Competição de foguetes estimula espírito científico em alunos do Ensino Médio

Por Diário do Vale
Segundo professores, além de despertar o interesse científico,  iniciativa garante a autoestima dos alunos

Segundo professores, além de despertar o interesse científico, iniciativa garante a autoestima dos alunos

Barra do Piraí

 

A pista de pouso de um hotel fazenda de Barra do Piraí transformou-se esta semana em plataformas de lançamento de foguetes. Em substituição a metais, combustíveis fósseis e muita fumaça, os protótipos produzidos por alunos de Ensino Médio de todo o Brasil eram de garrafas PET. Eles subiam movidos pelo gás produzido com a reação química entre vinagre e bicarbonato de sódio. Com um rastro de espuma, os foguetes decolavam para chegar o mais longe que pudessem. A competição valeu 35 bolsas de iniciação científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

“Tivemos um que atingiu 248 metros de distância. Em anos anteriores, chegamos a registrar 275 metros”, revelou o professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, João Canalle, que coordena a 8ª Mostra Brasileira de Foguetes, a organizadora da VI Jornada de Foguetes. Aproximadamente 600 alunos de 25 estados e do Distrito Federal participaram do evento. Eles representam mais de 60 mil estudantes que disputaram competições internas ao longo do ano e, dentro das regras do jogo, ousaram nas inovações: “Tivemos foguetes lançados com controle remoto e bases de lançamento automatizadas”, destacou Pâmela Marjorie, coordenadora da jornada. Conforme Canalle, até alcançar voo, o caminho é de muitos testes.

Professor de física da unidade Timóteo do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG), Weber Feu trouxe quatro alunos dos mais de 20 que participam do grupo de astronomia. “A gente deixa eles livres para procurar soluções. Assim, aprendem a ser independentes e despertam para solucionar problemas além da sala de aula”.

Até lançar um foguete, com apoio de um colega d e turma, o cearense Fábio Souza, da Escola Estadual Theolina Muryllo Zaca, tentou, pelo menos, 20 lançamentos. O trabalho começou em fevereiro, na própria escola e fora do horário de aula. “Foram várias tentativas para atingir uma melhor proporção do material. Trabalhamos no contraturno para fazer os cálculos do vinagre e do bicarbonato. Estudamos bastante”. São Paulo e Ceará foram os estados com maior número de representantes. Cada um participou com 25 escolas públicas e duas particulares.

Advertisement

Para João Canalle, além de despertar o interesse científico, a iniciativa garante a autoestima dos alunos. “O livro didático e a aula do professor menos preparado revelam que a ciência é feita por gênios que nasceram gênios, que as pessoas nasceram cientistas. Não é nada disso. Quando estudamos a vida das pessoas, percebemos que são pessoas comuns que se dedicaram a algum problema particular e encontraram soluções que se tornaram leis da natureza”, assinalou o professor.

Advertisement

VOCÊ PODE GOSTAR

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

(24) 99926-5051 – Jornalismo

(24) 99234-8846 – Comercial

(24) 99234-8846 – Assinaturas

Canal diário do vale

colunas

© 2024 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996