terça-feira, 4 de agosto de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / ‘Academia do Cérebro’ atende até 40 associados da AAP-VR

‘Academia do Cérebro’ atende até 40 associados da AAP-VR

Matéria publicada em 26 de agosto de 2018, 09:30 horas

 


Volta Redonda – A Associação dos Aposentados e Pensionistas de Volta Redonda (AAP-VR) desenvolve desde 2004 um projeto diferenciado, para estimular as funções cognitivas dos idosos. A “Academia do Cérebro” surgiu para ativar a memória dos participantes, com exercícios de estimulação, palestras e dinâmicas.
De acordo com a psicóloga Soraya Regina Ferreira, uma das idealizadoras do projeto, a maneira de interação com os integrantes vem sendo adaptada ao longo dos anos para tornar os exercícios mais dinâmicos e objetivos.
– A equipe é composta por nutricionistas, geriatras, fonoaudiólogos, psicólogos e fisioterapeutas. O projeto aborda a função e importância do cérebro na visão de cada especialidade – destaca.
No chamado “módulo avançado”, é valorizado o trabalho prático, pelos quais os idosos do grupo praticam Sudoku, um jogo de lógica excelente para quem quer raciocinar e passar o tempo, o Labirinto, Torre de Hanói, exercícios de linguagem, entre outros. Tudo sob supervisão.
– A principal ideia deste projeto, que hoje está sendo aplicado em 40 idosos em dois módulos, é trazer este público para a associação e provocar a tomada de consciência deles sobre a necessidade de exercitar o cérebro. O projeto também possibilita uma melhora na qualidade de vida e na socialização desses idosos – explica.
De acordo com Soraya, o cérebro é tratado como um músculo e o “alimento” são as atividades. A psicóloga ressaltou que Volta Redonda tem uma grande oferta de atividades físicas para idosos, mas poucos projetos para incentivar o cérebro.
– Se a pessoa tiver um envelhecimento saudável, o cérebro vai continuar ativo e com capacidade de aprendizagem. O objetivo deste projeto é ampliar as redes neuronais. O resultado tem sido tão gratificante, que muitos de nossos alunos acabam retornando para o projeto e participam novamente das atividades – diz.
A aposentada Orlandina da Silva, de 86 anos, participa das atividades desde o ano passado. Ela ficou sabendo da Academia do Cérebro” por intermédio da própria associação.
– Estou gostando muito, pois neste grupo aprendo novas coisas e exercito o meu cérebro. Depois que iniciei neste grupo, melhorei o meu relacionamento com as pessoas, como também passei a agir com mais naturalidade. Até o meu relacionamento com parentes melhorou. Eu já gostava de ler, mas depois de iniciar no grupo de prevenção aumentou mais o meu interesse por leituras, principalmente palavras cruzadas – opina.
Quem também é frequentadora assídua deste grupo é Rita Maria Maia Gouveia, de 63 anos.
– Já participo das atividades deste projeto uma vez e se estou de pé hoje agradeço a este grupo de prevenção. Aqui aprendo muita coisa nova a cada semana que venho. Está sendo bom para a minha memória. Como moro sozinha, participando deste projeto estou me conhecendo melhor. Cheguei a passar 36 anos com depressão – declara orgulhosa.

Cabeça: Exercitar o cérebro é tão importante quanto os trabalhos físicos na terceira idade
Credito: (Júlio Amaral)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document