunidade de 2 doses da Pfizer só em Abril .

    Nos EUA adolescentes já estão na 3 dose e crianças deverão ter que fazer o mesmo , muito provavelmente, até terem uma vacina específica para as novas variantes.

    Pfizer anunciou que em março provavelmente teremos uma vacina específica para Ômicron.

    Tudo é muito incerto, mas no melhor dos cenários as coisas ficarão mais seguras só lá pra maio.

    E ainda tem outra questão se não tiver o ensino hibrido as crianças com sintomas gripais serão mandadas para escola ou ficarão em casa?

    As crianças com pessoas da família infectadas irão para escola?

    Se as crianças com sintomas gripais forem para escola, chutaram o balde, se não forem e não tiver hibrido , quem sofre de alergias, rinite, tosse asmática vai viver perdendo conteúdo.

    As pessoas que tem saúde não imaginam a realidade das crianças e adolescentes com comorbidades.

    Quem quiser e puder envie os filhos para o presencial e mantenha o online para quem assim o desejar,nos EUA há homeschool.

  2. Ensino remoto para crianças e adolescentes com comorbidades!

    Final de ano nas redes sociais víamos todos sem máscaras, abraçados de rostinho colado.

    Confraternização de escolas com professores sem máscara e
    aglomerados.

    No dia a dia da escola vemos nas fotos as crianças com máscaras no queixo e nas redes sociais dos pais e professores só festinhas e aglomeração.

    Aí como mandar crianças e adolescentes com comorbidades para escola?

    Protocolo só existe no papel, é cada um por si e salve- se quem puder, sem falar que mascaras de tecidos não protegem contra omicron, nem cirurgicad , só mascaras médicas que poucos usam.

    Crianças e adolescentes com comorbidades não podem ser entregues a própria sorte.

    Se faz necessário o ensino remoto!

    Quem se responsabilizará por essas crianças e adolescentes com comorbidades?

    Quem se responsabilizará por vidas perdidas?

    E ainda existem pais e avós com comorbidades que serão expostos ao risco de contágio.

    Quem se responsabilizará pela criação dessas crianças é adolescentes?

    Quem?

  3. “2 doses de Pfizer dão 22% de proteção contra Omicron.”
    Kkkkkkkkkk
    Eu nunca imaginei q fosse tão fácil manipular o mundo!!!

  4. As crianças com comorbidades , adolescentes com comorbidades, se cuidem.

    Crianças não estão vacinadas e adolescentes com comorbidades não fazem jus a 3 dose que é para maiores de 18 anos.

    2 doses de Pfizer dão 22% de proteção contra Omicron.

    Um adolescente com comorbidades tem mesmos riscos de um adulto comorbidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document