Ciclistas e pedestres atravessam lado interditado de ponte em Barra Mansa e assumem riscos

Por Diário do Vale
73 Visualizações

Barra Mansa-

Ciclistas e pedestres não estão respeitando a sinalização de interdição de uma das passagens da ponte, localizada na Rua Josias Cirilo Maciel, no bairro Vila Nova, em Barra Mansa. O lado esquerdo da ponte esta impróprio para a passagem de pedestres. Segundo a assessoria de comunicação da prefeitura, a empresa Ceg, do Rio de Janeiro está executando obra de colocação da tubulação subterrânea de gás veicular do posto Vila Nova. Devido a isso, uma parte da ponte teve que ser interditada. Entretanto mesmo com a interdição moradores não respeitam a sinalização.

Paulo César, que mora  próximo à ponte, estava caminhando no lado interditado, ao lado dos veículos, mesmo com o aviso da sinalização, que pede aos pedestres para utilizarem o outro lado da ponte. Ele disse à reportagem que estava passando no lado interditado por uma questão de hábito e afirmou ainda que sente falta de uma ciclovia no local, pois quando esta como ciclista continua utilizando o lado interditado, devido ao pequeno espaço da passagem dos pedestres sobre a ponte.

– Sei que estou utilizando o lado errado da ponte, mas tenho o hábito de caminhar por aqui e quando estou na minha bicicleta também passo por este lado, pois é muito estreita a passagem dos pedestres na ponte, o que dificulta duas pessoas passarem ao mesmo tempo, ainda mais em cima de uma bicicleta – comenta.

No local há grande fluxo de veículos, o que pode ocasionar um acidente aos ciclistas e pedestres. Porém, outros moradores e comerciantes não se arriscam, utilizam apenas a passagem da ponte liberada, como a jovem Juliana Souza.

– Eu passo diariamente na ponte, e nunca me arrisquei do outro lado, por medo, pois passa muito carro por aqui, por ser uma rua com muito comércio. Mas apesar disso, sempre vejo ciclistas se arriscando do outro lado – fala.

A ponte tem apenas uma placa informando ao pedestre para passar para o outro lado, mas na opinião do comerciante André Luiz, o local deveria ser mais sinalizado antes da ponte, informando à população que a rua esta em obra.

– Acho perigoso as pessoas se arriscarem, mas a obra não está bem sinalizada, poderia ter mais placas de sinalização – diz, acrescentando que deveria ter um guarda municipal circulando pelo local.

Mas a negligência dos pedestres não é o único transtorno causado pela obra no bairro. De acordo com uma comerciante que preferiu não se identificar, o início da obra da tubulação subterrânea de gás foi bem complicado para os comerciantes, que acabaram perdendo clientes, pois um trecho da calçada da rua ficou aberto, dificultando a entrada das pessoas nas lojas.

– Quando a obra foi iniciada, foi muito difícil para nós comerciantes, pois a beirada da rua ficou aberta para a tubulação entrar, e o buraco aberto era colado à calçada, muitos clientes não conseguiam entrar na loja por isso – diz, acrescentando que a maior parte dos buracos já foram tampados e o movimento da clientela voltou ao normal.

Em nota a assessoria de imprensa da prefeitura informou que esta buscando recursos para a instalação de uma ciclovia no local.

Advertisement

VOCÊ PODE GOSTAR

diário do vale

Rua Simão da Cunha Gago, n° 145
Edifício Maximum – Salas 713 e 714
Aterrado – Volta Redonda – RJ

 (24) 3212-1812 – Atendimento

 

(24) 99926-5051 – Jornalismo

 

(24) 99234-8846 – Comercial

 

(24) 99234-8846 – Assinaturas

Canal diário do vale

colunas

© 2023 – DIARIO DO VALE. Todos os direitos reservados à Empresa Jornalística Vale do Aço Ltda. –  Jornal fundado em 5 de outubro de 1992 | Site: desde 1996