quinta-feira, 24 de junho de 2021 - 09:46 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Atropelamento de animais silvestres é tema de campanha em Quatis

Atropelamento de animais silvestres é tema de campanha em Quatis

Matéria publicada em 10 de junho de 2020, 15:35 horas

 


Preservação das vidas de espécies silvestres nas rodovias do município é tema campanha
(Foto: Divulgação)

Quatis– Dando continuidade às ações relativas ao mês do Meio Ambiente, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) deu início nesta semana a campanha de conscientização para evitar o atropelamento de animais silvestres. Uma ocorrência que tem representado um grande impacto na conservação da fauna, além de oferecer riscos às vidas humanas.

– Não temos números exatos da mortandade da fauna em nosso município mas recebemos diversos relatos de atropelamentos, principalmente na Rodovia Estadual RJ-159, que liga Quatis ao distrito Floriano e na RJ 143, entre Quatis e o distrito de Amparo – declarou a bióloga da Secretaria de Meio Ambiente do Município, Ana Carolina.

O atropelamento de fauna é uma questão pertinente em todas as rodovias do país. Segundo dados do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT), 475 milhões de animais silvestres são atropelados por ano no Brasil.

Ainda sobre o impacto do atropelamento de fauna, o Centro Brasileiro em Ecologia de Estrada (CBEE) já afirmava em 2013 que “o atropelamento de fauna é um dos maiores causadores da redução no número de animais silvestres no Brasil e pode se agravar ainda mais em rodovias com grande fluxo de automóveis que cruzem áreas protegidas”, afirmou o Centro, que estima que mais de 15 animais silvestres morrem nas estradas brasileiras a cada segundo, resultando num total de aproximadamente 1,3 milhão por dia.

Segundo a secretária de Meio Ambiente de Quatis, a bióloga Edna Azevedo, as rodovias ao longo do município, margeiam importantes fragmentos florestais e corpos hídricos que são fontes de alimentos e proteção para a fauna. Ao tentarem atravessá-las em busca de alimentos e ou refúgios, alguns animais podem sofrer atropelamento.

– Outro fator determinante, se deve ao fato de que muitas espécies possuem hábitos noturno. Durante o dia, elas estão em repouso e saem ao entardecer e à noite para se alimentar, retornando ao amanhecer. O que coincidem os horários de menor visibilidade e maior fluxo no trânsito, com a saída dos motoristas para o trabalho e retorno dos mesmos para casa – explicou a secretária.

Campanha

Para diminuir as ocorrências desses atropelamentos a Secretaria Municipal de Meio Ambiente criou a campanha que tem como objetivo conscientizar os motoristas do seu papel na redução desses atropelamentos.

Edna ressaltou que além dos animais, que na maioria das vezes morrem, os veículos envolvidos também são danificados e esses acidentes podem gerar até situações mais graves levando risco à vida dos ocupantes dos veículos.

Com frases como “Menos Velocidade Mais Vida” e “Reduza a Velocidade”, além de dados sobre atropelamentos, a campanha quer a ajuda do motorista.

– Fazemos esse apelo pela manutenção da vida dos animais silvestres da nossa cidade e também da vida das pessoas que transitam por nossas estradas – declara Edna.

Sistema Urubu

Outra maneira de colaborar é baixando e contribuindo com o “Urubu Mobile”, um aplicativo para smartphones (disponível para Android e iOS). O Sistema Urubu é a maior rede social de conservação da biodiversidade brasileira. Ele é uma proposta do CBEE para reunir, sistematizar e disponibilizar informações sobre a mortalidade de fauna selvagem nas rodovias e ferrovias e tem por objetivo auxiliar o governo e as concessionárias na tomada de decisão para redução destes impactos.

O Sistema Urubu reúne dados das mais variadas fontes: usuários de rodovia, pesquisadores, concessionárias, órgãos governamentais, entre outros. Todos podem contribuir e cada informação, independente da sua origem, tem a mesma importância.

O principal diferencial do Sistema Urubu em relação a outros bancos de dados existentes no mundo é que 100 por cento dos dados são avaliados por pesquisadores, especialistas em identificação de espécies.

Serviço

Para mais informações sobre a campanha, entre em contato com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) pelo telefone: (24)3353-2918, Ramal 1027 ou pelo e-mail: [email protected]

Já o contato do Grupamento Ambiental da Guarda Civil Municipal de Quatis é o (24) 99945-7371 ou o e-mail: [email protected]

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Um comentário

  1. É cada coisa que acontece

    Na viagem até a cidade de Goiânia-GO o que mais vi foram bichos atropelados e de todas as espécies, inclusive de bichos que jamais vi, eram tatus, pássaros de todos os tipos, lobo-guará, tamanduá, lagarto, siriema e por aí vai… voltei bastante impressionado não só com a morte de muitos bichos como a destruição promovida em nome do agronegócio, uma tristeza em meios a quilômetros de campos de soja.

Untitled Document