segunda-feira, 21 de outubro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / BM consegue manter cobertura vacinal contra sarampo

BM consegue manter cobertura vacinal contra sarampo

Matéria publicada em 7 de abril de 2019, 16:57 horas

 


Baixa procura pela vacina preocupa especialistas ligados à Saúde. Foto: ABr

Barra Mansa- A Secretaria de Saúde, por meio do setor de Imunização, comemora que a boa cobertura do município contra a doença, que nos últimos dois anos se manteve acima dos 95% preconizado pelo ministério. Autoridades da área de saúde classificaram a perda do status de país livre do sarampo um retrocesso para o Brasil, uma vez que o país pode ter de volta uma das doenças que já foi uma das principais causas de mortalidade infantil.

-As autoridades estão preocupadas, e com razão, porque o sarampo é uma doença grave, que pode deixar sequelas e até levar a criança à óbito. Essa desclassificação do país livre do sarampo, assim como outras doenças que se tivessem o título também perderiam, se deve ao fato das pessoas não estarem dando a devida importância à vacinação. Como essas doenças estão controladas e as pessoas não as veem, elas não se importam com a imunização, contribuindo para que as doenças voltem. Acaba virando um circulo – afirma a coordenadora, ao citar poliomielite como um exemplo que também preocupa as autoridades da área de saúde, devido a baixa procura pela vacina e o risco do país perder o título de erradicação da doença.

Em Barra Mansa, de acordo com a enfermeira, em 2017 a cobertura vacinal da tríplice viral (que imuniza contra sarampo, rubéola e caxumba) foi de 100%. Já em 2018, esses índices alcançaram 95%. No estado, conforme ela divulgou, a cobertura vacinal foi de 94% em 2017 e 88% em 2018.

-Barra Mansa conseguiu manter a cobertura vacinal dentro do preconiza o Ministério da Saúde. O estado do Rio possui 92 municípios, apenas cerca de 20 estão com o saldo positivo da vacina contra sarampo e nós fazemos parte dessa pequena parcela – comparou a enfermeira.

De acordo com ela, para manter esses índices o município conta com a Atenção Básica, que segundo ela é ferramenta fundamental para fazer a busca ativa do público alvo que precisa ser imunizado contra a doença. Marlene destaca ainda que, somado a isso, é preciso que as pessoas mantenham a consciência da importância da vacinação e que não se deixem enganar com fakes news sobre efeitos e malefícios dos diferentes tipos de vacinas disponíveis na rede pública.

-Hoje existem muitos mitos na internet de que essas vacinas fazem mal, o que não é uma verdade. Pelo contrário, elas ajudam a prevenir tanto crianças, quanto adultos, de várias doenças que podem ser evitadas – ressaltou a coordenadora.

 Por Roze Martins

(Especial para o DIÁRIO DO VALE)


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)
Untitled Document