quinta-feira, 17 de outubro de 2019

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Caminhoneiros ameaçam paralisar a Dutra

Caminhoneiros ameaçam paralisar a Dutra

Matéria publicada em 3 de setembro de 2019, 12:06 horas

 


Caso negociações em Brasilia tenham sucesso, manifestação será cancelada

Caminhoneiros querem constitucionalidade da lei do frete mínimo (Foto: Pollyana Moura)

Sul Fluminense – Caminhoneiros de todo o território nacional pretendem paralisar a principal rodovia do país a partir da zero hora desta quarta-feira (03), caso o julgamento da constitucionalidade dos pisos mínimos para a categoria, que havia sido marcado para a próxima quarta-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF), não saia do papel.

Diversos caminhoneiros realizaram uma manifestação nesta terça-feira (03), no KM 273 da Via Dutra (sentido São Paulo), na altura de Barra Mansa. A manifestação aconteceu com ciência da Polícia Rodoviária Federal e não causou transtornos no fluxo da rodovia.

A manifestação está sendo realizada por conta do julgamento da constitucionalidade dos pisos mínimos para a categoria, que havia sido marcado para a esta quarta-feira (04) pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A pedido do governo federal, que apelou ao ministro Luiz Fux por meio da Advocacia Geral da União (AGU), o julgamento acabou sendo adiado e não há previsão para que uma nova data seja marcada. O governo afirma estar buscando uma alternativa ao tabelamento junto aos caminhoneiros.

Nelson Júnior, vice-presidente e diretor da Associação dos Caminhoneiros Autônomos do Sul Fluminense (Acasulf), está à frente do comando do movimento, em Brasília, representando a região.

De acordo com Nelson Júnior, Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura, responsável pelas políticas nacionais de trânsito e de transportes, o recebeu em Brasília para uma reunião, a fim de ouvir as reivindicações dos caminhoneiros.

– Estou em Brasília. Estava marcada para essa quarta-feira, a votação da constitucionalidade da Lei 13703, e na semana passada, isso foi tirado de pauta. Isso pra gente foi uma ótima situação, porém nós temos uma lei em plena vigência e não temos uma fiscalização. Já estávamos mobilizados para, nos dias 2,3 e 4, fazermos essa manifestação, para cobrarmos a fiscalização da lei do piso mínimo de frete. É uma cobrança nossa de aproximadamente 1 ano e 4 meses. Vim para Brasília e durante uma reunião com o ministro da Infraestrutura, coloquei a nossa situação e mostrei a ele o que a gente pleiteia. Há dois meses ele havia me dito que não havia condições de conseguir para nós, o Código Identificador de Operação de Transporte (Ciot) e ontem, durante a conversa, ele me disse que tem. Porém, se isso tivesse feito lá atrás, hoje, já estaria pronto. E a categoria estaria trabalhando e não estaria passando por isso, hoje. O que ele nos disse é que isso poderia demorar entre 3 a 4 semanas. Isso para estar no Diário Oficial e 90 dias pelo prazo para as transportadoras se adequarem. Como a categoria tem pressa, decidimos continuar a mobilização e vamos continuar nesta quarta-feira (04). A ANTT não tem fiscais suficientes para estar fazendo essa fiscalização e o nosso país é muito grande. Ela não dá conta. Com isso, os transportadores trabalham do jeito que querem, não cumprem o piso mínimo e muitos ainda não repassam o pedágio para a categoria – comentou.

Segundo Leonardo Correa, irmão de Nelson Júnior e também caminhoneiro, se não houver acordo até a 0h desta quarta-feira (04), haverá uma paralisação a nível nacional. Ele ressalta que a manifestação desta terça-feira (03) começou às 10h da manhã. Aproximadamente 50 caminhoneiros estiveram nesta manifestação e saíram de frente ao Posto Campestre, na Dutra, e seguiram para Resende, retornando no final da tarde.

– A Polícia Rodoviária Federal estava ciente, pois avisamos que tínhamos essa pretensão. Essa manifestação é pelo bem da nossa categoria e isso acontecerá em todo território nacional – comentou Leonardo.

