terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Campanha contra o câncer de pele é desenvolvida pelo GAPC em VR

Campanha contra o câncer de pele é desenvolvida pelo GAPC em VR

Matéria publicada em 26 de janeiro de 2020, 09:59 horas

 


Prevenção ainda é o melhor caminho para evitar o surgimento da doença-Foto: Divulgação

Volta Redonda- Com o objetivo de alertar a população da região sobre os cuidados para evitar o câncer de pele, o Grupo de Apoio a Pessoas Com Câncer (GAPC) iniciou em dezembro uma campanha com o tema ‘Sol Sem Medo’ e o slogan ‘Saiba como se prevenir contra o câncer de pele’. A campanha vai se estender até março, com diversas ações na programação.

De acordo com a organização do evento, neste domingo, dia 26, será realizado um pedal de conscientização em Penedo, juntamente com o pedal de encontro dos grupos de WhatsApp, com estimativa de público de mais ou menos 1,5 mil ciclistas.

Tanta mobilização se justifica: segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), há um risco estimado de 82,53 casos novos a cada 100 mil homens e 75,84 para cada 100 mil mulheres.

Embora o câncer de pele seja o tipo mais frequente da doença no Brasil, correspondendo a 30% de todos os tipos de câncer registrados no país, o prognóstico dele pode ser considerado bom, se detectado nos estágios iniciais. Nos últimos anos, houve uma grande melhora na sobrevida dos pacientes com melanoma, principalmente devido à detecção precoce do tumor.

De acordo com a dermatologista Pâmela Novais Rabelo, parceira voluntária do GAPC, e que atende em algumas clínicas da região e na prefeitura de Pinheiral, a exposição à radiação ultravioleta tem efeito cumulativo e os raios solares penetram profundamente na pele, podendo provocar diversas alterações, como surgimento de pintas, sardas, manchas, rugas e outros problemas. A exposição solar em excesso é prejudicial e pode causar tumores benignos ou malignos, como o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma.

– Na verdade, a maioria dos cânceres de pele está relacionada à exposição ao sol, por isso todo cuidado é pouco – alerta.

Segundo a médica, evitar a exposição excessiva ao sol é o principal cuidado. Ao sair ao ar livre, diz ela, a pessoa deve procurar ficar na sombra, principalmente entre 10 e 16 horas, quando a radiação UVB é mais intensa. A recomendação é usar sempre protetor solar com fator de proteção superior a 30 FPS. Cobrir as áreas expostas com roupas apropriadas, com uma camisa de manga comprida, calças e um chapéu de abas largas, além de óculos escuros também complementam as estratégias de proteção.

A dermatologista explica que o sol pode ser prejudicial para todos os tipos de pele, mas ela alerta que existem grupos mais sensíveis ao sol.

– Como a incidência dos raios ultravioletas está cada vez mais agressiva em todo o planeta, as pessoas de todos os fototipos devem estar atentas quando expostas ao sol. Por outro lado, os grupos de maior risco são os do fototipo I e II, ou seja: pessoas de pele clara, com sardas, cabelos claros ou ruivos e olhos claros. Além destes, os que possuem antecedentes familiares com histórico de câncer de pele, queimaduras solares, incapacidade para se bronzear e muitas pintas também devem ter atenção e cuidados redobrados. Pois, são as mais atingidas – alertou.

No caso dos idosos, os cuidados devem ser ainda maiores, destaca a dermatologista. Segundo ela, na derme, o envelhecimento se traduz em perda da hidratação, oleosidade e elasticidade. “Assim, quanto maior a idade, maior o risco de desenvolver os tumores de pele. Além disso, os raios solares aceleram o envelhecimento. Por isso, quem é mais velho não deve descuidar da proteção solar diária com o filtro solar, bonés, viseiras, óculos. Preferir a sombra e evitar exposição excessiva ao sol”, recomenda.

Para se prevenir melhor, a dermatologista Pâmela aconselha a realização frequente do autoexame da pele, através de uma inspeção completa e cuidadosa da pele de todo o corpo, do couro cabeludo à sola dos pés, com a ajuda de espelhos e de um familiar. “Dar especial atenção à cor, tamanho, relevo e formato das pintas e lesões na pele. Se detectar lesão nova e suspeita ou alteração numa anterior, agendar uma consulta médica; Exame completo da pele, se possível realizado anualmente, por um médico dermatologista”, diz.

Por  Júlio Amaral


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Untitled Document