quarta-feira, 13 de novembro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Arte Marcial Chinesa é oferecida para cerca de 100 alunos da AAP-VR

Arte Marcial Chinesa é oferecida para cerca de 100 alunos da AAP-VR

Matéria publicada em 9 de junho de 2018, 23:00 horas

 


Atividade é usada em Volta Redonda como instrumento de busca interior, segundo instrutor

Volta Redonda – De origem chinesa, o Tai Chi Chuan, apesar de ser considerada uma arte marcial e de exercícios físicos, também pode ser usado como um instrumento de descoberta interior.  Segundo a instrutora de artes marciais e professora de educação física Eva Julianna Madveczky Meszlényi, de 76 anos, e que há 36 pratica a modalidade, ela é ideal para pessoas idosas. Atualmente Eva dá aulas para mais de 100 alunos nos dois polos da Associação dos Aposentados e Pensionistas de Volta Redonda (AAP-VR), em Volta Redonda e Barra do Piraí.

– O Tai Chi tem várias vertentes e como eu lido com idosos, uso a parte terapeuta da atividade nos cerca de 100 alunos que frequentam as aulas semanais no centro de prevenção à saúde do idoso e no centro social da Santa Cecília. Um dos benefícios é a prevenção das quedas, memória e concentração, além de proporcionar uma atividade física e emocional além da meditação. Ele também combate a ansiedade, estresse e melhora a atenção. Na verdade é um trabalho holístico, pois trabalha com o corpo e a mente de forma simultânea e aonde a pessoa vai encontrado o seu equilíbrio. Todos os exercícios são aeróbicos de baixo impacto, por isso é indicado para a terceira idade – diz.

A instrutora esclarece que a lentidão dos movimentos é proposital e faz parte do Tai Chi chuan. Os adultos jovens também praticam e também é muito recomendado para crianças, pois ajuda como noção de disciplina. Já na China a atividade faz parte do currículo escolar.

– Em geral na região a grande maioria dos praticantes são mulheres. Acredito que o homem tem menos consciência de que precisa se cuidar. O Tai Chi é mais dinâmico do que a Ioga e em comparação a outras artes marciais ele é uma arte marcial de ordem interna, trabalhando mais no fluxo da energia vital e não só a força física. Já tive vários alunos que tiveram problemas físicos e emocionais e que ficaram muito mais equilibrados com o Tai Chi Chuan – ressalta.

 

Benefícios

Eva destaca que através de sua prática constante, pode-se modificar a postura física e mental, restaurar princípios e valores através da filosofia taoísta, lapidando o corpo e a personalidade de quem pratica.

– Envolvendo-se lentamente com a atividade temos tempo de perceber detalhes sutis dos movimentos, ajustando nossa postura ao equilíbrio. E meditando em movimento com o Tai Chi encontramos e mantemos a quietude mental e a tranquilidade – comenta.

A aposentada da CSN, Carmosina Rocha Resende, de 77 anos pratica a Tai Chi Chuan há 13 anos onde conheceu por indicação de amigos, iniciando a atividade no Recreio dos Trabalhadores com a própria instrutora Eva Julianna.

– Para nós idosos o Tai Chi é tudo de bom, pois além dos exercícios, tem a parte de relaxamento, massagem. Nas aulas também recebemos indicação de livros dentro da temática oriental, além de dicas sobre alimentação. A prática desta arte marcial ajuda na postura, não deixa engordar e me faz sentir bem disposta. Iniciei com 60 anos e hoje tenho 77 – diz orgulhosa.

O também aposentado Márcio Simões, de 70 anos e que atualmente trabalha com terapia holística (Reiki) afirma que a partir do momento que passou a se envolver com o Tai Chi a sua vida se transformou.

– O Tai Chi me ajuda nas questões da vida pessoal e emocional, na questão de saúde e na parte espiritual. É bom para tudo. Através desta arte marcial procurei melhorar a minha qualidade de vida seja com os exercícios como também através das orientações da instrutora. O Tai Chi abrange tudo, e com o tempo passa a fazer parte da vida de quem o pratica. Para mim é o começo do meu eu sagrado – opina.

A aluna Sônia Marlene Melo, de 71 anos sempre se considerou uma pessoa sem foco e descentralizada e com a prática do Tai Chi diz se sentir bem melhor.

Já Manoela Martins Nepomuceno, de 81 anos tinha muitas dores no corpo, na coluna e nos quadris, mas afirma que a arte marcial chinesa a ajudou a manter o seu equilíbrio físico e emocional.

Na associação: Aulas servem para relaxar e combater a ansiedade, segundo professora

Foto: Júlio Amaral

 

Na associação: Aulas servem para relaxar e combater a ansiedade, segundo professora

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document