Já o caminhoneiro Igor Novaes, pede a compreensão da população caso a manifestação prossiga durante a madrugada, e eles sejam induzidos a paralisarem parte da rodovia.

– Não queremos confusão. Queremos evitar confrontos. Inclusive, não queremos fechar o acesso dos acostamentos. A manifestação é pacífica. Se as pessoas evitarem sair de suas casas, havendo a paralisação, evitarão aborrecimentos. A gente pede a compreensão de todos – disse.

De acordo com agentes da Polícia Rodoviária Federal, representantes da Associação dos Caminhoneiros Autônomos do Sul Fluminense (Acasulf), estiveram presentes em um posto da PRF e relataram informalmente – sem um ofício – a possível paralisação durante a madrugada. Ainda de acordo com os agentes, o movimento, caso aconteça, será acompanhado e monitorado. ”Fomos informados e vamos acompanhar para evitar qualquer confronto, caso haja. Infelizmente, algumas pessoas acabam se exaltando e estaremos monitorando tudo para que as leis sejam cumpridas corretamente”, comentou um agente.

 

 


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

16 comentários

  1. Avatar
    capeta da grota do Santa cruz

    ainda bem que tenho BOTIJÃO DE GÁS reserva … geladeira xeia…

  2. Avatar

    Tenho uma boa notícia para os caminhoneiros…o capim que BOLSONARO ofereceu ofereceu está verdinho….come e alimente sua familia com ele,vcs merecem….MITO

  3. Avatar

    tá dando ruim cocôminionssssssss

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  4. Avatar

    Vamos colocar mais pimenta nesse churrasco queimado chamado Bolsomerda . Quem mandou votar nessa extrema direita e ainda vai perder às aposentadoria , vamos educar nossos filhos e netos para votar certo para termos uma vida melhor com emprego e salários dignos e estabilidade e ter um governo dos trabalhadores e não dos empresários . Fora Bolsonaro… Fora Temer…Fora Fernando Collor …Fora Fernando Henrique, acabaram com Brasil… Privatizaram às empresas e acabaram com os empregos. Empresas privadas só pensam em lucros . Estou torcendo para greve dos caminhoneiros.

  5. Avatar

    Tudo mocorongo!
    Tem q parar a Dutra para cobrar a nova pista de descida da serra!
    20 horas de paralisação põem conta de acidente e muita coisa!

  6. Avatar

    Os caminhoneiros tiveram a chance de melhorar suas condições de trabalho…agora que esse Bolsobosta está lá em cima agora é sentar e chorar

    • Avatar

      Ué mais de 10 anos do outro governo e o que melhorou??? mais de 10 novamente pra melhorar?? que lógica esse pessoal do lulismo têm.

  7. Avatar

    O mocorongo Roberto não sabe ler, consequentemente é militonto. Alguém desenha pra ele que a greve não é contra o governo…

    • Avatar

      Tem que multar e apreender esses caminhões. Esses caminhoneiros são negligentes e imprudentes haja visto os acidentes que eles provocam nas estradas em especial na serra das araras.

  8. Avatar

    Faz sinal de arminha otários!

    • Avatar

      Perdeu a boquinha, né!!!!

    • Avatar

      Bolsonaro neles estão querendo moleza igual no tempo do Lula acabou a mamata

    • Avatar

      É isso aí… Saudades do governo do Lula onde a economia girava em todas as classes… Agora com essa maldita direita pobre vai sentir na pele, trabalhadores perdendo os direitos…. Desafio um bozogado a me dizer pelo menos uma medida que foi boa pra população (pobre)…. Quero saber se o Bozo cortou algum direito dos políticos????A volta da maldita Elite Capitalista

  9. Avatar

    Espero que tenham apoio da população desta vez. Vamos deixar os carros em casa e usar apenas para emergências, não consumir nenhum produto que possa ter seu preço alterado por conta da paralisação. Vamos apoiar a categoria, lutar contra o abuso dos preços em todas as áreas.

Untitled Document