Cidades se unem para criar CicloAtlântica - Diário do Vale
quarta-feira, 22 de setembro de 2021 - 11:48 h

TEMPO REAL

 

Capa / Cidade / Cidades se unem para criar CicloAtlântica

Cidades se unem para criar CicloAtlântica

Matéria publicada em 22 de maio de 2017, 20:26 horas

 


Trecho de antiga ferrovia que ligava Barra Mansa a Costa Verde pode dar lugar a importante ciclovia; prefeitos se reuniram com Dnit

Sul Fluminense – Prefeitos de Barra Mansa, Rodrigo Drable; Angra dos Reis, Fernando Jordão (ambos do PMDB); e de Rio Claro, José Osmar (PR), se reuniram nesta segunda-feira (22) com o diretor de Infraestrutura Ferroviária do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Charles Magno Moreira e dirigentes da VLi-FCA, para dar início, oficialmente, ao processo de construção de uma importante ciclovia do país: a CicloAtlântica. Com pouco mais de 108 quilômetros, o projeto de construção ganha força depois que os três prefeitos se uniram para criação do Consórcio Intermunicipal da Ciclovia do Atlântico. O projeto visa desenvolvimento econômico, fomento ao turismo e a preservação de um dos trechos mais importantes do Bioma Mata Atlântica, entre os três municípios.

Para o prefeito Rodrigo Drable, um dos idealizadores do projeto e que também é ciclista, transformar uma ferrovia desativada em uma ciclovia nos moldes e nos padrões internacionais, como a Via Cláudia Augusta, na Alemanha; Caminho Francês e Português a Santiago de Compostela e as famosas rotas dos Países Baixos cria uma nova forma de aquecimento econômico, geração de emprego e renda para as cidades da região Sul Fluminense.

– Temos que buscar soluções práticas, modernas e que tragam resultados econômicos para a região e para o Estado do Rio. O ciclismo é o esporte que mais cresce no Brasil e não podemos perder esta oportunidade de atrair turistas de várias partes do país e do mundo – enfatizou Drable.

O Dnit já iniciou as negociações com a concessionária VLi-FCA, que detém a exploração do trecho, para que seja feito a devolução da área, que já não é utilizada desde o início dos anos 90. Os próximos passos serão dados a partir da transmissão patrimonial, que será feita pela SPU (Secretaria de Patrimônio da União)/Dnit aos municípios do consórcio.

No documento assinado pelos prefeitos e entregue ao diretor do Dnit foi abordado que em anos anteriores tentaram transformar a ferrovia desativada em nova rota de cargas e passageiros e, até mesmo, numa rodovia como rota alternativa a RJ-155 (Rodovia Saturnino Braga). Os prefeitos defendem que a ocupação alternativa seja utilizada por modal de transporte sustentável, com potencial para geração de emprego e renda, com fomento ao turismo, com infraestrutura hospedeira e alimentação.


Comente com Facebook
(O Diário do Vale não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

9 comentários

  1. liberdade e propriedade

    A “Ciclovia” proposta para o trecho, não é aquelas conforme conhecemos nas cidades, não vão fazer uma faixa de concreto de 2m de largura ligando Angra à BM. A “Ciclovia” em questão, propostas para leitos ferroviários, trata-se basicamente de remover o trilhos e fazer a limpeza, mantendo assim um caminho de terra batida e estreito, forrando os pontilhões, pois são vazados. Pessoas bem treinadas conseguem ir de BM a Angra e voltar no mesmo dia ou então reduz um pouco o trajeto usando carro. Inclusive esse caminho já é bastante utilizado por praticantes de Treking.

  2. الفتح - الوغد

    Uma ciclovia com mais de 100 km de extensão… Ciclovias são idealizadas basicamente para o deslocamento urbano, principalmente em trajetos curtos… Além dos empreiteiros e políticos oportunistas já citados, essa ciclovia só atenderia os interesses de um pequeno grupo de abonados aventureiros, proprietários de caríssimas bikes, dentre os quais o próprio prefeito. Nada de trabalho ou estudo, só lazer…

    Allahu Akbaaaaar!

  3. liberdade e propriedade

    Até é interessante, melhor que ficar ocioso e abandonado. Leitos ferroviários são ótimos para pedalar, pois não possui aclives e declives agudos, todos suaves. No entanto acho mais original historicamente, bonito e charmoso a locomotiva a vapor circulando, apitando e soltando fumaça. A ciclovia é importante também, mas como segunda opção, sua vantagem é poder parar a qualquer hora e contemplar a natureza, pontes, viadutos e túneis centenários. Minha sugestão é, como esse trecho ainda não foi completamente desativado, não há interrupção do trajeto, prefiro o trem. Já em leitos abandonados e segmentados sugiro a ciclovia, como no leito da antiga ferrovia Barra do Piraí até Minas Gerais.

  4. agafjgjjkWantuil fortes Silvério

    Como pessoa com tampa olhos. Gente aquele espaço físico, É da RFFSA linha Barra mansa à Angra. Eu pergunto à vc usuário do transporte público ? Vc que ir à Angra de trem ou de bicicleta,?? Vcs sabia o pôr que eles não querem o retorno do trem ??? Porque,? Tira dinheiro do Detro ( ônibus de 06 número ) Detran ( menos multa e bafômetro e. PM ) Essa ciclovia não é de interesse da população, e sim dos políticos regional. Obs: vc pode ir à praia beber sem correr riscos de acidente, , Outro elimina blitz da PM . O trem é melhor transporte de massa e barato, não precisa de pagar tarifa pedágio IPVA. É por isso que o Brasil está nessa situação. Uma grande parte do povo, não tem conhecimento político . Como Esses Perfeitos de barra mansa, Angra, Río claro sabem enganar o povo . TREM já , TREM já o resto é conversa para boi dormir….

    • liberdade e propriedade

      Essa ciclovia não seria para meio de transporte e sim para os amantes do Mountain Bike, e acredite, são muitos, deverá haver peregrinação para esse circuito. E um trem nesse trecho, não compete com ônibus, que faz o percurso em menos de 1/4 do tempo. O trem seria única e exclusivamente turístico. Amo o Mountain Bike, mas também amo a história, nesse caso o maior potencial desse leito é o histórico, o Trem a Vapor!

    • الفتح - الوغد

      Interesse dos empreiteiros (superfaturamento) e dos políticos (propinas nas concessões)… Só isso, nada mais…

    • Não Pertence a RFFSA, pois a mesma já não existe mais, hj em dia existem 2 empresas FCA e MRS, este trecho pertence a FCA, foi feita uma concessão em 1996 de 30 anos + 30 anos, porem como não esta sendo usada e a empresa não interesse em efetuar melhorias neste ramal, achei interessante pois os prefeitos estão querendo investir em uma coisa nova, que tem potencial, porem no caso de trem a vapor, seria uma boa , porem não acredito muito, pois nem o trem mineiro conseguiram fazer voltar BM x São Vicente.

  5. Tomara que se realize, ótimo projeto, porem não pode ficar igual a Rodovia do Contorno, hospital regional e Pátio de Manobras.

  6. Muitíssimo parabéns a todos os envolvidos!!!
    Torço para que com muito empenho possam tirar do papel esse projeto de importância ímpar pra nossa região!!

Untitled Document